Usuário:
 
  Senha:
 
 

Os Filhos do Rio Grande:
Cheiro do Rio Grande,
de Darci Lopes

 

01/04/2011 22:19:13
DE TARDEZITA
............................................................................

 

 

        De tardezita, o peão recostou-se no parapeito, tapeou o chapéu, puxou uma palha do bolso, colocou atrás da orelha, pegou um naco de fumo e, com uma xerenga daquelas de aparar a barba, foi cortando com capricho o jorgina, juntando-o na palma da mão. Desfiou bem. Buscou a palha atrás da orelha, recheou-a e foi enrolando-a. E antes de fechar o palheiro, passou a língua ao comprido da palha, fechou-a, fez uma pequena dobra numa ponta, colocou a outra na boca, prendeu fogo e começou a pitar.
        Bombeava, pensativo, o horizonte à sua frente, sem se deter nas silhuetas do gado, dos cavalos, das ovelhas e dos capões de mato, que melancolicamente espichavam a sombra com o entrar do sol. Um cusco veio pro seu costado; festejando, cheirou sua canela e deitou-se, quase fazendo o pé de travesseiro, o que também não foi notado.
        A fumaça do palheiro subia, afilada, naquela tarde calma, como que levando um sonho daquele moço absorto.
        Quando os mosquitos chegaram, se tapeou um pouco, fez um agrado no cusco; e ouviu um chamado carinhoso de que o mate estava pronto.     
        Tirou o chapéu, elevou seu pensamento ao Patrão Celeste e agradeceu por ter saúde, um rancho, uma china. E entrou, para matear com ela!

............................................................................
  Autor: Deroci Freitas de Moraes
Causo enviado Por: Deroci Freitas de Moraes - Santa Maria / RS
  Observações:

Visitem meu Blog http://lafora.arteblog.com . O autor.

Observações do BL: a referida obra está classificada como Conto Gauchesco.


 
Nome:
Cidade:
Estado:
 
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
Untitled Document