Usuário:
 
  Senha:
 
 

Grupo Fogo de Chão:
Gaúcho

 

13/12/2009 20:01:53
JOGRAL NATALINO TRADICIONALISTA GAÚCHO
 
Jesus: O Maior dos Reis nascido no mais humilde dos locais!
............................................................................

1. Definição

O termo jogral, dentre outras definições, serve para designar o coro polifônico, isto é, o grupo de pessoas, composto por várias vozes, entremeado de declamação, utilizado para abrilhantar representações cênicas ou solenidades sociais.

No âmbito do Movimento Tradicionalista Gaúcho Brasileiro organizado e em qualquer outro ambiente tradicionalista, um Jogral Natalino Tradicionalista Gaúcho poderá ser organizado, em meio às comemorações religiosas e anuais da passagem da Data Natalícia de Jesus Cristo.

2. Finalidade

A apresentação do Jogral Natalino Tradicionalista Gaúcho poderá vir a realçar os atos comemorativos do Natal, junto ao público tradicionalista, conciliando-os com os objetivos culturais do MTG Brasileiro de valorização, culto, preservação e adequada divulgação das Tradições Regionais dos Gaúchos Campeiros do Pampa do Estado do Rio Grande do Sul.

3. Requisitos Técnicos e Tradicionalistas

No desenvolvimento do Jogral Natalino Tradicionalista Gaúcho há de se considerar algumas condições mínimas de coerência regionalista-tradicional sul-rio-grandense e de adequação tradicionalista gaúcha brasileira.

Assim, como requisitos mínimos do Jogral Natalino Tradicionalista Gaúcho, é de serem observados:

a)     o uso da Pilcha Gaúcha Sul-rio-grandense Tradicional, pelos componentes do coro, prevista nas Diretrizes do MTG Brasileiro;

b)    a decoração do ambiente da apresentação o mais adequado possível aos usos e costumes tradicionais gaúchos da região do Pampa Sul-rio-grandense;

c)     a recitação no estilo pajada, do narrador e demais componentes do coro, deve se dar, preferencialmente, por quem tenha conhecimentos prévios, teóricos e práticos, na arte da declamação gauchesca, e condições de transmitir à platéia a emoção pertinente a esse ato poético-religioso e tradicionalista gaúcho brasileiro;

d)    evitar-se toda a ação que possa vir a desnaturar o Jogral Natalino Tradicionalista Gaúcho, como, p. ex, o uso de linguajar, pronúncia e sotaque dissociados do Jeito Gaúcho Tradicional de Falar característico da região do Pampa do Rio Grande do Sul, assim como outros atos que possam comprometer a autenticidade regionalista-tradicional gaúcha sul-rio-grandense e tornar o ato tradicionalista artificial, não regionalista-tradicional;

e)   o evento pode conter atos teatrais compatíveis com a mensagem do texto e não deve visar fins lucrativos, ecnômico-financeiros ou comerciais, sendo, de preferência, uma oferta gratuita aos associados das Entidades Tradicionalistas, que ao contribuirem durante o ano todo com as suas respectivas Entidades Culturais, por meio das mensalidades, são merecedores de um Natal Gaúcho, um Fandango Tradicional e outros eventos tradicionalistas, aonde o interesse cultural venha a sobrepor-se às arrecadações pecuniárias.

4. Desenvolvimento

Os integrantes do Jogral Natalino Tradicionalista Gaúcho poderão ter suas falas distribuídas a critério da organização, mediante os testes realizados nos ensaios, sendo o recital apresentado por um Narrador, ou uma Narradora, e o Coro; ou pelo Narrador ou Narradora Principal, Narradores, Narradoras e o Coro, de acordo com o desenvolvimento do texto.

O presente Jogral Natalino Tradicionalista Gaúcho, a título de exemplo, assim poderá ser apresentado ao público de CTGs e Entidades Tradicionalistas filiadas ao MTG Brasileiro, de Departamentos de Tradição Gaúcha sem vínculo com o Tradicionalismo organizado, de escolas, empresas, associações, e de quaisquer outros grupos de tradicionalistas gaúchos brasileiros:

NARRADOR PRINCIPAL:

Quando a Luz da Salvação

clareou o antigo mundo,

mesmo que por um segundo

houve paz, sossego, união;

CORAL FEMININO:

todo o povo, toda a nação,

diante do anunciado bem,

ansiava pelo Divino Neném:

o Filho do Patrão das Alturas.

CORAL MASCULINO:

Mas, entre irracionais criaturas,

numa gruta de Belém,

foi que nasceu, porém,

o Menino das Escrituras!

NARRADOR PRINCIPAL:

Nem Herodes, Rei da Judéia,

no controle dos romanos,

sucesso teve nos planos

de aplicar a sua idéia,

na terrível odisséia

do Massacre dos Inocentes;

CORAL FEMININO:

nem os incrédulos parentes

de Maria e de José

creram e tiveram fé

nas antigas professias;

TODOS

na chegada do Messias,

prometido em Nazaré!

NARRADOR PRINCIPAL:

E a Família Sagrada,

cumprindo a ordem real,

retorna à Terra Natal

de José; e segue cansada,

CORAL FEMININO:

exausta na longa jornada,

com a proteção da Luz

a zelar o Menino Jesus,

que Maria no ventre contém,

CORAL MASCULINO:

e a orientar, também,

aos diletos Magos Reis,

conduzindo-os, os três,

na direção de Belém!

TODOS

Naquela periferia,

sem abrigo, sem pousada,

foi a Família alojada

numa humilde estrebaria;

CORAL MASCULINO:

na gruta foi que Maria

veio a cumprir seu papel,

o que o Anjo Gabriel

deu-lhe quando apareceu,

CORAL FEMININO:

mudando os desígnios seus

de uma simples campesina

para ser a genuína

Mãe do Filho do Deus!

NARRADOR PRINCIPAL:

No ato do nascimento

do Divino Avatar

viu-se no céu brilhar

bem mais forte o evento;

CORAL MASCULINO:

com o planetário alinhamento

a luz clara resplandece

e, com esse fato celeste,

trazendo o seu louvor,

desde rei até pastor,

de muito lugar incerto,

chegou para ver, de perto,

o Menino Salvador!

TODOS

- “O Maior dos Reis nascido

no mais humilde dos locais”,

NARRADOR PRINCIPAL:

diz o sábio Melchior aos pais,

ofertando-O, comovido,

incenso, mirra e o ouro oferecido;

junto ao tradutor Gaspar

e o astrônomo Baltazar;

CORAL FEMININO:

com o espírito venerador

e o olhar terno de amor,

os ilustres Reis Magos

amimavam, com afagos,

o Nosso Mestre Redentor!

TODOS

- “José: leva embora a criança!”,

CORAL MASCULINO:

ordenou-lhe o Anjo Gabriel,

antes do massacre cruel.

NARRADOR PRINCIPAL:

Em nome da segurança

e da ordem da Santa Aliança,

tomando Jesus e Maria,

atendendo à Sagrada Tutoria,

realizou o que estava escrito;

CORAL FEMININO:

com fé, embora aflito,

cumprindo a divina profecia,

José, com Jesus e Maria,

pôs-se em fuga para o Egito!

NARRADOR PRINCIPAL:

E o Menino-Deus fez-se Rei,

Luz da Vida da Humanidade,

e diz, pregando amor e caridade:

TODOS

- “amai o próximo como os amei”;

“a todos fazer o bem”, é a Sua lei;

“do pobre é o Reino dos Céus”;

“o bem aos maus, ingratos e réus

não será ato infecundo,

o seu sentido é profundo,

é fazer bem ao Altíssimo”.

CORAL FEMININO:

Esse o ensinar nobilíssimo

do Salvador deste Mundo!

NARRADOR PRINCIPAL:

Hoje, em congraçamento anual,

louvemos ao Nazareno

de alma leve e espírito sereno,

pela bênção celestial

e a graça sacramental

do Mestre dos Mestres Jesus,

CORAL MASCULINO:

ungidos por sua Luz

e Sua mensagem doutrinal,

relembrando neste jogral

o Seu Divino Nascimento,

CORAL FEMININO:

buscando o ressurgimento

do Espírito do Natal!

NARRADOR PRINCIPAL:

É neste encontro cordial

de paz, alegria e humildade,

luz, amor e verdade,

em ambiente fraternal,

que festejamos o Natal

e vivenciamos Jesus;

CORAL FEMININO:

pedindo-Lhe, por ser jus,

na linguagem do rincão,

reunidos em oração:

TODOS:

que o Patrão Nosso Senhor

leve paz, alegria e amor

a quem é, também, nosso irmão!

NARRADOR PRINCIPAL:

Rezemos todos, ao Senhor,

A ORAÇÃO AO PATRÃO GRANDE DO CÉU,

que Jesus, o Divino Tropeiro, nos ensinou: 

TODOS:

PATRÃO VELHO, NOSSO SENHOR

DA GRANDE ESTÂNCIA DO CÉU,

SAGRADA PARA SEMPRE SEJA A TUA GRAÇA!

QUE O TEU PATRONATO VENHA ATÉ

A NOSSA QUERÊNCIA TERRENA,

E QUE A TUA DIVINA VONTADE

SE FAÇA PRESENTE ENTRE NÓS,

AQUI E EM TODAS AS INVERNADAS CELESTES!

 

O NOSSO CHURRASCO, MATERIAL E ESPIRITUAL,

NOS DÊ TODOS OS DIAS!

PERDOA OS NOSSOS ESTRANHAMENTOS,

ASSIM COMO TENTAMOS PERDOAR

AOS QUE PERDERAM AS ESTRIBEIRAS

PARA CONOSCO!

NÃO NOS DEIXES, PATRÃO,

RESVALAR NAS TENTEADAS DO PECADO,

MAS NOS LIVRES DOS ATROPELOS

DE TODA A MALDADE DO MUNDO,

HOJE E SEMPRE!

ASSIM ACREDITO,

MEU PATRÃO GRANDE DO CÉU!

(ORAÇÃO AO PATRÃO GRANDE DO CÉU, in JOGRAL NATALINO TRADICIONALISTA GAÚCHO, de José Itajaú Oleques Teixeira

BOMBACHA LARGA: na luta pela preservação das autênticas Tradições dos Gaúchos Sul-brasileiros! 

............................................................................
Untitled Document