Usuário:
 
  Senha:
 
 

Irmãos Bertussi:
Carreteiro do Meu Pago,
de Irmãos Bertussi

 

23/11/2005 10:39:56
CHANANECO: UM GAÚCHO CARRETEIRO DO RIO GRANDE DO SUL!
 
A pousada do carreteiro gaúcho do Rio Grande do Sul!
............................................................................

“(...) O corpo do carreteiro dá os primeiros sinais de cansaço. No balançar da carreta ele observa o céu e decide parar. Sai da estrada e se acomoda num grande espaço, onde só há capim rasteiro. Solta os bois, passando a mão no lombo magro de cada bicho. São seus companheiros, afinal. Ele gosta mais deles do que de muita gente. O parador já é conhecido das tantas vezes que ali ficara. Foi fácil se acomodar no local. Bois descangados, fueros e muchacho sustentam a carreta carregada com o produto originário das pedras brancas. Longas taquaras curvadas suportam a cobertura de capim seco. A cambona com água foi o primeiro apetrecho a ser usado, aquecendo no fogo de chão. O mate é esperado com ansiedade. Aos poucos o sol desliza, escondendo-se numa barra de nuvens escuras. Chananeco pensa no temporal que pode atingi-lo no outro dia. Mas assim é a sua vida, nada pode fazer contra o destino. O fogo embala as labaredas que furam a escuridão. O cachorro Mutuca, parecendo distraído, move as orelhas ao cantar de uma ave noturna. O som da noite fica por conta de grilos, sapos e corujas. Chananeco não está só. Sorrindo, afasta da cabeça os maus pensamentos. O que tem a fazer é picar um pouco de charque, calcular uma boa medida de arroz e preparar seu jantar na panela de ferro. (...) A noite toma conta de tudo, com suas estrelas brilhantes. As horas passam na grande curva do cruzeiro que indica o sul. Debaixo da carreta, deitado sobre os pelegos, Chananeco não dorme, voltando a pensar naquele homem de olhar bondoso. Naquele Imperador contra o qual lutara ainda quase um menino e que lhe parecera tão humano e real. A vegetação começa a umedecer com o orvalho. Ouve ao longe o cantar de um galo, o mugir de uma vaca. O sono o derruba, finalmente. Em poucas horas será o amanhecer. (...)”. (Chananeco: a História de um carreteiro; p. 26-27. Romance Histórico de autoria de Carlos Cassel, Lucas Zamberlan, Luiz Hugo Burin e Remaldo Carlos Cassol, da Oficina de Criação Literária Alcy Cheuiche, Porto Alegre: Metrópole, 2004. Pedidos para: burin.lh@farrapo.com.br)

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
NENHUM COMENTÁRIO ATÉ O PRESENTE MOMENTO!
Untitled Document