Usuário:
 
  Senha:
 
 

Pirisca Grecco:
Com os pés fincados no chão - letra de Zeca Alves,
melodia de Pirisca Grecco e Ricardo Martins
Calhandra de Ouro da 34a Califórnia

 

12/12/2005 11:02:10
O DESEMPENHO DA 34. CALIFÓRNIA DA CANÇÃO NATIVA DO RS!
 
Os Festivais Nativistas do Rio Grande do Sul não são
Eventos Tradicionalistas, pois não estão comprometidos
com a Filosofia preservacionista do MTG do Brasil
nem com a autenticidade da antiga e campeira Tradição
dos Gaúchos Brasileiros!
............................................................................

No ano de 2005 realizou-se mais uma edição da Califórnia da Canção Nativa do Rio Grande do Sul, com sua fase final desenvolvida na cidade fronteiriça sul-rio-grandense de Uruguaiana. Nas 33 edições anteriores, muitas composições vencedoras agradaram ao público do Festival. Por outro lado, outras tantas sofreram vigororos protestos, por não terem sido consideradas dignas representantes da Música Gauchesca Nativa do Estado do Rio Grande do Sul. Na 34ª edição a expectativa geral foi, igualmente, no sentido de que a vencedora pudesse vir a atingir os objetivos desse que é o Festival mais antigo do Estado Garrão-sul Brasileiro. E a vitoriosa da 34. Califórnia saiu da Linha de Manifestação Rio-grandense. A música Com os pés fincados no chão, letra de Zeca Alves e melodia de Ricardo Martins e Pirisca Grecco, interpretada por este último, levou o troféu Calhandra de Ouro. Na Linha Campeira sagrou-se vencedora Minha namorada, com letra e melodia de Hermeto Silva, defendida por João de Almeida Neto. Na Linha Livre venceu Velhos amigos, defendida pelo Grupo Status, com letra de Airton Costa e Alvandy Rodrigues e melodia de Marco Afonso de Araújo. O voto popular considerou O Licurgo e o Ramão a melhor composição. O melhor conjunto vocal foi o Grupo Status e o melhor instrumentista Artur Bonilha, por sua participação em Minha Namorada e Peão do Cantagalo. O melhor intérprete foi Pirisca Grecco, pela participação na música vencedora da 34a Califórnia Com os pés fincados no chão. A chamarra O Licurgo e o Ramão, com melodia de Ataualpa Dornelles Filho e letra de José Luiz Souza Villela, retratou a história de dois chalaneiros que viviam do transporte de mercadorias entre os dois lados do rio Uruguai, na época em que a ponte internacional era apenas um projeto.  Candido Alves, o Kiko, e Luiz Fernado Villela foram os intérpretes dessa composição musical, eleita a preferida do público. Durante o Festival inúmeros temas foram abordados. E uma toada de reis encerrou a noite de sexta-feira. Mantendo o estilo, os Cantadores do Litoral representaram a conjugação da cultura afro-açoriana litorânea gaúcha com Um Terno pela Paz. Com letra de Ivo Ladislau e Vaine Darde e melodia de Mário Tressoldi e Carlos Catuípe, a música visou resgatar a união entre os grupos que promovem os Ternos de Reis. Já o compositor Alvandy Rodrigues revelou que a canção Velhos Amigos, defendida pelo Grupo Status, é uma homenagem à resistência contra ditadores latino-americanos. Enfim, dentro de cada Linha da Califórnia mais uma vez diversos temas foram explorados. Resta-nos, com o passar do tempo, conhecer melhor as composições premiadas e as demais concorrentes, para que possamos avaliar o desempenho desse Festival da Música Regionalista Nativa do Estado do Rio Grande do Sul, realizado na cidade de Uruguaiana, marco do Mercado Musical Nativista atuante na Cultura Regional do Estado e do Povo Sul-rio-grandense!

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
12/12/2008 09:20:54 José Itajaú Oleques Teixeira - Guará / DF - Brasil
De minha parte, concordo com Ademir Canabarro, pelos seguintes motivos: 1) alguém poderá pensar que a letra da composição vencedora da Calhandra de Ouro 2005, na 34ª Califórnia da Canção Nativa do Rio Grande do Sul, “Com os pés fincados no chão”, esteja referindo-se a um espantalho. Para os que assim entendem, resta explicitada a existência de uma Filosofia da Negação, aonde ao coitado do "espantalho" não é reconhecido o valor de seu trabalho, acusado, ainda, de estar o mesmo colhendo somente aquilo que plantou, como se a culpa por isso fosse dele e não do ser humano que o criou, seja para os fins de uma parceria positiva ou para a mera exploração, a escravidão. Outros poderão entender muito mais e além do que as palavras da letra revelam. Captando uma outra mensagem subliminar, escondida por detrás da figura desse “espantalho culpado”, alguns poderão entender que a letra de Zeca Alves revela é uma pesada crítica ao Homem do Campo. Simples, agricultor, pobre, ele - como muitos outros enraizados onde nasceram -, que tem o campo como o seu destino de filho de camponeses, criado e crescido na lida de seus pais, com suas limitações naturais de campeiro, deveria afastar-se da sua vida campesina. A composição não aventaria nem a possibilidade de que o campeiro gosta dessa sua vida, ou que, embora dura, sofrida, representa a sua única formação profissional. Também a letra não leva em consideração que fora dali, sim, é que o campeiro seria "um nada"; que sem os seus "pés fincados no seu chão" é que ele vagaria pelas periferias das cidades, sem ter qualquer ponto de referência. Portanto, essa mensagem subliminar traz a mesma Filosofia da Negação, direcionada, neste caso, à atividade intrínsica do Homem do Campo, independentemente do espaço geográfico e temporal. O agricultor, o campeiro pobre, seria o culpado do seu estado de pobreza; ele estaria colhendo o que plantou, por ter ficado preso ao seu torrão nativo, como se ele não fosse parte de uma economia familiar que abastece a mesa dos citadinos que o culpam por ter ficado lá no seu roçado por toda a vida, teimosamente com "os pés fincados naquele seu e querido chão". Para os que assim entendem, a música poderia muito bem ser batizada como “O Melô do Latifundiário”, o qual, como faziam os fazendeiros do Texas, “incentiva” aos pequenos campeiros para que arranquem os "pés fincados no seu chão", por estar sendo sua Terra pretendida por quem visa ampliar suas posses; 2) no nosso entendimento, o autor da letra não tentou dizer algo que venha a retratar a cultura regionalista-tradicional nativa do gaúcho sul-brasileiro; ou seja, não cumpriu com um dos objetivos do Festival, que é o da preservação e divulgação da Identidade Cultural Gaúcha Sul-rio-grandense; 3) O ritmo musical é uma milonga que em nada está identificada com a música regionalista-tradicional gaúcha sul-rio-grandense, assim como, também, a sua interpretação; 4) eu, particularmente, não gostei nem da letra nem da música da vencedora da 34ª Califórnia da Canção Nativa do Rio Grande do Sul; 5) portanto, não acho que a referida composição tenha merecido vencer o Festival, por todos os motivos acima expostos, uma vez que outras, falando da cultura regionalista-tradicional gaúcha sul-rio-grandense, mereceriam muito mais tal prêmio. Mas, como há muito já se fala, tais Festivais “Nativistas do Rio Grande" sofrem as influências diretas do mercado musical e seus modismos sem fronteiras; é só ver a pilcha dos premiados que já se terá uma boa ideia disso...
Sítio: http://www.bombachalarga.com.br
12/12/2007 22:50:04 Júlio César - Poa / RS - Brasil
Gosto de sites gauchescos, que venha modernidade e não se perca a tradição do nosso pago. Parabéns pelo belo site.
Sítio: *****
12/12/2007 18:49:47 Ademir Canabarro - Navegantes / SC - Brasil
A música vencedora da Califórnia da Canção nada tem que a identifique com o nativismo gaúcho ou o tradicionalismo. Poderia ter sido gravada no norte ou nordeste. É apenas uma música, uma melodia qualquer que não representa chão nenhum, totalmente sem identidade. O corpo de jurados deve repensar os propósitos e os motivos que movem o tal Festival, que noutros tempos servia como luzeiro para gaúchos e nativistas. Hoje, perdeu a essência.
Sítio: *****
12/12/2007 08:34:28 José Itajaú Oleques Teixeira - Guará / DF - Brasil
Prezados visitantes. O Bombacha Larga pergunta, a quem quiser responder: 1) qual a filosofia da música vencedora da 34a Califórnia da Canção Nativa do Rio Grande do Sul, "Com os pés fincados no chão"? 2) Zeca Alves, o autor da letra, tentou dizer algo que venha a retratar a cultura do gaúcho sul-brasileiro? 3) a melodia de Ricardo Martins e Pirisca Grecco é representativa dos ritmos do Rio Grande? 4) gostaste da letra, da música, ou de ambas? 5) achas que a referida composição mereceu o troféu Calhandra de Ouro da 34a Califórnia? Quem quiser participar desta enquete pode responder a uma ou a mais perguntas e, ainda, acrescentar outras opiniões a respeito do tema. Saudações Tradicionalistas a todos!
Sítio: http://www.bombachalarga.com.br
26/03/2007 22:57:17 José Itajaú Oleques Teixeira - Guará / DF - Brasil
Prezada Iracema Polli. O sítio Bombacha Larga agradece a tua honrosa visita e a importante participação. Em atendimento ao solicitado estamos indicando-te o seguinte endereço eletrônico: http://www.dicionariompb.com.br/verbete.asp?tabela=T_FORM_C&nome=Festival+Calif%F3rnia+da+Can%E7%E3o , onde poderás obter maiores informações sobre o Festival Califórnia da Canção Nativa do Rio Grande do Sul. Saudações Tradicionalistas e um respeitoso quebra-costelas!
Sítio: http://www.bombachalarga.com.br
26/03/2007 21:36:20 Iracema Polli - Pato Branco / PR - Brasil
Gostaria de receber informações sobre este festival. Como funcional? Quem pode participar? É interpretação? Iracema Polli
Sítio: *****
Listados 6 Comentários!
Untitled Document