Usuário:
 
  Senha:
 
 

Grupo Chamamento:
Chimarrão da Saudade

 

22/12/2005 11:31:57
CHIMARRÃO: O SANGUE VERDE DOS GAÚCHOS BRASILEIROS!
 
O churrasco e o chimarrão da Tradição Regional
dos Gaúchos Campeiros do Pampa Sul-brasileiro!
............................................................................

O Chimarrão, apresentado aos espanhóis pelos índios guaranis da região de Guaíra-PR, em 1554, nasceu sob o signo da hospitalidade e da cordialidade. Esse é o seu simbolismo na Tradição dos Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul. A erva-mate depois passou a ser cultivada na região de Santa Maria-RS, pelos padres missioneiros, iniciando-se ali, também, a primeira produção em pó, tal como hoje é conhecida. O mate-amargo também é usado como auxílio para uma boa digestão. Nas estâncias, o consumo de carne bovina não dispensava o chimarrão, para ajudar na quebra das gorduras. Hoje o churrasco e o chimarrão são indispensáveis na vida dos Herdeiros da Tradição dos Gaúchos Pampeiros do Rio Grande do Sul. A bebida símbolo do Estado Garrão-sul do Brasil é preparada em uma cuia de porongo de casco grosso, com a erva mate e uma bomba metálica, para o ato do seu sorvimento. Aquelas cuias para turistas, de madeira ou de casco fino, não prestam para se tomar um bom mate-amargo. Já o hábito gaúcho de encilhar o mate consiste no ato de renovar-se o chimarrão pondo mais erva na cuia, sem tirar a já existente, como forma de fortalecê-lo. Análises laboratoriais já revelaram que essa bebida contém uma gama de propriedades benéficas para a saúde de Vivente que a sorve. Os seus poderes estimulantes representam a raça, a coragem e a determinação dos Gaúchos Sul-brasileiros. É o chimarrão o Sangue Verde dos Gaúchos do Brasil! Oh! filtro misterioso e ardente de solilóquios companheiro. Teu convívio tão prazenteiro transforma-te em meu confidente. Ao sorver-te alegre ou triste, alio aos meus sentimentos alegrias, desalentos, tudo que em minh´alma existe. Na eloquência do teu mutismo colho a censura com humildade, recebendo o aplauso sem vaidade; teus conselhos com altruismo, velha herança guarani! Oh! meu mate-chimarrão! Agridoce infusão que resume até: amizade, amor, fé! (Chimarrão, de Hélio Moro Mariante)

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
NENHUM COMENTÁRIO ATÉ O PRESENTE MOMENTO!
Untitled Document