Usuário:
 
  Senha:
 
 

João Luiz Corrêa e Walther Morais:
Um Bagual Corcoveador,
de Walther Morais, João Sampaio
e Quide Grande

 

14/01/2006 12:32:23
A GINETEADA TRADICIONAL DOS GAÚCHOS CAMPEIROS DO RIO GRANDE!
 
Cavalo bom vai pra o céu!
............................................................................

O que se vê hoje - ou deveria se ver - nos Rodeios Crioulos da Tradição do Rio Grande do Sul é uma amostra do que o peão ginete do Estado realiza na sua lida campeira. Por isso os gaúchos brasileiros ali devem demonstrar o estilo regional de domar um cavalo, próprio dos Sulistas do Brasil. Nessa arte campeira o índio pelo duro sul-rio-grandense nunca utilizou os apetrechos que hoje alguns copiam de outras plagas e usam em algumas das gineteadas tradicionalistas do MTG. O que sempre contou para o gaúcho ginete sul-brasileiro foi a sua reconhecida destreza no desempenho do rude ofício de amansador de potros xucros. Como bem demonstraram no I FENART - Festival Nacional de Arte e Tradição Gaúcha, realizado na cidade de Coxim-MS, em 1994, os ginetes de Bagé e São Gabriel reafirmaram ao Brasil a fama que o gaúcho campeiro do Pampa do Rio Grande do Sul tem de ser um exímio cavaleiro e um excelente domador. E apesar dessas importações e inovações levadas para os Rodeios Crioulos – ou seja, da Terra Gaúcha Sul-brasileira -, com orações, desfiles e rituais pirotécnicos copiados de outras culturas, em nome dos espetáculos e das bilheterias -, as nossas tradicionais gineteadas devem manter o já famoso estilo gaúcho dos Campeiros do Rio Grande, quer na doma quer na indumentária regional da antiga e particular Tradição Gaúcha Sul-brasileira. Na lida campeira o peão ginete sul-rio-grandense continuará mostrando quem manda, baixando o mango, de cima pra baixo, bem no meio das orelhas do bagual. Mas, na tradicional prova de gineteada dos Rodeios Crioulos Gaúchos do Rio Grande do Sul os concorrentes continuarão seguindo as regras regulamentares das provas, das pilchas e dos aperos campeiros, em observância à Filosofia e aos Fins Culturais do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro organizado. Assim estarão cultuando, preservando e adequadamente divulgando, nesses Rodeios Crioulos Tradicionalistas, os autênticos usos e os genuínos costumes regionalista-tradicionais do Estado Garrão-sul do Brasil, as antigas, autênticas e regionais Tradições dos Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul!

 

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
14/01/2010 15:29:47 Bombacha Larga - Brasília / DF - Brasil
Prezado Jango. O sítio Bombacha Larga agradece a tua honrosa visita e o oportuno comentário postado neste espaço cultural tradicionalista gaúcho. Tens toda a razão quando dizes que a gineteada em touro não é da Tradição dos Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul. A imagem veiculada por este sítio apenas revela uma gigantesca impropriedade tradicionalista promovida por uma Entidade do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro, responsável por evitar essa Corrupção Cultural e os interesses financeiros e comerciais dos Picaretas do Tradicionalismo e Calaveiras da Tradição Regional Gaúcha do Estado e do Povo do Rio Grande do Sul. Agora, quanto à observação que fazes a respeito do uso do Vestido de Prenda pela mulher tradicionalista gaúcha, ela é totalmente despropositada. A indumentária tradicional da mulher campeira, interiorana, do Pampa do Rio Grande do Sul, não é a bombacha, como querem impor os mercadistas que visam vender em dobro botas, calças, cintas urbanas dos texanos e "rastras" platinas, lencitos pretos e estampados e chapéus chaparral, claros, "countries", e camisa vermelhas, pretas e de cores fortes, atendendo aos interesses dos mercados "mercosur" e "country-texa-sertanejo". Não! A mulher do interior do Rio Grande do sul nunca montou um cavalo para ir à cidade, a um baile, passear ou fazer uma visita trajando trajes masculinos, como é o caso da masculina bombacha. O que ela usou na campanha foi a sua vestimenta feminina, de mulher. Por isso que algumas mulheres tradicionalistas gaúchas, no Desfile Farroupilha de Porto Alegre de 2002 e de outros anos, anteriores e posteriores, vestiram seus Vestidos de Prenda, o Traje Gaúcho Feminino de Honra e Preferencial do Estado do Rio Grande do Sul; essa Pilcha Gaúcha Oficial, a exigir a autenticidade regionalista-tradicional gaúcha sul-rio-grandense e a reprodução, com elegância, da sobriedade da indumentária histórica e atual das mulheres do interior sul-rio-grandense, conforme o que está previsto nas Diretrizes do Movimento Tradicionalista Gaúcho do RS. É essa a Pilcha Gaúcha da Tradição do Rio Grande, que as mulheres do Tradicionalismo devem portar; esse é o Traje de Honra da Mulher Gaúcha Brasileira, o qual poderá substituir o traje convencional em todos os atos oficiais públicos ou privados realizados no Rio Grande do Sul, nos termos da Lei Estadual Nº 8.813, de 10 de janeiro de 1989. Portanto, com muito mais razão, esse Traje de Honra e Oficial do Rio Grande do Sul é o que deve ser ostentado pelas mulheres tradicionalistas gaúchas, em todos os Eventos Tradicionalistas do Estado, do Brasil e do mundo, e não essas indumentárias dos mercadistas, que deturpam e, criminosamente, corrompem, com a força de seus poderes econômico-financeiros, os próprios regulamentos do Tradicionalismo Gaúcho do Brasil. As mulheres com calças e utensílios masculinos não representam a Prenda Gaúcha da Tradição do Rio Grande do Sul, pois são elas apenas cavaleiras sul-rio-grandenses ou brasileiras, mas não Gaúchas Tradicionalistas do Brasil. A única exceção a ser feita, diante da Filosofia da Carta de Princípios do MTG Brasileiro, para que Prendas Gaúchas possam usar a bombacha - um traje essencialmente masculino - é aquela voltada para a realização das provas campeiras, cuja prática torna-se difícil com o uso do vestido, e das cavalgadas rurais não oficiais. Fora desses casos, o que haverá não é Tradição Gaúcha Sul-brasileira, mas Corrupção Cultural do Patrimônio Sociológico-tradicional do Estado e do Povo Gaúcho do Rio Grande do Sul. Com as Saudações Tradicionalistas segue o nosso cinchado quebracostelas a esse prezado Vivente colaborador do sítio Bombacha Larga: na luta pela preservação das autênticas Tradições dos Gaúchos Sul-brasileiros!
Sítio: http://www.bombachalarga.org
14/01/2010 14:30:03 JANGO COSTA - São Borja / RS - Brasil
DESDE QUANDO gineteada em touro e mulher montada "enfurquilhada" com vestido de prenda é Tradição Gaúcha???? Por tudo o que conheço essa tradição não é dos gaúchos do Rio Grande do Sul.
Sítio: *****
13/03/2006 23:10:02 Cleverson Bitencourt
Boena, moçada! Estou começando na gineteada e gostaria de saber se alguém aí pode me mandar o site de regulamento e do que o ginete pode e não pode fazer e ter. OBRIGADO!
Sítio: *****
19/01/2006 07:33:41 RENÊ COSTA
Ao menos nos rodeios espero que nossas tradições sejam mantidas e nossas raízes cultuadas. Que os gaúchos de gabinete não queiram mudar também esta herança cultural de noso povo. Viva os rodeios! Viva os campeiros! Viva os ginetes!
Sítio: *****
16/01/2006 14:06:38 Ricardo
Viva la doma y jinetada gaucha!!! Viva el rodeo. Um abraço grande de un argentino. Ricardo Corona (Corrientes)
Sítio: *****
16/01/2006 08:16:21 Murilo Damazio Da Silva
E é o verdadeiro espírito de ginete fronteiriço que admiro e respeito. E o Brasil Central ainda tem muito a aprender com ele!
Sítio: http://murilocampeirodoparana.flogbrasil.terra.com.br
Listados 6 Comentários!
Untitled Document