Usuário:
 
  Senha:
 
 

Adelar Bertussi e seu Conjunto:
Sob o céu de Santa Maria,
de Adelar Bertussi

 

14/06/2006 22:31:54
POR UMA QUESTÃO DE LÓGICA TRADICIONALISTA!
 
Prendas Tradicionalistas Gaúchas Brasileiras:
representantes das antepassadas mulheres pampeanas
sul-rio-grandenses do séc. XIX e suas regionais, campeiras
e antigas Tradições!
............................................................................

Na confrontação do raciocínio lógico com o falacioso resta, de forma incontestável, a verdade: sólida, pura, definitiva! O sítio Bombacha Larga, cumprindo seu mister cultural tradicionalista gaúcho brasileiro, reproduz aos prezados visitantes a seguinte matéria publicada no Jornal Zero Hora, de Porto Alegre, referente ao 36. Concurso Estadual de Prendas do Estado do Rio Grande do Sul, de 2006, organizado pelo MTG/RS: Tradicionalismo – Nova Prenda é de Santa Maria. Concurso estadual organizado pelo MTG escolheu no final de semana o trio de jovens que representará por um ano o recato e os conhecimentos culturais da mulher do Estado. O concurso em que recato e conhecimento sobre a cultura gaúcha pesam mais que a beleza elegeu, na madrugada de domingo, as três meninas que reinarão nos meios tradicionalistas do Estado por um ano. Foram dois dias de provas no 36º Concurso Estadual de Prendas, em Santo Ângelo. Depois de dois anos de preparação, a universitária Mariana Graziela Mallmann, 21 anos, representando Santa Maria, ganhou a faixa de Primeira Prenda do Estado, superando 22 gurias na categoria adulta. O prêmio é apenas uma faixa. No total, 71 meninas concorreram ao título nas categorias adulta, juvenil e mirim. Nesta última, triunfou Lauren Theisen Fischer, 12 anos, de Santa Maria. Na juvenil a escolhida foi Priscila Bresolin Tissot, 16 anos, de Caxias do Sul. Elas responderam a uma prova escrita. As adultas e juvenis escreveram uma redação. Também fizeram apresentações sobre folclore, cantaram e dançaram. No teste de argumentação, discorreram sobre temas sorteados. Não ficou de fora a última polêmica entre tradicionalistas - o embate entre o antigo e o moderno - que rendeu a exclusão de um CTG de Canoas e a suspensão de outro de Vacaria do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG). - O que importava era a capacidade de argumentação e expressão, não a opinião da prenda - diz o presidente do MTG, Manoelito Savaris. Mariana falou sobre o envolvimento do MTG na política partidária. Defendeu que o movimento não deve tomar posições partidárias. As vencedoras: Adulta - Mariana Graziela Mallmann - Santa Maria; Juvenil - Priscila Bresolin Tissot - Caxias do Sul; Mirim - Lauren Theisen Fischer - Santa Maria” - "Ser prendada não é saber cozinhar" - Entrevista: Mariana Graziela Mallmann, Primeira Prenda adulta do Estado do Rio Grande do Sul. Sem fugir da polêmica, mas sem perder o recato, a prenda adulta vencedora Mariana Graziela Mallmann aprova as atitudes da chamada linha-dura do MTG para não desvirtuar o tradicionalismo. Natural de Santa Rosa, a prenda mora em Santa Maria e estuda Jornalismo na Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc). Está no 7º semestre. Desde os sete anos frequenta CTGs. No concurso, ela representou a 13ª Região Tradicionalista, pelo CTG Sentinela da Querência. Ontem, foi recebida com festa em Santa Maria. Mariana concedeu a seguinte entrevista: - Como a prenda deve se comportar? - Somos representantes da mulher gaúcha e da cultura do Rio Grande do Sul, temos de saber receber as pessoas, participar de eventos. Não acredito que ser prendada é ter de saber cozinhar, costurar, isso hoje não é mais necessário, até porque o concurso não exige isso da prenda. Mas ser recatada é um valor que precisa ser preservado. Como qualquer mulher da sociedade atual, a gente sente as diversas transformações. Zero Hora: - O CTG que toca Tchê Music está fugindo ao que o movimento propõe? Deve ser afastado? - Com certeza. Como prenda, acredito que os CTGs são locais para se cultuar as nossas tradições. Se elas estão sendo desvirtuadas dentro dos centros, acho que é necessário o afastamento. - O que você acha da modernização do CTG. É necessária uma modernização ou isto não combina com tradicionalismo? - O movimento tradicionalista não vive do passado, mas as nossas tradições devem ser preservadas. - E a indumentária moderna, como bombachas mais estreitas, lenços diferenciados? - Como na questão da música, também sou contra. Não é nossa verdadeira bombacha”. (SILVANA DE CASTRO/ Missões/Casa Zero Hora - silvana.castro@zerohora.com.br - ZERO HORA, Edição n. 14886, de 29 de maio de 2006 - Foto: Roberto Rosa/ZH). Como ficou demonstrado na matéria acima postada, para a Primeira Prenda do RS, gestão 2006/2007, não restam dúvidas dos reais objetivos do MTG Brasileiro organizado. Os desvios existentes no meio tradicionalista têm fundo meramente comercial e político-eleitoreiro. Ela sabe que os subjacentes e inevitáveis interesses escusos dos pseudostradicionalistas não se sustentam e, por isso, não devem prosperar frente aos princípios éticos e morais estampados na Filosofia de Atuação Cultural do Movimento Tradicionalista Gaúcho Brasileiro organizado. Parabéns à Mariana Graziela Mallmann, Primeira Prenda do Rio Grande do Sul, gestão 2006-2007! A Antiga Tradição dos Antepassados Gaúchos Sul-brasileiros te agradece! E que o Tradicionalismo não se esqueça de o fazê-lo, também!

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
14/06/2013 12:43:26 jose luis dos reis - araguaina / TO - Brasil
Gostaria de sabe quanto cusdta um bambacha e para cep 77826-400 Jose araguaina to.boa tarde
Sítio: *****
17/06/2006 11:14:10 Rafaela - Brasília / DF - Brasil
Quando questionada sobre a indumentária, Mariana Mallmann só respondeu sobre o uso das "bombachitas apertadas". Na minha opinião, a questão da descaracterização da pilcha gaúcha não se resume apenas à bombacha, mas, também, como a própria repórter afirmou, aos lenços estampados ou pretos, pequenos, no estilo "fita". Além destes, inclui as camisas com cores berrantes ou pretas, as "rastras", os vestidos de prenda "repolhão", dentre inúmeros outras peças erradas da vestimenta tradicional dos gaúchos sul-brasileiros. Afora isso, achei que a Primeira Prenda do Rio Grande do Sul se expressou muito bem. Simpatizei com suas idéias, pois penso como ela. Desejo à Mariana uma boa gestão e que possa honrar a faixa que conquistou com muito esforço e dedicação!
Sítio: *****
Listados 2 Comentários!
Untitled Document