Usuário:
 
  Senha:
 
 

Canto Livre:
Baile de Candeeiro, de Albino Manique e Sérgio Napp

 

03/08/2006 09:43:47
A CAMISA DA PILCHA TRADICIONAL DOS GAÚCHOS BRASILEIROS!
 
CTG Estância da Figueira, no Desfile Farroupilha de 2002,
em Porto Alegre-RS!
............................................................................

O Movimento Tradicionalista Gaúcho Brasileiro tem por fim as ações de culto, zelo, preservação, retransmissão e correta divulgação, para o mundo, da antiga e campeira Tradição Regional do Estado do Rio Grande do Sul. Como parte importante dessa Tradição herdada dos Antepassados Gaúchos Campeiros do Pampa Sul-rio-grandense, a Pilcha Oficial do Estado Sulino e dos Gaúchos Brasileiros representa a Indumentária Tradicional dos Pampeanos do Sul do Brasil. Este é o conhecimento que deveria ser permanentemente divulgado no MTG Brasileiro organizado. Por ser parte dos usos e costumes antigos, tradicionais, dos Campeiros do Rio Grande do Sul, as camisas a serem usadas pelos gaúchos tradicionalmente pilchados devem ter mangas compridas, apresentarem-se sóbrias e com cores claras, amenas, neutras, preferencialmente a branca, evitando-se os tons fortes, contrastantes, berrantes, agressivos e incompatíveis com a vestimenta típica do Jeito Simples e Comedido de Vestir dos antigos moradores “lá de fora”, dos antepassados campeiros da região do Pampa Sul-rio-grandense. O MTG/PR, ao contrário da própria CBTG – Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha, vem cumprindo essa importante tarefa de divulgar a seus filiados e ao público em geral as Diretrizes para o uso correto da Pilcha Gaúcha Oficial do Rio Grande do Sul. No item 2 do Detalhamento da Indumentária do Peão, do Manual da Pilcha Gaúcha daquele Movimento Tradicionalista Gaúcho Regional, a camisa do peão gaúcho brasileiro assim está regulada, atendendo à necessária coerência histórico-cultural e regionalista-tradicional no uso do Traje Gauchesco de Honra do Rio Grande do Sul: CAMISA - tecido: preferencialmente algodão, tricolina, viscose, linho ou vigela. Padrão: liso ou riscado discreto. Cores: sóbrias e claras. Gola: esporte ou social. Mangas longas: em ocasiões sociais-formais (festividades e cerimônias, bailes...). Mangas curtas: para o cotidiano, especialmente nas atividades de serviço ou de lazer informal. Vedado o uso de camisas de cetim e coloridas. É de se lembrar, ainda, que camisetas de malha ou camisas de gola polo podem ser usadas com o distintivo da Entidade, da Região Tradicionalista ou do respectivo MTG, nas situações informais e não representativas. Porém, também essas camisetas e camisas devem observar as mesmas orientações, isto é, devem evitar as cores fortes, vibrantes, contrastantes, apresentando-se sóbrias e com cores amenas, claras, neutras. Portanto, se há incoerências regionalista-tradicionais sul-rio-grandenses e impropriedades tradicionalistas gaúchas brasileiras na forma de vestir de alguns gaúchos brasileiros nos dias de hoje, com a proliferação da camisa vermelhão, azulão, verdão, amarelão, verde limão, preta, dentre outras cores berrantes, essas ocorrem devido à ausência de informação e à omissão daqueles que têm o dever de bem cumprir as atribuições de seus cargos e os Fins Culturais do Tradicionalismo ao qual se encontram vinculados. Em última análise, excessos como esses são verdadeiros desrespeitos a um dos escopos do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro, que é o de preservar a autenticidade da antiga Tradição Regional e da Identidade Cultural Regionalista dos Gaúchos Sul-brasileiros. Infelizmente, esses descasos ao adequado uso da Pilcha Gaúcha Oficial e de Honra do Estado do Rio Grande do Sul ocorrem nas próprias Entidades Tradicionalistas, inclusive no seio das Patronagens e dos filiados do órgão mais representativo do Movimento Tradicionalista Gaúcho do Brasil: o MTG/RS. Espera-se, no entanto, que para o cumprimento dos Fins Culturais do MTG Brasileiro e da desejada preservação da autenticidade da Tradição Gaúcha Sul-rio-grandense, essas e outras simples regras tradicionalistas voltem a ser observadas, seguidas, valorizadas e difundidas, principalmente antes de eventos oficiais, como é o caso do tradicional Desfile Farroupilha do Dia 20 de Setembro. A velha acomodação, expressada pelo antigo ditado casa de ferreiro, espeto de pau, não deve prevalecer no Meio Tradicionalista Gaúcho Brasileiro, em respeito à preservação e à correta divulgação, para o mundo, das autênticas, das antigas Tradições dos Gaúchos Campeiros do Sul do Brasil!

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
03/08/2010 18:16:28 José Itajaú Oleques Teixeira - Brasília / DF - Brasil
Prezado Paulo Sérgio. O sítio Bombacha Larga agradece as tuas honrosas visitas e a comunicação postada neste espaço cultural tradicionalista gaúcho. Em resposta, informamos-te que a Capa IDEAL é uma capa impermeável, de lã ou feltro, protetora para o frio e a chuva, fabricada pela empresa A. J. Renner, de Antonio Jacob Renner, um neto de imigrantes alemães, nascido aos 7 de julho de 1884, em Alto Feliz, município de São Sebastião do Caí-RS. Ele fora sócio da empresa têxtil Frederico Engel & Cia, a qual, diante do grande sucesso da Capa IDEAL, transferiu-se, ainda no início do século XX, para o Bairro Navegantes, de Porto Alegre-RS. A partir de 12 de janeiro de 1912 A. J. Renner criou a Capa IDEAL, a qual veio a substituir a primeira capa da empresa, mais rude e ineficiente, produzida no ano de 1911. Bem comprida, a Capa IDEAL protege tanto o cavaleiro como toda a anca do cavalo, tendo sido de muita serventia na hora de dormir. A empresa Feltros Renner desvinculou-se do Grupo Renner no ano de 1991. E a Capa IDEAL deixou de ser fabricada, passando os gaúchos a usarem, infelizmente, ponchos e capas curtos e de material plástico, o que contribuiu para a descaracterização da antiga Capa Gaúcha do Rio Grande. Meu pai, Pedro Linhares Teixeira, como todos os gaúchos campeiros, teve uma, com a qual muitas vezes eu, aos quatro anos de idade, à noite, protegi-me do frio, da chuva e do sereno, especialmente quando voltava da cidade para casa, de carreta ou a cavalo, no interior do município de Santana da Boa Vista-RS. E eu também tive uma, presente de um amigo de Quaraí-RS, no final dos anos 80, sendo que a doei para um sul-rio-grandense que encontrei em Campo Grande-MS, no início da década de 90, na condição de morador de rua, e que dissera já ter trabalhado na Rádio Quaraí. Na minha opinião, nos Desfiles Farroupilhas, especialmente no Estado do RS, no lugar daqueles palinhas curtos, que escondem os modismos não tradicionais do Rio Grande, os cavaleiros deveriam ostentar, na chuva ou no frio, uma capa com as características da velha e tradicional Capa IDEAL, por ser ela a que mais representa a vestimenta regionalista-tradicional dos gaúchos campeiros do Estado do Rio Grande do Sul, no ato de enfrentar a intempérie. Na Internet podem ser encontradas desde as antigas até outras mais novas e similares, como, p. ex., as que são oferecidas nos seguintes endereços eletrônicos: http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-146376458-capa-ideal-renner-tres-coqueiros-_JM http://www.rodeowest.com.br/sistema/ListaProdutos.asp?IDLoja=593&IDProduto=522596&1ST=1&Y=127122387413 http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-134355083-capa-de-chuva-para-boiadeiro-_JM Com as Saudações Tradicionalistas segue o nosso quebracostelas cinchado a esse prezado Vivente!
Sítio: http://www.bombachalarga.org
03/08/2010 15:47:52 Paulo Sergio Oliveira - Curitiba / PR - Brasil
Boa tarde. Estou escrevendo para solicitar uma informação. Gostaria de saber sobre uma capa feita de lã, a qual é muito usada quando está frio e geralmente quando estão andando a cavalo; se a mesma tem um nome específico. E, se possível, me dizer onde a mesma é vendida. Certo de sua atenção, agradeço desde já.
Sítio: *****
03/08/2010 13:09:25 Célio de Castro - Rio de Janeiro / RJ - Brasil
Buscar permanentemente autenticidade é um compromisso dos gaúchos, de todas as querências deste mundão de Deus. Confiamos na juventude, palanqueando nossa história brasileira e conduzindo a Bandeira do Tradicionalismo em qualquer chão. Tradição é Tradição, não é modernização. Abraço Fraterno do Gaúcho Carreteiro!
Sítio: *****
03/08/2009 16:54:01 Paulo Ricardo Aloise - Recife / PE - Brasil
Sou a favor da liberdade de expressão, na pilcha o vivente tem todo o direito de vestir-se da forma que bem lhe aprouver, usar as cores que achar da sua própria conveniência, os cintos e guaiacas que melhor segurem suas calças, a cobertura de cabeça que lhe for mais confortável entretanto, as entidades tradicionalistas tem suas regras e faz parte delas quem quiser, ninguém é obrigado a se filiar a um CTG. Se assim fizer, segue as regras e para de polemizar. Se não quiser, usa o que quiser bem distante dos CTGs, esse direito te é dado mas para de querer ditar tuas próprias regras segundo tua própria conveniência.
Sítio: *****
03/02/2008 17:14:42 José Itajaú Oleques Teixeira - Guará / DF - Brasil
Com o fim de melhor esclarecer aos prezados visitantes deste espaço cultural tradicionalista gaúcho brasileiro, informamos a todos que o Movimento Tradicionalista Gaúcho do Brasil fora criado com os seguintes fins: preservar o Núcleo da Formação Gaúcha Sul-rio-grandense, fundado na região do Pampa Sul-brasileiro; preservar a Filosofia Tradicionalista de sua Carta de Princípios; preservar o Patrimônio Sociológico-tradicional do Estado e do Povo Gaúcho do Rio Grande do Sul; portanto, o MTG Brasileiro visa cultuar, zelar, preservar, defender, retransmitir e divulgar as autênticas, antigas, Tradições Regionais do Estado Garrão-sul do Brasil, e não as do Uruguai, da Argentina, do Paraguai, do Chile, as de qualquer outra região do Brasil ou de qualquer outro país. Dessa forma, Entidades Tradicionalistas vinculadas aos diversos MTGs filiados à CBTG - Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha, têm por dever institucional-estatutário promover a preservação da genuína Cultura Regionalista-tradicional Gaúcha Sul-rio-grandense. Quanto aos gostos pessoais, estes, no Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro, devem estar submetidos aos interesses maiores desse Movimento Cultural, decorrentes de sua Doutrina e de sua Filosofia Tradicionalista de Atuação, nos termos da sua Carta de Princípios. Dessa forma, fora do Tradicionalismo Gaúcho organizado as preferências pessoais são um direito de cada cidadão. No entanto, uma vez inserido no Meio Tradicionalista Gaúcho Brasileiro há diretrizes históricas, culturais e regionalista-tradicionais e serem observadas, cumpridas e respeitadas, uma vez que elas representam um Bem Público, de propriedade do Estado do Rio Grande do Sul, dos Sul-rio-grandenses, do Brasil e de todo o Povo Brasileiro. Deturpá-las ou "integrá-las" com justificativas pessoais ou fins exploratórios - econômico-financeiros, comerciais ou político-eleitoreiros - é um crime de lesa-cultura gaúcha sul-rio-grandense; um grave assassinato cultural praticado contra a regional, antiga, campeira e autêntica Tradição dos Gaúchos Sul-brasileiros!
Sítio: http://www.bombachalarga.com.br
03/08/2007 23:14:00 José Itajaú Oleques Teixeira - Guará / DF - Brasil
Prezado Alencar. O Bombacha Larga agradece a tua honrosa visita e o comentário postado. O nosso espaço cultural tradicionalista gaúcho recebe e respeita, democraticamente, a tua opinião pessoal, pois cada vivente tem o direito ao pensamento próprio e de expressá-lo em qualquer situação. Entretanto, isso não quer dizer que concordemos com o prezado visitante. E com o fim de melhor elucidar o sentido da matéria acima publicada informamos-te que ninguém é obrigado a ser tradicionalista ou a seguir as diretrizes para o uso adequado da pilcha gaúcha, pertencentes ao Movimento Tradicionalista Gaúcho organizado. Essa é uma questão de livre arbítrio, ou seja, cada um usa o que quer, como quer e quando quiser. Contudo, uma vez integrado no Meio Tradicionalista, o gaúcho consciente e conhecedor dos objetivos do MTG (preservar o patrimônio sociológico do Rio Grande do Sul - e não o de outros países) certamente que disposto estará a observar as simples regras sociais e tradicionais, repassadas de pai para filho ao longo do tempo e mantidas até hoje pelo trabalho contínuo e árduo de muitos tauras tradicionalistas, com o fim de preservar aquilo que compõe a identidade maior do povo gaúcho brasileiro: a sua genuína tradição, a sua história e o seu regionalismo. É por isso, prezado Alencar, que aqueles que assim procedem se chamam "Tradicionalistas", pois são estes os que cultuam, defendem, preservam e divulgam os autênticos usos e costumes tradicionais dos gaúchos brasileiros. E estes usos e costumes são tradicionais justamente porque enfrentaram o tempo, o esquecimento, os modismos do mercado e outros tantos interesses contrários à continuidade dessa marca que a cultura gaúcha representa na vida dos Sulistas do Brasil. Portanto, ninguém é obrigado a ser gaúcho nem tradicionalista gaúcho. Porém, uma vez integrante do Tradicionalismo o vivente deveria, por uma questão de coerência moral-cultural, seguir, no mínimo, as normas de conduta dos respectivos órgãos e entidades tradicionalistas a que está vinculado. Caso contrário, poderá até ser gaúcho de espirito, por ter afinidade com as coisas tradicionais do Povo Gaúcho Brasileiro, mas jamais poderá ser tido como um Tradicionalista, por estar ferindo de morte um princípio básico e intrínseco à tal condição, qual seja o respeito às ricas tradições que os antepassados gaúchos nos legaram. Qualquer outra ação que não seja a de cultuar, preservar, defender e divulgar o que nos é tradicional – por nos ter sido transmitido até os dias de hoje, desde os tempos mais antigos - poderá ser "modismo", "mercadismo", "exibicionismo" ou coisa que o valha, mas não Tradicionalismo Gaúcho. Em qualquer instituição as normas visam evitar a natural desnaturação daquilo que deve ser mantido, preservado, seguido. No MTG não poderia ser diferente. Se mesmo presentes no meio tradicionalista, as regras não são nem conhecidas e muito menos observadas, ocorrendo os atuais assassinatos culturais, praticados por exploradores da cultura gaúcha no interior das próprias entidades que foram criadas para atuarem como legítimos Palanques da Tradição, imagine, então, se não existisse norma alguma! Caso seja do teu interesse, indicamos-te o acesso às Diretrizes para o Uso da Pilcha Gaúcha Tradicional Masculina, publicadas no sítio do MTG/RS - http://ideiailtda.com.br/clientes/mtg/docs/DOCUMENTOS/2_0_DIRETRIZ_PILCHA.pdf - e a Notícia publicada no BL, no seguinte endereço eletrônico: bombachalarga.org/ver_educacao.php?id=7 . Com as Saudações Tradicionalistas enviamos-te o nosso quebracostelas cinchado!
Sítio: http://www.bombachalarga.com.br
03/08/2007 18:12:31 Alencar Libanio - Rolim de moura / RO - Brasil
bah! como assim : É PROIBIDO USAR: - O lenço preto em festas e bailes, com exceção em caso de luto. - O gaúcho, por convenção social, não deve usar chapéu (cobertura) no interior dos ambientes, ou seja, dentro do salão. - O uso de túnicas militares com a bombacha. - Camisas em cores combinando com a saia ou vestido da prenda, ou com as cores da bandeira do RS. - Barbicachos em plástico brilhante, penduricalhos ou correntes metálicas. - Tiradores com pintura e penduricalhos. - Botas brancas ou coloridos diversos, fugindo do convencional. - Camisas fulgurantes, brilhosas ou de cetim. - Bombachas coloridas, plissadas. - Conjuntos pretos (zorros). - Faixas URUGUAIAS, ARGENTINAS, PARAGUAIAS e CHILENAS.Guaiacas CASTELHANAS recamadas de moedas e com vistosa RASTRA. - Mangas arregaçadas de camisa e faca à cintura nos bailes. - Casacos, jalecos ou blusas tipo campeira, com adornos de favos de abelha (mondonguinhos) ao longo das mangas e pala normal. - Tecidos: brim, linho, tergal, algodão e tecidos mesclados. - Cores: claras e escuras, respeitando a sensibilidade cromática do gosto pessoal, fugindo de cores agressivas, chocantes e contrastantes. - Padrão: Liso, listrados e xadrez discretos. - Modelo: cós largo, sem alças, dois bolsos grandes na lateral e, eventualmente, na parte posterior; largas (Fronteira); estreitas (Serrana); médias (Planalto e Missões); favos de mel ou de abelha (sem enfeites e fantasias maiores de botões e franjas); abotoada no tornozelo. Fonte Acampamento Sinal, Marca e Tarca Equipe INEMA Cidade: Porto Alegre-RS Fotos: Ayumi Miyazaki Publicado: Karine Correa Alves CHE PAREM COM ISSO EM ENTAO VAMOS MATAR OS CRIOULOS CHILENOS , VAMOS QUEBRAR OS CDS QUE TENHAM CHAMAMES , CHACARERAS PQ GAUCHO E SO O RIO GRANDE DO SUL E SO VAMOS OUVIR BUGIU E TAMBEM VAMOS DETERMINAR A MEDEDIDA ESPECIFICA DO BIGODE DE CADA HOMEM , OQUE ACHAO!? GAUCHADA PAREM COM ISSO, DA QUI UNS DIAS VAO BODAR SUASTICAS NAS CAMISAS . VOCES QUEREM AJUDAR MAIS ESTAO ALIENADOS
Sítio: *****
Listados 7 Comentários!
Untitled Document