Usuário:
 
  Senha:
 
 

Teixeirinha:
O Vento Minuano

 

05/09/2006 08:08:13
MINUANO E PAMPEIRO: OS GIGANTES DO PAMPA SUL-BRASILEIRO!
 
Região da Campanha Gaúcha Sul-brasileira!
............................................................................

Vento Minuano é um vento frio e seco que sopra do sudoeste, no inverno do Rio Grande do Sul. Vindo dos Andes e passando pela região onde habitavam os índios Minuanos, destes recebeu o nome. O Minuano purifica a atmosfera, dissipa as nuvens, enxuga as estradas e prenuncia tempo firme e seco. Dura aproximadamente três dias. É também chamado de Minuano Claro. O Minuano Sujo é o Vento Pampeiro, ou seja, um vento veloz e frio, acompanhado de chuvisqueiros. Ambos os ventos, Minuano e Pampeiro, são ventos originados da Massa Polar Atlântica, muito fria, formada sobre o oceano, ao sul da Argentina. No inverno ela avança para o nordeste do Rio Grande do Sul em três direções principais: ocidental, central e outra mais oriental. Mas é na direção central que a referida Massa Polar Atlântica tem maior atuação no Estado, provocando quedas de temperatura e precipitações. É essa massa de ar que, ao atingir a região da campanha gaúcha, em condições específicas de deslocamento, passa a ser chamada, regionalmente, de Vento Minuano. O relevo suave da campanha vem a favorecer a acentuada velocidade desse vento. No entanto, as eventuais barreiras rochosas, no campo, e os edifícios altos, nas cidades, reduzem a sua velocidade. José de Alencar, em O Gaúcho, assim descreveu o Vento Pampeiro: As feras uivaram longe na profundeza das selvas; e as aves espavoridas passaram soltando pios lúgubres. Os dois cavalos, com o pelo eriçado, resfolgavam aquele bafo ígneo, semelhante ao fumo de uma batalha; eles o conheciam: era o sopro da pátria selvagem; era o fôlego do pampa... O pampeiro é a maior cólera da natureza... Aqui o pampeiro surge e arremete como cem touros selvagens escarvando o chão; ali sente-se o convólvulo de mil serpentes que estringem as árvores colossais e as estilhaçam silvando; além uiva a matilha a morder o penhasco donde arranca lascas de rocha, como lanhos da carne palpitante das vítimas... E tudo isto, sob um aspecto descomunal e imenso, não é senão a voz e o gesto do gigante dos pampas, concitado das profundezas da terra, para subverter o orbe! São esses ventos - o Minuano e o Pampeiroos Gigantes do Pampa Gaúcho Sul-brasileiro!

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
02/02/2014 20:28:46 Dennis Ramos - Bagé / RS - Brasil
Algumas explicações sobre os ventos gaúchos!!! Deu te abençoe.
Sítio: *****
05/09/2009 01:39:15 José Itajaú Oleques Teixeira - Brasília / DF - Brasil
Prezado Paulo Porto Gonçalves. O sítio Bombacha Larga agradece a tua honrosa visita e a gentileza da tua colaboração. Concordamos contigo quanto a alguns apelidos dados aos ventos do RS, cujos critérios não são harmônicos. Por essa razão decidimos retirar do texto as expressões carpinteiro-da-costa e carpinteiro-da-praia, até porque estes não colaboram com o fim da matéria, que é unicamente tratar dos Ventos Minuano e Pampeiro. E aproveitando a oportunidade para melhor elucidar a questão dos ventos abordados na matéria acima postada, esclarecemos aos nossos prezados visitantes que: 1) o clima, como sabemos, é dinâmico, e as massas de ar têm grande importância nas alterações das condições atmosféricas; 2) na presente matéria não estamos referindo-nos ao vento Carpinteiro, que sopra do mar para o litoral, mas tão-somente aos ventos Minuano e Pampeiro, sendo este último o próprio Minuano com chuvisqueiros; 3) estes dois ventos – o Minuano e o Pampeiro – originados no oceano Pacifico, e que atravessam os Andes, tornando-se secos e frios, que passam pelo sul da Argentina e seguem pelo Rio Grande, na direção nordeste, são ventos que vêm pela direção Central da Massa Polar Atlântica; 4) essa Massa Polar também possui outras duas direções: a Ocidental – que avança pela depressão da região do Chaco até a Amazônia ocidental, causando a chamada “friagem”, tem pouca influência no estado –, e uma direção mais Oriental – que se desloca por sobre o oceano, muito próxima ao litoral, cujo vento seria, com muito mais propriedade, chamado de Carpinteiro-da-costa; 5) mas os ventos Minuano e Pampeiro, que estão naquela direção Central da Massa Polar Atlântica, têm uma maior atuação no estado, provocando quedas de temperatura e chuvas; 6) contudo, como sabemos, tudo isso é muito dinâmico, não estático, ou seja, quando a direção Central da Massa Polar Atlântica, que vem lá do Pacífico e passa pelos Andes e o sul da Argentina, e entra no Rio Grande trazendo o Vento Minuano ou o Pampeiro, atingindo a região da campanha gaúcha sul-rio-grandense, com muita frequência ela vai se encontrar com uma outra Massa de Ar: a Massa Tropical Atlântica, que ao contrário da Polar, fria, é quente e úmida, uma vez que formada sobre o oceano Atlântico, atuando com grande intensidade no litoral; nesse caso o vento não é nem Minuano nem Pampeiro, os quais sopram do sudoeste para o nordeste do Rio Grande; o vento originado daquele sistema frontal, do encontro das duas massas - a Polar, especialmente na sua direção central, com o seu Vento Minuano ou Pampeiro, e a Tropical Atlântica, com o seu Vento Carpinteiro (nome atribuído aos vários naufrágios causados por ele, resultando disso um grande número de madeiras pelas praias) -, estará soprando do mar para o litoral; 7) porém, esse vento pode ser tanto o vento originado da Massa Tropical Atlântica, formada sobre o oceano, ou seja, o Carpinteiro, ou mesmo o vento originado da direção mais oriental da Massa Polar Atlântica, que se desloca por sobre o oceano, bem próximo ao litoral, o qual, de nossa parte, achamos mais adequado chamá-lo de Carpinteiro-da-costa; ou, ainda, o vento resultante do encontro da Massa Polar Atlântica, que carrega o Minuano ou Pampeiro, com aquele vento da Massa Tropical, resultando esse encontro em um vento cuja denominação mais adequada seria a de Vento Carpinteiro-da-praia; 8) de qualquer forma, o mais importante na aludida matéria é a informação a respeito dos dois mais importantes ventos que influenciam no clima frio do Rio Grande do Sul: o Vento Minuano e a sua variação, chamada de Vento Pampeiro. Com as Saudações Tradicionalistas segue o nosso quebra-costelas cinchado a esse prezado Vivente colaborador do Bombacha Larga: na luta pela preservação das autênticas Tradições do Povo Gaúcho Sul-brasileiro!
Sítio: http://www.bombachalarga.org
21/08/2009 21:10:45 paulo porto gonçalves - pelotas / RS - Brasil
Apenas para colaborar. O vento carpinteiro sopra de sudeste. Do mar para o litoral. O vento pampeiro sopra de sudoeste. Do pampa argentino para região oeste do RGS.
Sítio: *****
Listados 3 Comentários!
Untitled Document