Usuário:
 
  Senha:
 
 

Claudemir Xavier:
Vida Gaúcha

 

26/11/2006 00:28:46
AS NOSSAS SINCERAS E DEVIDAS ESCUSAS TRADICIONALISTAS!
 
Povo que não valoriza seu Regionalismo perde a sua Identidade Cultural!
............................................................................

Não é de hoje que os usos e os costumes regionalista-tradicionais gaúchos sul-rio-grandenses são retratados na literatura brasileira e mundial. O peculiar Jeito Gaúcho de Viver do Pampa do Rio Grande do Sul, igualmente, há muito que é divulgado por todos os meios possíveis de comunicação. Mas, ultimamente, toda essa gama de conhecimentos repassada ao mundo tem sido sistematicamente contrariada e sonegada, especialmente no Estado Garrão-sul do Brasil. Brasileiros ou estrangeiros, ao chegarem ao Estado Sulino, certamente que trazem consigo informações referentes à cultura nativa dos sulistas brasileiros. Imagens, romances, lembranças de matérias televisivas, dentre outras formas de obtenção de informação cultural, moldam as expectativas dos turistas que visitam a região Sul do Brasil. Informados, querem desvendar e conhecer melhor, dentre os demais aspectos culturais do Estado, a Tradição Regional do Povo Gaúcho Sul-rio-grandensede origem rural, campesina, campeira. Contudo, ao participarem de determinados eventos regionalistas, nativistas, gaúchos ou tradicionalistas gaúchos, por certo que muitos deles, ao visitarem o Rio Grande do Sul e o Sul do Brasil, não compreenderam, e outros não compreenderão, o porquê de um número excessivo de percussão, pianos, flautas, saxes, guitarras e órgãos eletrônicos na Música Regionalista-tradicional Gaúcha do Rio Grande do Sul. Não entenderam uns e não entenderão outros, turistas nacionais e estangeiros, a motivação da presença na Tradição do Rio Grande de pilchas folclóricas, há muito em desuso e não mais tradicionais do Estado, e outras do Uruguai, da Argentina, do País Basco ou do Texas. Estranharão, também, a ausência ou a disformidade da famosa, típica e atual Pilcha Gaúcha Oficial e de Honra do Estado do Rio Grande do Sul e dos Gaúchos Brasileiros, contemplada na legislação sul-rio-grandense (Lei N. 8.813, de 20.01.1989), nas Diretrizes do MTG/RS, nas figuras, nas fotografias, nas reportagens e nos relatos de inúmeras obras literárias nacionais. Dificuldades terão, ainda, para compreenderem a razão de as músicas e as danças "gaúchas" apresentadas como tradicionais dos sulistas brasileiros, nos Fandangos Gaúchos das Entidades Tradicionalistas responsáveis pelo culto, zelo, defesa, preservação e correta divulgação desses antigos aspectos tradicionais dos Gaúchos Campeiros do Pampa do RS, estarem tão desproporcionais das músicas e das danças gaúchas sul-rio-grandenses que traziam ou trazem em suas mentes, por meio de seus conhecimentos culturais prévios. Perguntar-se-ão, igualmente, quais seriam os motivos pelos quais servem-lhes carnes em pedaços, com queijos, farinha e outros artifícios, e as preparadas em grelhas, como parte de um autêntico e tradicional churrasco gaúcho do Rio Grande do Sul. Desejarão saber o porquê de o arroz com carne fresca, o mero e internacional guizado de carne, ser servido como se fosse o carreteiro, o prato típico e tradicional do Estado Garrão-sul do BrasilNaturalmente que todas essas aberrações culturais não encontram respaldo algum na antiga Tradição Gaúcha do Rio Grande do Sul. Porém, esquecem-se os envolvidos nessas inverdades culturais, incoerências regionalista-tradicionais sul-rio-grandensesimpropriedades tradicionalistas gaúchas brasileiras, que nos dias de hoje, com as facilidades da Internet, todas essas ardilosas lograções podem ser desmascaradas com a mesma instantaneidade com que são elas propaladas. Portanto, para que o Turismo Sul-rio-grandense possa vir a se afirmar, deverá antes de tudo respeitar a Cultura de Raiz, o Patrimônio Sociológico-tradicional do Estado e do Povo Gaúcho do Rio Grande do Sul. Por isso, aos que já se sentiram enganados e aos que virão, ainda, a serem logrados por essas e outras Fraudes Tradicionalistas, seja por meio de propagandas enganosas ou atos viciados, queiram aceitar, desde já, por intermédio deste Espaço Cultural Tradicionalista Gaúcho Brasileiro, as devidas desculpas pelas decepções já sofridas e por aquelas que poderão vivenciar, ainda, na Cultura Gauchesca Brasileira. Saibam todos, entretanto, que essa não é a verdadeira índole do Povo Gaúcho Sul-brasileiro, mas meras manobras especulativas de um globalizado mercado sem fronteiras e de uma má gestão, pública e privada, no campo do Turismo Interno do Brasil. O Povo Gaúcho Brasileiro, especialmente por parte da parcela mais consciente do valor cultural de seu Patrimônio Tradicional Gaúcho Sul-rio-grandense, certamente que continuará a valorizar e a preservar a Cultura de Raiz de sua aldeia, apresentando-a a todos aqueles que se achegam ao Extremo-sul do Brasil com a desejada fidelidade aos antigos, campeiros e aos autênticos usos e costumes regionalista-tradicionais do Pampa do Rio Grande do Sul; com a esperada fidelidade cultural às raízes formadoras da Tradição Gaúcha Brasileira. Assim, diante de todos os descalabros culturais observados no trato da Tradição Regional dos Gaúchos Campeiros do Pampa Sul-brasileiro, queremos pedir a todos os já fraudados e aos futuramente lesados consumidores da Cultura Regionalista-tradicional Gaúcha Sul-rio-grandense, em nome de todos os verdadeiros Tradicionalistas Gaúchos Brasileiros e dos demais detentores do Patrimônio Sociológico-tradicional do Estado e do Povo Gaúcho do Rio Grande do Sul, que recebam as nossas mais sinceras e devidas Escusas Tradicionalistas!

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
26/11/2008 10:40:55 Laércio Argenta - Santa Maria / RS - Brasil
Saúdo a manifestação de contrariedade às "formas distorcidas" de apresentar e praticar os costumes do povo gaúcho, muitar vezes por ilustres personagens do Tradicionalismo Gaúcho, com amplos espaços na mídia. Também sou contrário aos excessos e vulgaridades apresentados por outros. Sejamos nós mesmos, nada diferente.
Sítio: *****
25/01/2008 12:25:18 sabrina prager da rosa - condor / RS - Brasil
O nosso estado é acho que o mais rico não ficeiramente mais sim em tradiçãõ e em costumes por isso tenho orgulho de morrar nele.
Sítio: *****
25/01/2008 12:20:37 sabrina prager da rosa - condor / RS - Brasil
Acho MUITO LEGAL MORRAR NO Rio GrandeDO Sul
Sítio: *****
22/11/2006 18:16:13 Ademir Canabarro - Navegantes / SC - Brasil
Sal grosso - é o único tempero que quero sentir no meu churrasco se eu adentrar em uma churrascaria tipica gúcha, e se assim for, creio que o correto é o os garçons estarem vestidos à carater, isto é, de bombacha. E a musica deve ser musica campeira! É claro que não vou exigir isto de qualquer outro restaurante. Mas quando visito o Sul, quero quero conhecer o aspecto cultural do gaúcho. Parabéns amigo Itajau, muito boa a colocação!
Sítio: *****
22/11/2006 13:54:02 José Itajaú Oleques Teixeira - Guará / DF - Brasil
Prezado Cássio. O texto é claro quando se refere a eventos "regionalistas", "nativistas" ou "tradicionalistas gaúchos". Portanto, estamos nos referindo ao trato das coisas tradicionais do Povo Gaúcho. E nesse aspecto, negar a real cultura popular da região Sul-brasileira aos que lá chegam para conhecê-la, na sua essência e pureza, é ato que podemos classificar como verdadeiro "estelionato cultural". E a bombacha, esta já foi usada pelos soldados de Osório, na Guerra do Paraguai, e desde então não saiu mais do uso do campeiro gaúcho. Mostrar um calça justa como se fosse a nossa velha e antiga bombacha larga do Rio Grande é tentar querer, sem êxito, enganar aqueles que já a conhecem, pois qualquer criança, hoje, ao pesquisar o assunto na Internet verá que essa é só mais uma das tantas incoerências históricas e culturais, fruto de interesses comerciais em nada comprometidos para com a História e a Cultura do Povo Gaúcho. A liberdade é sagrada. Quem quiser que compre chapéu de "cawboy", cinto com fivela "Texas" e bombachita enfiada da Argentina. Contudo, para os olhos dos turistas, muitos deles mais cultos e mais conhecedores da História e da Cultura Gaúcha que os próprios brasileiros, não serão dilubriados assim tão facilmente quanto são, infelizmente, muitos "gaúchos" e "brasileiros", nestes dias atuais. Relembramos, mais uma vez, ao prezado visitante e colaborador do BL, que o texto em momento algum ampliou a questão levantada. Ao contrário, limitou-a estritamente aos eventos de cunho cultural-regionalista-tradicionalsitas. Saudações!
Sítio: http://www.bombachalarga.com.br
22/11/2006 12:39:58 Cássio - Medianeira / PR - Brasil
Somente para completar. Muito ao contrário, essa ausência instiga a curiosidade e faz com que o turista procure onde poder encontrar esse gaúcho típico, fazendo com que o mesmo conheça mais coisas do Brasil e do Rio Grande do Sul.
Sítio: *****
22/11/2006 12:36:50 Cássio - Medianeira / PR - Brasil
Buenas! Esta situação é a mesma de tu viajares pro México e querer encontrar todo mundo usando "sombrero" e roupa branca de algodão, com sandálias. Ou aqueles músicos de sombrero, os mariachis (acho que é assim que se escreve). Ou querer chegar na Alemanha e encontrar todo mundo tomando chopp e usando a indumentária tirolesa, ou ir à Escócia e ver todos os homens tocando gaita e usando o kilt. Temos que ver a realidade, não o imaginário, o elemento esterotipado. Quando vais ao Nordeste, encontra todo mundo usando chapéu de couro? O sulriograndense de bombacha nunca foi o tipo predominante do Estado. Em termos históricos, a bombacha no Rio Grande no Sul é relativamente nova, e ainda assim, com uso mais frequente nas áreas rurais e no pampa. Então, nada mais normal que um turista chegar ao Rio Grande e não ver esse gaúcho da literatura por todos os lados. Isso não descaracteriza a tradição e nem sequer a torna menor ou sem importância.
Sítio: *****
Listados 7 Comentários!
Untitled Document