Usuário:
 
  Senha:
 
 

Os Mateadores:
Herança de Campeiro

 

28/11/2006 06:27:35
SUL-RIO-GRANDENSES, GAÚCHOS E TRADICIONALISTAS GAÚCHOS!
 
Tradição Gaúcha Brasileira: usos e costumes dos Gaúchos Campeiros
do Pampa do Rio Grande do Sul!
............................................................................

Tradicionalistas Gaúchos Brasileiros, aqueles que integram o MTG organizado ou qualquer outro Movimento Cultural Gauchesco Sul-rio-grandensenão devem - ou não deveriam - explorar o Patrimônio Sociológico-tradicional do Rio Grande do Sul, pertencente ao Estado Sulino, aos Sul-rio-grandenses, ao Brasil e ao Povo Brasileiro, mas cultuá-lo, zelá-lo, preservá-lo, retransmiti-lo e corretamente divulgá-lo para o país e o mundo. E para ser Tradicionalista não basta ser sul-rio-grandense ou brasileiro, mas obrigatoriamente Gaúcho do Brasil. Barbosa Lessa, com propriedade, definiu o termo gaúcho como sendo um estado de espírito. Quem demonstra apreço, respeito e identificação pelo sistema de vida dos Antepassados Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul, suas tradições regionais, seus usos e costumes tradicionais, antigos, por essa definição será um Gaúcho Brasileiro, independentemente do local de seu nascimento. Por consequência, os sul-rio-grandenses que se envergonham da Cultura de Raiz de seu Estado, assim como os catarinenses, paranaenses e demais brasileiros que não veem qualquer fundamento no culto e na valorização das coisas regionalista-tradicionais gaúchas do Pampa Sul-rio-grandense, gaúchos brasileiros é que não são. E entre aqueles que se enquadram como gaúchos há os que são e os que não podem ser tidos como Tradicionalistas. Os gaúchos não tradicionalistas, como a imensa maioria dos músicos e dos artistas, por exemplo, estão mais propensos aos modismos e aos seus interesses comerciais imediatos do que ao adequado uso da Pilcha Gaúcha Oficial e de Honra do Estado do Rio Grande do Sul, ou da correta utilização do conteúdo moral, do ritmo e do compasso da Música Regionalista-tradicional Gaúcha Sul-rio-grandense. Se alguns são gaúchos, outros assim se intitulam por mera conveniência econômico-financeira, comercial ou eleitoreira. Camisas ou conjuntos nas cores pretas, à moda Zorro, como se estivessem de eterno e pesado luto; cores brilhantes, fortes, contrastantes, berrantes; vestimenta toda branca, à moda candomblé; ausência de lenços de pescoço ou o uso de lencitos curtos, finos, virados, atados à moda estilista-decorador Jacques Leclair, folclóricos, exagerados, triangulares, à meia-espalda, em cores não tradicionais, como a preta, a estampada; cintas urbanas, guaiacas porchetão freio de ouro ou rastras platinas em vez das tradicionais guaiacas sul-rio-grandenses; calças estreitas com bolsos traseiros e alças no cós, no lugar das bombachas (calças largas semn bolsos traseiros e com cós largo e sem alças); boinas desbeiçadas e coloridas, importadas de outras plagas; batucada à moda timbalada; guitarras estridentes à moda rock pauleira; gelo seco à moda fogo no palco; a interpretação melosa ou o gritedo; duetos e músicas sertanejas e outras não regionalista-tradicionais gaúchas sul-brasileiras são apenas alguns exemplos das práticas daqueles que se dizem gaúchos, mas que longe estão de serem Tradicionalistas Gaúchos Brasileiros. Para estes, indumentárias não condinzentes com as Diretrizes Culturais do MTG e a legislação do Estado do RS (Lei 8.813/89), e a participação em Bailões Comerciais ao som de bandas ou artistas regionalistas sul-rio-grandenses, chamados, por extensão,  e indevidamente, de gaúchos, não são atos que se coadunem com o Fim Cultural de Se Fazer Tradição do Rio Grande e Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro; isso nunca foi, não é e jamais poderá ser Tradição ou Tradicionalismo, mas modismo, comercialismo ou eleitoreiro politicalismo. Quem é Tradicionalista respeita e honra a Pilcha Gaúcha do RS, regulada em lei e nas Diretrizes do MTG Brasileiro, pois só ela é que bem representa a tradicional sobriedade e a regional simplicidade da vestimenta dos antigos Gaúchos Campeiros do Pampa Sul-rio-grandense. Quem é Tradicionalista Gaúcho Brasileiro valoriza e conserva o conteúdo moral, o ritmo e o compasso musical gauchesco sul-rio-grandense da antiga, regional, campeira, tradicional e autêntica Música Gaúcha do Rio Grande do Sul. Assim, para que alguém atue e participe do Meio Tradicionalista Gaúcho Brasileiro não basta ser gaúcho, há de agir,  necessariamente na prática, como um Tradicionalista. O estado de espírito, de Barbosa Lessa, é a melhor forma de se definir quem é ou não é gaúcho brasileiro. Mas é o estado de Consciência Tradicionalista e a prática da Coerência Cultural Regionalista-tradicional Gaúcha Sul-rio-grandense que caracterizarão quem será um Tradicionalista Gaúcho Brasileiro. É com esses estados – de espírito, de coerência regionalista-tradicional gaúcha sul-rio-grandense e de consciência tradicionalista – que a Tradição dos Antepassados Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul será efetivamente cultuada, valorizada, zelada, defendida, preservada, retransmitida para as novas e futuras gerações, e adequadamente divulgada para o Brasil e o mundoDo contrário estaremos todosÓrgãos Tradicionalistas, Entidades Culturais filiadas ao MTG e Tradicionalistas Gaúchos em geral - apenas brincando de se Fazer Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro e de se Fazer Tradição Regional do Rio Grande do Sul. E nesses casos, o que se desenvolverá no MTG organizado será, somente, uma indevida e inexpugnável exploração do Patrimônio Sociológico-tradicional Gaúcho do Rio Grande do Sulpertencente ao Estado Sulino, aos Sul-rio-grandenses, ao Brasil e a todo o Povo Brasileiro!

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
28/11/2010 12:50:16 OLDAIR COSTA - POTÉ-MG vale do mucuri / MG - Brasil
As capas dos seus CDs, todas criadas à mão pelo próprio artista, são feitas com materiais reaproveitados. Por isso, cada uma delas é única. O papelão, ele recolhe nas ruas. O cartão de visitas de Costa também é ecologicamente correto: cada um deles traz três sementes de pau Brasil. O músico independente - ou dependente de patrocínio, como ele mesmo diz - comercializa seus CDs por meio do seu site. Lá também há um vídeo onde ele mostra suas técnicas plásticas. Vale a pena conferir. www.oldaircosta.com
Sítio: http://oldaircosta.com
28/11/2006 15:48:52 José Itajaú Oleques Teixeira - Guará / DF - Brasil
Prezado Cássio. Agradecemos-te pelas importantes participações neste espaço cultural tradicionalista gaúcho brasileiro. Quanto ao tema de hoje, resta-nos reafirmar que a maioria dos músicos gaúchos não são nem gaúchos nem tradicionalistas justamente porque se submetem aos interesses do mercado musical, gravadoras, contratos e grifes, em nome dos seus naturais interesses profissionais de índole econômico-financeira. Muitos deles são meramente regionalistas sul-rio-grandenses ou brasileiros. Festivais "nativistas", então, estes é que não podem ser tidos como tradicionalistas, aonde muitos nem pilchados estão; e quando o fazem é conforme a moda ditada por aqueles que ganham explorando e corrompendo a antiga, regional e campeira Tradição dos Gaúchos do Pampa do Rio Grande do Sul. Também não é necessário que alguém tenha nascido no campo para valorizar as coisas tradicionais de sua Terra. Fosse assim os milhares de jovens citadinos que cultuam e preservam, no âmbito do MTG Brasileiro, as tradições do Povo Gaúcho Sul-rio-grandense não poderiam ser, como de fato muitos o são, Tradicionalistas Gaúchos Brasileiros. É verdade que é difícil qualquer músico sobreviver apenas da profissão. Mas é uma grande hipocrisia, por exemplo, aqueles músicas regionalistas, o seu mercado musical e a mídia financiada pelo último tentarem confundir o público dizendo que eles são "tradicionalistas gaúchos". Tradicionalistas não são, e gaúchos só seriam se tivessem o necessário "estado de espírito" dos antigos campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul. E este espírito, se presente estivesse na consciência desses profissionais, pelo menos os levariam a respeitar a tradicional Pilcha Gaúcha Oficial e de Honra do Estado do Rio Grande do Sul, prevista em lei estadual e nas Diretrizes do MTG, e a autêntica Música Regionalista-tradicional Sul-rio-grandense, com os seus conteúdos morais, os ritmos e os compassos gauchescos tradicionais. Até os grandes e consagrados conjuntos, após as suas "visitas" aos EUA, patrocinadas pelos globalizados intere$$e$ da Nova Ordem Mundial, há muito que corrompidos estão, persistindo somente antigos "slogans", os quais não mais se sustentam diante das suas novas e sem-fronteiras posturas comerciais. Mas há, não se duvida disso, grupos novos que começam a se voltar para o estilo e a verdadeira Pilcha Gaúcha Tradicional do RS e a abocanhar o espaço que se abre, tocando principalmente nos CTGs e nos verdadeiros Eventos Tradicionalistas, cujos dirigentes ainda não se encontram enfrenados pelo atual e corrupto mercado musical. Mas outra verdade seja dita: a cultura regionalista-tradicional, frente ao mercado e aos seus corrompidos governantes, sempre estará em desvantagem perante a cultura hegemônica ditada pela festejada mas deletéria globalização. Entretanto, não será por isso que deixaremos a Tradição dos Gaúchos Sul-brasileiros perecer desvirtuada, modificada, substituída, comercialmente "integrada", corrompida pelos interesses empresariais turísticos, musical-mercadistas, "texa-crioulista-mercosuristas", "tchesista-urbanos", "comercial-nativistas" e "coutry-texa-sertanejos", todos eles, naturalmente, sem qualquer fronteira cultural, sem querência, sem pago e sem tradição regional. E nessa luta a informação é a adaga, a lança, o relho e o facão, da coerência tradicional, da História Regional, da propriedade tradicionalista e do dever institucional. Retribuindo os votos de um ótimo dia, enviamos a esse prezado Xiru Velho o nosso quebracostelas cinchado!
Sítio: http://www.bombachalarga.com.br
28/11/2006 11:54:14 Cássio - Medianeira / PR - Brasil
Buenas! A diferença entre ser gaúcho e tradicionalista é clara! Conheço vários sul-riograndenses que não tem a mínima relação com o Tradicionalismo. Uma situação normal, uma vez que não são pessoas com raízes no campo e mesmo sendo do RS, nunca viveram o gauchismo. Nem tampouco devem ser tradicionalistas apenas pelo fato de serem do RS. Quanto aos músicos, apesar de várias bandas trilharem o caminho das mega-produções artísticas, não podemos ser injustos e dizer que a maioria dos músicos é assim. Não é a maioria, e o Rio Grande tem uma quantidade enorme de músicos que se mantém fiéis ao estilo gaúcho de fato. É só acompanhar os festivais nativistas e tradicionalistas e veremos que um grande número de músicos não é conhecido por não fazerem as vontades das gravadoras e da mídia de massa, mas tem qualidade muito superior a muitos que são super conhecidos. E não é facil para um músico sobreviver fiel ao seu estilo, pois a pressão das gravadoras é muito grande. São heróis os que conseguem impor o estilo gaúcho verdadeiro e ainda assim sobreviver no meio artístico. Não podemos generalizar, para não sermos injustos com os músicos de qualidade, que levam o Rio Grande nas suas canções pelo Brasil e pelo mundo. Nenhum deles está livre de cometer "erros". "Tche Music", não, obrigado! Um baita quebra-costelas! Tenham todos um ótimo dia, com as bençãos do Patrão do Céu!
Sítio: *****
Listados 3 Comentários!
Untitled Document