Usuário:
 
  Senha:
 
 

Os Mateadores:
Baile de Ramada, de Luiz Godinho
e Zulmar Benites

 

05/01/2007 11:19:20
A ANTIGA E CAMPEIRA TRADIÇÃO DO RIO GRANDE!
 
A antiga e campeira Tradição Gaúcha Brasileira: preservada
e retransmitida para as novas e futuras gerações!
............................................................................

Pilcha Gaúcha Oficial e de Honra do Rio Grande do Sul, constituída pela indumentária típica, regional, antiga, tradicional, dos antepassados pampeanos sul-brasileiros, deve ser, em nome da conservação da Memória Cultural Regionalista e do Patrimônio Sociológico-tradicional do Estado e do Povo d o Rio Grande do Sul, cultuada, preservada, retransmitida e corretamente divulgada para o mundo em todos os Eventos Culturais do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro. Assim deve ser com as atuais Danças Gaúchas Sul-rio-grandenses de Salão, as Danças Folclóricas do RS, hoje não mais tradicionais, o conteúdo moral, o compasso e o ritmo da Música Regionalista-tradicional Gaúcha Sul-rio-grandense. Como se sabe, antes do combate aos regionalismos no governo de Getúlio Vargas, no Estado Novo, em 1937, e da implantação da política alienígena de ridicularização do Gauchismo Sul-brasileiro, sob a pecha de “grossura”, no final da Segunda Guerra Mundial, as famílias sul-rio-grandenses mantinham, em determinadas regiões do Estado, a Polca de Relações como um forte elo de convivência. Eram Fandangos Familiares realizados nas sedes das estâncias, em comemoração a aniversários, casamentos, noivados, batizados. As casas residenciais, como nos informa Lamberty (1989), chegavam a ser desmontadas para se tornarem salões de uma única peça e receber melhor os convidados. Uma das variantes dessa Polca, a Meia-canha, era encontrada no nordeste do Estado. Vinda da região do Prata e chegando até o litoral e o planalto nordestino do Rio Grande do Sul, caracterizava-se como uma dança de pares soltos com conotação amorosa. Os dançarinos circulavam sob goles de canha, até esvaziarem suas guampas de cachaça. Peões e prendas giravam em roda, trocando versos. Com a influência da colonização estrangeira na Serra e parte das Missões, especialmente dos italianos, algumas alterações ocorreram na dança. Essa nova variação da Polca de Relações tornou-se conhecida por Vaneira das Damas, aonde as moças é que tomavam a iniciativa de convidar seus pares. Essas eram Danças Regionalistas Sul-rio-grandenses pertencentes ao Patrimônio Sociológico do Estado. Já a Dança da Tradição Regional do Rio Grande do Sul vem da região do Pampa Sul-brasileiro. Ali, no Núcleo da Formação Gaúcha Sul-rio-grandense, era a Polca de Relações ou Polca de Versos que alegrava os Gaúchos Campeiros do Sul do Brasil. Nessa região os pares formavam uma roda, dando-se as mãos. E a marca era dançada sempre com a execução de uma Polca (Limpa-banco, Arrasta-pé ou Gasta-sola). Girando no sentido contrário aos ponteiros de um relógio, um peão interrompia a dança, gritando:- para a gaita, gaiteiro!, deslocando-se com seu par até o centro da roda. Então cantava um verso, sob os comentários dos presentes. Em seguida uma nova volta na dança, só para o par. Novamente parava a gaita, agora sob o comando da prenda, a qual respondia também em versos. O par recomeçava a dança e esta logo parava, apresentando-se outro par ao centro da roda. Esses Fandangos começavam cedo da noite. À meia-noite ou já na madrugada as danças de salão paravam, esvaziava-se a pista e tinha início a tão esperada Polca de Relações. Esta modalidade teve larga aceitação na região da Campanha, especialmente por conter um espírito de galanteio. E após a Polca todos passavam para a varanda, aonde eram servidos café com pão caseiro e complementos. O referido estudo de Salvador Lamberty comprova que foi nesse ambiente festivo que muitos casamentos surgiram, ante os olhares vigilantes dos pais. E algumas mortes, infelizmente,  também resultaram de algumas cantigas de versos um tanto desaforentos. Mas fatos como esses não fazem parte da Tradição dos Gaúchos do Rio Grande do Sul, toda esta baseada na moral e nos bons costumes das famílias do interior. Essas Polcas de Relação foram pontos de atração em festas, que chegavam a durar uma semana. Eram as chamadas “surpresas”. Amigos de aniversariantes, sem avisar, chegavam à propriedade dos mesmos com foguetes e muita gaita. A peonada, reunida, começava a festança. Carneavam-se rezes, levavam-se bebidas. Nessa festa não poderia faltar a Polca de Relações. Assim, é de se considerar um erro crasso o fato de o MTG Brasileiro nominar como Meia Canha a Polca de Relação oriunda do Pampa Sul-rio-grandenseo Núcleo da Formação da Tradição Gaúcha do Estado do Rio Grande do Sul. E com o fim de cultuar e reverenciar essa importante, típica e folclórica forma de os antigos Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul fazerem festa, e em cumprimento aos seus Fins Culturais, as Entidades Tradicionalistas Gaúchas filiadas ao MTG do Brasil podem, periodicamente, realizar para seus respectivos Quadros Sociais um Baile Bem Gauchesco e Campeiro da antiga Tradição do Rio Grande, como aqueles que os mais antigos tiveram a oportunidade de vivenciar no interior do Pampa do Estado Garrão-sul do Brasil, sob a luz dos candeeiros, com gaita, violão, pandeiro e Polca de Relações. Dessa forma as Entidades Culturais do MTG Brasileiro estarão cultuando, com a Pilcha Gaúcha Oficial e de Honra do Estado Sulino - nela incluídos, necessariamente, a bombacha (calça larga) e o vestido de prenda - a verdadeira Tradição Gaúcha Brasileira e esse típico, regional e folclórico costume interiorano sul-rio-grandense, preservando e divulgando, para as novas e futuras gerações, a Memória Cultural Regionalista-tradicional dos Antepassados Gaúchos Pampeanos do Rio Grande do Sul!

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
05/01/2010 23:54:40 Bombacha Larga - Brasília / DF - Brasil
Prezada Prenda Loreni. Atendendo ao teu pedido, este espaço cultural tradicionalisa gaúcho informa-te que foi publicada na seção Educação deste sítio uma matéria contendo alguns versos para a Polca de Relações. Com as Saudações Tradicionalistas segue o nosso quebra-costelas cinchado a essa prezada Prenda Gaúcha!
Sítio: http://www.bombachalarga.org
19/10/2009 00:03:34 Loreni Soliani - Modelo / SC - Brasil
Olá...Gostaria de conseguir alguns versinhos para dançar a Meia Canha ou Polca de Relação, será que vocês podem me ajudar? Aguardo retorno! Grata Loreni Soliani
Sítio: *****
14/09/2009 21:30:00 Lisiane - santa rosa / RS - Brasil
Oii! Muito obrigado pela informação. Vou trabalhar com meus alunos... Valeu pela atenção!
Sítio: *****
14/09/2009 15:09:23 Bombacha Larga - Brasília / DF - Brasil
Prezada Lisiane. O sítio Bombacha Larga agradece a tua honrosa visita e a comunicação postada neste espaço cultural tradicionalista gaúcho. Em resposta, informamos-te que o ritmo musical de Baile de Ramada, a música que toca na presente matéria, é o vanerão, podendo o mesmo ser dançado na marcação dois por dois ou dois por um. Saudações Tradicionalistas e o nosso fraterno quebra-costelas a essa prezada Prenda Gaúcha!
Sítio: http://www.bombachalarga.org
14/09/2009 09:16:02 Lisiane - Santa rosa / RS - Brasil
Oii! Gostaria de saber o nome da música, para dança. Obrigado.
Sítio: *****
11/09/2009 12:50:20 aline carnieli - chui / RS - Brasil
Oi! Gostaria de conseguir alguns versos, para roda de verso entre mulheres, pois é um grupo de cavaleiras. Obrigado! Urgência máxima. Valeu!
Sítio: *****
05/01/2007 22:18:28 GODOFREDO MARIANTE - CANOAS / RS - Brasil
BUENAS! UM FORTE QUEBRA-COSTELAS PARA A PEONADA, E UM FIRME APERTO DE MÃO, NAS PRENDAS (com respeito e carinho. Mas, a respeito da matéria, a nossa PILCHA, além de ser linda e confortável, é CARA POR DEMAIS. E têm modelos diversos que não permitem a REPETIÇÃO. É um orgulho grande quando alguém USA-A; fica-se até arrepiado quando se entra em um baile, festa ou rodeio, e ao olhar-se para os lados, vê-se que todos estão pilchados. Mas as ESCOLAS deveriam cultivar mais a nossa cultura regional. Pois quando jovens ELES (os alunos) integram-se mais, mas depois, em razão de outras facções ou dos amiguinhos da onça, eles são levados para o outro lado. Então, por isso que as Escolas deveriam atrasar mais esta saída, para as outras comunidades, ou, digo, para o LADO RUIM, aquele que NÃO TEM MAIS VOLTA! Um grande abraço a todos! Godofredo.
Sítio: *****
Listados 7 Comentários!
Untitled Document