Usuário:
 
  Senha:
 
 

Luiz Carlos Borges:
Caçapavana, de Mauro Ferreira

 

15/02/2008 10:53:20
A INDUMENTÁRIA TRADICIONAL DAS PRENDAS GAÚCHAS BRASILEIRAS!
 
Vestido de Prenda: Pilcha Oficial e de Honra do Rio Grande do Sul;
Tradição Herdada das Antepassadas Gaúchas Pampeanas do Sul do Brasil!
............................................................................

Toda a Tradição Regional de um povo deve ser preservada, assim como sua Identidade Cultural Regionalista. A indumentária típica das mulheres gaúchas brasileiras, a vestimenta tradicional das antepassadas Campeiras do Pampa Sul-rio-grandense, a ser cultuada, preservada e corretamente divulgada no Meio Tradicionalista Gaúcho Brasileiro, por razões regionalista-tradicionais e históricas, jamais poderá deixar de ser o Vestido de Prenda. Os jovens de 1947 e o Movimento Tradicionalista Gaúcho organizado, posteriormente fundado, ao revitalizarem o Gauchismo Brasileiro haveriam de valorizar o traje mais típico e tradicional das mulheres do interior do Pampa do Rio Grande do Sul, aquele usado na época em que a bombacha passou a fazer parte da Pilcha Tradicional dos Gaúchos Sul-brasileiros, no final do séc. XIX. Ao resgatarem o Jeito Tradicional de Vestir das Campesinas do Pampa Sul-rio-grandense não poderiam eles pensar, por exemplo, na possibilidade de realização de um Fandango Gaúcho com peões trajando bombachas, guaiacas, botas, lenços de pescoço, e dançando com Prendas Gaúchas Sul-rio-grandenses vestidas como autênticas californianas, européias ou cariocas. Se assim o fizessem, incorporando as tendências da moda em vigor naquele período do pós-Segunda Guerra Mundial, fortemente influenciado pelo mercado norte-americano, as mulheres gaúchas jamais poderiam ser tidas como legítimas Prendas do Rio Grande do Sul, como verdadeiras representantes do Regionalismo Gaúcho Sul-brasileiro. Se portassem as roupas comuns de outros povos, dos modismos de mercado, não poderia haver nesse ato nem Coerência Regionalista-tradicional Sul-rio-grandense nem a devida Propriedade Tradicionalista Gaúcha Brasileira, menos ainda Tradição Gaúcha do Rio Grande, a ser cultuada, preservada e repassada às novas e futuras gerações de Gaúchos Brasileiros. Nem, tão pouco, a preservação da Identidade Cultural Regionalista-tradicional dos Gaúchos do Sul do Brasil. Se a bombacha que o peão de 1947 usava tivera o seu uso iniciado a partir do ano de 1870, aproximadamente, era de se preservar, também, o traje mais comumente usado pela mulher campeira do Pampa do Rio Grande do Sul naquele final do séc. XIX. A valorização do tradicional recato da mulher interiorana do Rio Grande nunca que poderia estar representado nas modas do século XXcujos objetivos visavam – como continuam visando nos dias atuais, com essa atual e interesseira masculinização da Mulher Tradicionalista Gaúcha Brasileira - acabar com os regionalismos, com o único fim de abrir mercados para produtos pertencentes à tradição de outras plagas. Trajes curtos e sujeitos às intermináveis tendências e variações do mercado da moda, certamente que não poderiam figurar como a Pilcha Gaúcha Feminina das mulheres frequentadoras do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro; nem representar a Mulher Campeira Sul-rio-grandense, moradora do interior do Estado do Rio Grande do Sul. Historicamente, é o vestido comprido a roupa tradicional mais utilizada pelas mulheres sul-rio-grandenses, desde o início da formação da atual Tradição dos Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul. É desde a influência da moda francesa até a vestimenta das imigrantes italianas, alemãs, espanholas, que é ele, o vestido longo, a indumentária gaúcha feminina mais usada ao tempo da afirmação dos antigos usos e costumes tradicionais do Povo Gaúcho Sul-rio-grandense. Portanto, as tentativas de ampliação do uso da peça mais representativa da Pilcha Gaúcha Masculina do RS- a bombacha - entre as Prendas do MTG Brasileiro, não haverá de prosperar. Embora induzidas a esse erro crasso, por meio de alguns tendenciosos e patrocinados artigos - alguns deles com a pecha de científicos, mas que, pelo contrário, nenhuma contribuição trouxeram ou trazem para a ciência - publicados na mídia, as Prendas verdadeiramente Tradicionalistas Gaúchas Brasileiras não se deixarão enganar por tais discursos mercadistas e pseudotradicionalistas. Essas são táticas de um mercado sistematicamente voraz, mas, também, contumaz deficiente em suas financiadas fundamentações e funestas pretensões. As Mulheres Gaúchas do Pampa do Rio Grande do Sul, de uma forma geralnunca vestiram bombachasa ponto de poder ser esse um uso retransmitido de mãe para filha, de forma espontânea, continua e preservada, pelo tempo, até os dias de hoje. Dessa forma, esse é um uso - embora o mais apropriado para a realização de provas campeiras - que não pode ser considerado como da Tradição Gaúcha do RS. O verdadeiro, histórico, antigo, feminino e mais representativo traje tradicional da Mulher Campeira do Rio Grande, da época da Formação Gaúcha Sul-rio-grandense, da dona de casa, da esposa, da mãe, da gerenciadora do lar gaúcho, sempre foi o vestido comprido, conforme atesta a História da Formação Sociológica-tradicional do Estado e do Povo Gaúcho do Rio Grande do Sul. Contrariar fato notório e incontestável como este é praticar mais um dos inúmeros crimes de Lesa-cultura Regionalista-tradicional Gaúcha Sul-rio-grandense, próprio dos Exploradores do Patrimônio Sociológico-tradicional do Estado e do Povo do Rio Grande do Sul. Esse é um atentado praticado contra um Bem Cultural Públicopertencente ao Estado Sulino, aos Sul-rio-grandenses, ao Brasil e a todo o Povo Brasileiro. Mas o que é mais lamentável é que nisso tudo há a conivência, igualmente criminosa, de Órgãos e Entidades Tradicionalistas nessa Corrupção Cultural da Tradição Gaúcha do Rio Grande do Sul, mesmo tendo eles o Fim Institucional-estatutário de preservar o Núcleo da Formação Gaúcha do Rio Grande do Sul - fundado na região do Pampa Sul-brasileiro -, o Patrimônio Sociológico-tradional do Estado e do Povo do Rio Grande do Sul, composto pelos usos e costumes regionalista-tradicionais autênticos dos antigos Gaúchos Campeiros Sul-rio-grandensesa Identidade Cultural Regionalista-tradicional dos Gaúchos Brasileiros, a aplicação e a preservação de sua Carta de Princípios, sua Doutrina e sua Filosofia de Atuação Tradicionalista Gaúcha Brasileira. Assim, Eventos Culturais Tradicionalistas Gaúchos que não valorizam a verdadeira, a antiga Tradição da Mulher Gaúcha do Rio Grande do Sul e sua típica e regional forma de vestir, não são Tradicionalistas, mas ComercialistasAs promoções que se prestam a patrocinar Assassinos Culturais, cujas opiniões pessoais estão sempre pautadas nos atos de desmerecimento do Movimento Tradicionalista Gaúcho Brasileiro organizado, embora continuem a explorá-lo e a frequentá-lo por interesses unicamente econômico-financeiros, comerciais e eleitoreiros, enchendo os bolsos de suas calças corridas, dos eslaques e suas cintas urbanas, rastras importadas e guaiacas porchetão freio de ouro, nada disso da antiga e regional Tradição do Rio Grande, não são Tradicionalistas, mas meros Mercadistas. Eventos do MTG Brasileiro, que utilizam recursos oriundos dos incentivos públicos destinados à Causa Tradicionalista, ao culto, à preservação e à correta divulgação da verdadeira Tradição Regional do Rio Grande do Sulcuja origem está nos tributos pagos pelo povo detentor da Cultura Regionalista-tradicional Gaúcha Sul-brasileiraexplorada, substituída, integrada, fundida, desnaturada, corrompida por eles, os Exploradores da Cultura Gaúcha do Rio Grande, não podem ser considerados Tradicionalistas, mas tão-somente Mercantilistas. Eventos Tradicionalistas que, desviados das suas finalidades culturaispromovem o Assassinato da Cultura de Raiz do Pago Sulino, do Regionalismo Gaúcho da Querência Sul-brasileira, em nome dos patrocinadores dessa Corrupção da Cultura Tradicional de seu chão, não são nem Tradicionalistas Gaúchos Brasileiros nem representantes da antiga, da autêntica Tradição Gaúcha do Estado do Rio Grande do SulE se hoje já não se vê mais a Mulher Gaúcha Brasileira usando, nos Eventos do Tradicionalismo, a indumentária tradicional, antiga, da campesina sul-rio-grandense; se a pressão dos crioulistas, mercosuristas, nativistas, thesistas, country-sertanejistas, dos comercialistas sem fronteiras que dominam corrompidos meios de comunicação e que hoje maneiam determinadas consciências pouco ou nada tradicionalistas, não faltarão, dentro e fora do MTG Brasileiro, verdadeiras Prendas Gaúchas da Antiga Tradição do Rio Grande; mulheres que continuarão a honrar a História e a Tradição Regional da Terra Gaúcha Sul-brasileira; aquelas que dirão um NÃO a esses exploradores e seus mercadistas intentos. As verdadeiras Prendas Tradicionalistas Gaúchas Brasileiras continuarão a Fazer Tradição do Rio Grande e a respeitar os reais Fins Culturais do Tradicionalismo Gaúcho do Brasil; a usar, cultuar, preservar, zelar, retransmitir e corretamente divulgar, para o mundo, a regional, a típica e tradicional vestimenta das antigas Mulheres Gaúchas da Campanha do Rio Grande do Sul; a retransmitir, para as novas e futuras gerações - prendinhas mirins, juvenis e adultas, que chegam às Entidades Culturais filiadas ao MTG Brasileiro organizado -, não essa calça justa - erroneamente rotulada de bombacha -, esta uma peça gauchesca sul-rio-grandense essencialmente masculina, mas o vestuário que verdadeiramente representa a feminilidade e que ressalta a graça e a beleza da Mulher Gaúcha Brasileira: o antigo e tradicional vestido das Antepassadas Prendas Gaúchas Interioranas do Pampa Sul-rio-grandense. Tudo pelo irrestrito amor e conservação da antiga e bela Tradição Regional do Estado do Rio Grande do Sul e pela manutenção da Identidade Cultural do Povo Gaúcho do Sul do Brasil!

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
27/12/2014 17:55:43 cristina vicente honorato - monte mor / SP - Brasil
Quero saber onde tem loja ou ctg na regiao
Sítio: quero endereco loja em campinas sp
10/04/2011 09:23:02 lucas rafael - campinas / SP - Brasil
Sou gaúcho, mas agora moro em Campinas, SP.
Sítio: *****
07/06/2010 19:17:27 francylla - camocim / CE - Brasil
Bom, eu adoro falar sobre tradições. Acho muito interessante a maneira como os gaúchos se vestem. Eu faço parte de um Grupo de Danças (quadrilha) e esse ano decidimos homenagear cada parte do Brasil, começando pelos gaúchos. Então, resolvi pesquisar mais um pouco sobre vocês. É muito diferente a maneira de viver dos gaúchos. Foi isso que me chamou a atenção... Um abraço de uma fã de você!
Sítio: *****
23/11/2008 18:08:58 Eliamara - Joinville / SC - Brasil
Sobre nosso trabalho...
Sítio: *****
24/09/2008 20:22:39 Vinicius - Cuiabá / MT - Brasil
Olha, agradeço pelas informações aqui citadas, pois me ajudaram muito a compreender a cultura gaúcha. Abraços! Vinicius
Sítio: *****
04/09/2008 09:49:38 Liane Nascimento - Santa Maria / RS - Brasil
Como gaúcha nascida em 20 de setembro digo:. .. NÃO há nada melhor do que ser gaúcha!!!
Sítio: *****
25/06/2008 11:31:26 Emanuela M.Araldi - Nova Pádua / RS - Brasil
Temos que manter a tradição gaúcha, sim. Nas provas campeiras concordo com o uso da bombacha.
Sítio: *****
19/03/2008 19:48:10 Fernando Araujo - Alvorada / RS - Brasil
Informo os novos endereços do CTG Bento Gonçalves da Silva e Projeto Cultural Juntando Rimas: www.juntandorimas.com ; www.juntandorimas.com/ctgbento . Por favor, ajude a divulgar. Fernando Araujo - Webmaster
Sítio: http://www.juntandorimas.com
29/02/2008 19:08:34 Wanderlan Azambuja Lopes - Porto Alegre / RS - Brasil
para curti
Sítio: *****
26/02/2008 23:25:29 José Itajaú Oleques Teixeira - Guará / DF - Brasil
Prezada Aline. O sítio Bombacha Larga agradece a tua honrosa visita, o comentário postado e a importante participação neste espaço cultural tradicionalista gaúcho. Não há dúvidas de que tu tens todo o direito de se vestir conforme o teu entendimento pessoal e a tua vontade. Entretanto, na condição de Tradicionalista Gaúcho, este sítio não pode compactuar com posições individuais que venham a ferir de morte a antiga Tradição Regional dos Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul, cuja preservação é um dos deveres do MTG Brasileiro. O que deve prevalecer, diante das preferências pessoais e dos interesses comerciais, especialmente no interior de uma Entidade Tradicionalista, não é o gosto pessoal, mas a coerência regionalista-tradicional sul-rio-grandense e a propriedade tradicionalista gaúcha brasileira. Quem integra o Tradicionalismo deve seguir a Doutrina do Movimento, a Filosofia de Atuação de sua Carta de Princípios, isto é, deve preservar os antigos usos e costumes gaúchos tradicionais do Pampa do Rio Grande do Sul, para que a Identidade Cultural Regionalista-tradicional dos Gaúchos e Gaúchas do Sul do Brasil não venha a ser deturpada na sua essência. Assim, este espaço cultural tradicionalista gaúcho prefere orientar as Prendas Tradicionalistas no sentido do que está previsto no item XX da Carta de Princípios do Tradicionalismo, cuja previsão é: o Movimemto Tradicionalista Gaúcho deve "zelar pela pureza e fidelidade dos nossos costumes autênticos, combatendo todas as manifestações individuais ou coletivas que artificializem ou descaracterizem as nossas coisas tradicionais". Por isso, Aline, a cumprimentamos pelo fato de não ires ao CTG com roupas não recomendáveis para uma Prenda Gaúcha Tradicionalista. Já quanto ao fato de usares a bombacha fora das lidas campeiras, nesse ponto não poderemos acompanhá-la, pelos motivos já explicitados na matéria em comento. Diante da necessidade de todos, Tradicionalistas e Entidades da Tradição, observarem os Fins Culturais do Movimento ao qual estão vinculados é que reside a desejada Coerência Cultural Tradicionalista. Para nós, fora das provas campeiras e das cavalgadas rurais não oficiais, uma Prenda Gaúcha vestida com a bombacha - uma pilcha masculina - não está zelando pela "pureza e fidelidade dos nossos costumes autênticos"; não está representando a autenticidade da indumentária histórica, regional e tradicional das antigas mulheres gaúchas do Pampa Sul-brasileiro; não está "Fazendo Tradição", ou seja, retransmitindo para as novas e futuras gerações, de forma preservada, contínua e espontânea, a verdadeira Pilcha da Mulher Gaúcha do Pampa do Rio Grnade do Sul. Falta, nesse errôneo ato, as coerências histórico-cultural, regionalista-tradicional e tradicionalista. Mas é certo que tu tens o livre arbítrio para agires conforme a tua convicção. Nos permitimos, apenas, a fazer-te uma pergunta: será que aos olhos de um turista, nacional ou estrangeiro, uma Prenda vestindo bombachas estará representando, realmente, a antiga Tradição das Mulheres Gaúchas do Interior do Pampa Sul-rio-grandense? Alertamos, ainda, que a saia campeira simples, com blusa, substitui muito bem o Vestido de Prenda, especialmente nas lidas caseiras e nos serviços em geral. Nós, como Tradicionalistas Gaúchos Brasileiros, buscamos sempre a preservação dos antigos e autênticos usos e costumes tradicionais do Povo Gaúcho Sul-brasileiro, como forma de manter a sua respectiva Identidade Cultural Regionalista-tradicional, reconhecida e elogiada em todos o mundo. Com as Saudações Tradicionalistas segue o nosso respeitoso quebracostelas a essa prezada Prenda Gaúcha!
Sítio: http://www.bombachalarga.com.br
26/02/2008 22:20:01 Aline - CWB / PR - Brasil
Entendo que a bombacha não seja a pilcha típica feminina. No entanto, ela é muito prática, muito mais que um vestido longo, no que diz respeito aos afazeres diários. Prefiro vesti-la para ir ao CTG (exceto em fandangos) do que aparecer com " barriga de fora; decotes que, muitas vezes, mostram o umbigo, e calças leggue tão justas que parece até a divisa das duas fronteiras" (conforme dito em outra matéria). Abraço.
Sítio: *****
Listados 11 Comentários!
Untitled Document