Usuário:
 
  Senha:
 
 

Os Monarcas e Pedro Neves:
Rio Grande Taura,
de João Alberto Pretto
e Pedro Neves

 

06/09/2005 08:52:42
AS VERDADEIRAS CAUSAS DA REVOLUÇÃO FARROUPILHA!
 
Desfile Farroupilha do Dia 20 de Setembro de 2004, em Uruguaiana-RS!
............................................................................

Continuação das CAUSAS POLÍTICAS – Em 7 de abril de 1831 o Imperador D. Pedro I abdicou e voltou para Portugal; e o Brasil inteiro mergulhou decididamente na agitação. A Regência assinou então o Ato Adicional n. 7, criando as Assembleias Provinciais e as Câmaras Municipais. A Assembleia que se instalou em Porto Alegre, com deputados eleitos e empossados, funcionou de 20 de abril à 20 de junho de 1835; e só serviu para exacerbar ainda mais os ânimos entre a minoria conservadora e a maioria liberal. Os partidos políticos faziam agitação nas ruas e publicavam jornais de curta duração, sueltos, pasquins, com as mais disparadas e absurdas acusações. Os próprios liberais, cujo líder era Bento Gonçalves da Silva, não estavam coesos: havia os liberais monarquistas e os liberais republicanos. Dentro desse clima, em que se agitavam aspirações sebastionistas (que sonhavam até setembro de 1831 com a volta de D. Pedro I), supremacia portuguesa, ideal republicano e ressentimentos de toda a ordem; com cidades do interior atirando mais lenha na fogueira, o caos era quase geral. Foi política também, depois do 20 de setembro, a decisão de não dar posse na Assembleia Provincial a José de Araújo Ribeiro, o que vai desgostar Bento Gonçalves da Silva e afastar dos farroupilhas Bento Manoel Ribeiro, o que deve se perceber como a causa mais importante da continuidade revolucionária. Além disso havia alianças, amizades e compadrios entre lideranças rio-grandenses e uruguaias. Nessa época esteve em Porto Alegre Dona Ana de Lavalleja, esposa do prócer uruguaio Juan Antonio Lavalleja, agasalhada e protegida pela maçonaria. Sim, no segredo dos templos maçônicos se conspirava dia e noite... (Nacos de História, Agenda Gaúcha 2005, de Dorotéo Fagundes)

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
NENHUM COMENTÁRIO ATÉ O PRESENTE MOMENTO!
Untitled Document