Usuário:
 
  Senha:
 
 

Wilson Paim:
Chasque ao Vento, de Edegar Torres,
Luis C. Coelho, Wilson Paim e
Neimar Xavier

 

07/03/2008 11:28:24
OS DESPRESOS À BIOÉTICA E À ÉTICA TRADICIONALISTA!
 
Embriões gaúchos do Garrão Sul-brasileiro que,
congelados ou não, um dia tiveram preservados
seus direitos à vida e ao culto da rica e antiga
Tradição do Estado do Rio Grande do Sul!
............................................................................

Os Fins Culturais do Movimento Tradicionalista Gaúcho Brasileiro visam o culto, a defesa, a preservação, a retransmissão e a correta divulgação do Patrimônio Sociológico-tradicional do Estado e do Povo Gaúcho do Rio Grande do SulO não cumprimento desse mister, no entanto, tem resultado na perda da Identidade Cultural Regionalista-tradicional Gaúcha Sul-brasileira. Mas essa falta de ética não acomete só o Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro organizado. Sabemos todos que gigantescos interesses financeiros e comerciais de poderosos grupos econômicos estão a superar os valores mais caros da Humanidade. E diante desse funesto quadro, ficamos a nos perguntar para onde caminha aquela sociedade livre, justa e solidária que a República Federativa do Brasil almeja no texto de sua Lei Maior; e a quem interessa os desvios finalísticos do MTG Brasileiro e a corrupção da antiga e campeira Tradição Regional Sul-rio-grandense. As respostas são facilmente encontradas quando evidenciadas as reais dimensões dos atrativos envolvidos nos propósitos daqueles que se beneficiam com tais desvirtuamentos éticos, morais, institucionais, regionalista-tradicionais. Se grupos políticos e econômicos podem controlar Estados Nacionais e governos, submetendo-os aos seus grandes interesses, outros de igual índole podem se arvorar no direito de usar, controlar e direcionar o MTG Brasileiro organizado para seus fins pessoais, politiqueiros, privados, setoriais, econômico-financeiros, comerciais. O governo brasileiro, por exemplo, ao defender e justificar o aborto – um crime cruel cometido contra um Homem, contra um Ser Humano recém-formado e em contínuo desenvolvimento desde a fecundação do óvulo, inocente, indefeso e com seu Direito Humano à Vida garantido -, mediante o inescrupuloso argumento de que essa atrocidade deva ser praticada por uma questão de política de saúde pública ou de controle de natalidade, está, direta ou indiretamente, atendendo aos gigantescos interesses de uma indústria internacional, cuja exploração desumana há muito que já se verifica em inúmeros outros países. O Movimento Tradicionalista Gaúcho Brasileiro organizado, ao tentar instituir junto às suas Entidades Tradicionalistas filiadas, nos pleitos eleitorais, listas de candidatos a cargos públicos eletivos; quando torna-se parceiro de empresários e administradores públicos na realização de eventos não tradicionalistas, essencialmente eleitoreiros e mercadistas, está, direta ou indiretamente, a atender aos interesses político-partidários de uns e comerciais de outros, e pessoais de muitos, mas a contrariar seus próprios Postulados Iniciais de Entidade eminentemente Cultural, Preservacionista, a manter-se desvinculada de qualquer sectarismo político ou comercialista, nos termos da Filosofia de Atuação Cultural Tradicionalista de sua Carta de Princípios. O Supremo Tribunal Federal, órgão considerado político, com sua formação dependente das indicações do Chefe do Poder Executivo Federal, ao aprovar o uso de células embrionárias congeladas há mais de três anos, para fins de pesquisas científicas, com argumentos a justificar que aquilo, para o Direito, não é um Ser Humano já em formação, mas uma coisa sem valor algum, algo sem vida porque sem cérebro; ao autorizar a referida prática, sob a falácia de que aqueles embriões congelados seriam inservíveis e que tais pesquisas estariam reduzidas apenas àquele tipo de experimento; ao desconsiderar a Convenção Americana de Direitos Humanos – o Pacto de São José da Costa Rica -, em vigor, pelo menos moralmente, no Brasil, já que ao nosso subjugado Congresso Nacional não interessa sua formalização legal; ao ignorar a existência de um Projeto de Lei para a adoção de embriões, que tramita no Poder Legislativo Federal; ao deixar, ainda, de aplicar os fundamentos da Bioética séria na solução de um caso aonde o Direito, por estar quase sempre aquém da dinâmica social, não pode sozinho encontrar as soluções para questões não totalmente positivadas no Ordenamento Jurídico Nacional, está a atender, direta ou indiretamente, aos enormes interesses econômico-financeiros e comerciais do mercado das clínicas de abortamento e de fertilização, de determinados e vultuosos investimentos no campo da genética, os quais geraram, sem qualquer ética - mas não sem grandes motivos -, o imenso e desregrado número de embriões humanos excedentes e mantidos, estrategicamente, congelados. O Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro organizado, por meio de alguns de seus dirigentes, no momento em que descumpre ou permite o não cumprimento de sua Carta de Princípios, não está a atender seus Fins Culturais, Institucionais, Estatutários, mas a beneficiar, direta ou indiretamente, alguns interessados no potencial econômico e político-eleitoreiro de um Movimento Cultural Regionalista-tradicional Gaúcho Sul-rio-grandense, o qual, perante sua Filosofia Tradicionalista de Atuação, não deve jamais estar sujeito a qualquer tipo de exploração, manipulação, corrupção. Ao agir assim, aquele Órgão Cultural responsável pela preservação do Núcleo da Formação Gaúcha Sul-rio-grandense - a região da Pampa do RS -, do antigo Patrimônio Sociológico-tradicional Gaúcho Sul-brasileiro e da Filosofia Tradicionalista de sua Carta de Princípios, continuará, com suas Entidades Tradicionalistas filiadas, a negar ao Estado Sulino, aos Sul-rio-grandenses, ao Brasil e a todo o Povo Brasileiro o direito a todos garantido de conservar a autenticidade da centenária Tradição Regional dos Gaúchos do Sul do Brasil; e de repassá-la, preservada, por Tradição, para as novas e futuras gerações. Diante desse atual quadro de insensatez, aonde aqueles que dele se beneficiam não professam qualquer valor ético ou princípio moral, poderíamos esperar da Sociedade Brasileira a pretendida liberdade, a almejada justiça e a esperada solidariedade, explicitadas na Carta Constitucional de nosso país? Diante dos atuais desrespeitos à Filosofia do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro, nos seus praticamente inexistentes atos de culto, defesa, zelo, efetiva preservação, retransmissão e adequada divulgação das autênticas, antigas, verdadeiras Tradições Regionais dos Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul, poder-se-ía afirmar que o MTG Brasileiro Faz Tradição Gaúcha Sul-rio-grandense, enquanto retransmissão contínua, espontânea e preservada, de pais para filhos, pelo tempo, dos antigos usos e costumes regionalista-tradicionais dos Antepassados Gaúchos Campeiros do Pampa Sul-brasileiro? Se a resposta for não, então é a barbárie que estará instalada; então já se poderá matar um Ser Humano para melhorar outro; então, parafraseando-se o jurista Ives Gandra Martins, um ovo de tartaruga valerá mais que um “ovo” humano; então os interesses econômico-financeiros e político-partidários estarão acima dos Fins Institucional-estatutários de um Órgão Cultural que não deve ter fins lucrativos nem ser dependente política, institucional ou economicamente de quem quer que seja, frente aos dispositivos sociais, morais, éticos e filosóficos de sua Doutrina Tradicionalista. Se negativa a resposta, certos interesses terão mais valor que a própria vida humana, e o Humanismo, conquistado a duras penas ao longo de séculos, restará destruído em prol de alguns interesses ideológicos e capitalistas mesquinhos e desprezíveis. Em sendo um não a resposta às questões acima formuladas, então, atendendo aos apelos dos mercadistas, poder-se-á substituir a antiga Tradição Gaúcha do Estado do Rio Grande do Sul por outras que o mercado julgar mais interessantes, como, por exemplo, aquelas que os Crioulistas do Mercosur, os Texanos do Mercado Country-texa-sertanejo, os Nativistas, os Tchesistas, todos do Mercado Musical Sem Fronteiras, e suas respectivas criações modistas, comerciais, importados, estão a impor a todos nos dias hodiernos, inclusive no Meio Tradicionalista Gaúcho Brasileiro; ou, como tentam fazer os mercosuristas, estes criados e fomentados pelo mercado country-texano, integrá-la com Tradições Regionais de Povos com território, folclore, formação, língua e história diversos. A continuar essa Exploração Econômica e Eleitoreira no MTG do Brasil, não restará nem Doutrina Tradicionalista nem Filosofia de Atuação Cultural voltada para os atos de culto, defesa, preservação, retransmissão e correta divulgação das autênticas, das antigas e regionais Tradições dos Antepassados Gaúchos Pampeanos do Sul do Brasil!

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
27/06/2009 10:08:28 José Itajaú Oleques Teixeira - Taguatinga / DF - Brasil
É cediço que aquela justificativa de que a vida humana só se inicia com a formação do cérebro é um expediente que interessa e beneficia a pretendida legalização do aborto no Brasil, pelos grandes grupos multinacionais que exploram esse "assassinato" em todo o mundo. Mas perguntamos: quem autorizou a falta de ética na produção excessiva de embriões, pelos cientistas, no ato da fertilização "in vitro"? Seriam eles parte da estratégia para forçar a autorização inicial do uso aético de células embrionárias e, depois, da institucionalização do aborto em seres humanos contemplados com a vida humana neste planeta Terra, em fase inicial e em contínuo desenvolvimento da mesma? Sabemos todos que tudo isso nada têm de humanitário, pois os interesses são meramente econômicos, financeiros, comerciais. Toda a novela televisiva produzida dentro do próprio STF - órgão que deveria pautar-se pela ética e buscar as informações necessárias de forma isenta, pelos que atendem ou deveriam atender aos requisitos do "notório saber jurídico" e da "conduta ilibada", e que passou a utilizar-se de audiências públicas, sessões mais políticas do que jurídicas -, tudo isso atende muito bem às empresas abortistas, mas nada representa diante da atual realidade. Não são as pesquisas com células-tronco embrionárias - as células dos embriões já formados - que irão fomentar a medicina regenerativa no mundo, como fazem crer a um povo que desconhece essas diferenças, mas as células-tronco de pluripotência induzida, as quais são obtidas não do embrião, mas de fontes muito mais ricas, como p. ex. o cordão umbilical e a região das trompas de Falópio, os canais que ligam o útero aos ovários, descoberta esta recentemente anunciada pelo Centro de Estudos do Genoma Humano da Universidade de São Paulo (USP), e com aquelas mesmas e alegadas vantagens das células do embrião, estas sem qualquer êxito nas pesquisas até hoje, após muitos anos de estudos. Portanto, a falácia de que o STF rompeu, em 29 de maio de 2008, a "obscuridade religiosa que também entravava o progresso e liberou no país as pesquisas com células-tronco embrionárias" não se sustenta, pois não são só os religiosos, os católicos, os evangélicos, os espíritas, que estão contra essa desumana falta de ética, mas todos aqueles que realmente valorizam o Dom da Vida, dentre estes um grande número de cientistas e até de ateus, coisa que esses estelionatários que atendem aos interesses do mercado abortivo mundial longe estão de fazer. Será que, caso fosse isso possível, os envolvidos nessas fraudes científicas e jurídicas autorizariam o uso de seus respectivos embriões para os fins que eles dizem defender? Sinceramente, acho que não...
Sítio: http://www.bombachalarga.org
27/03/2008 20:57:43 aparecida gregianin - umuarama / PR - Brasil
Eu amo tudo do Rio Grande do Sul, inclusive as músicas. E eu só ouço músicas gauchas porque todas contam uma história. É uma pena que os Cds são muito caros; e não gosto de Cds piratas. Adoro a culinária gaúcha. Um dia vou visitar o Rio Grande do Sul, se Deus quiser! Um abraço!
Sítio: *****
Listados 2 Comentários!
Untitled Document