Usuário:
 
  Senha:
 
 

Paixão Côrtes:
Gaúcho Velho

 

25/06/2008 10:07:21
DANÇAS DO ENART: TRADICIONALISMO OU PEÇA TEATRAL?
 
A verdadeira arte regionalista e os autênticos usos e costumes tradicionais
dos Antepassados Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul!
............................................................................

No ENART – Encontro de Artes e Tradição Gaúcha Sul-rio-grandense, promovido pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho do Rio Grande do Sul, a modalidade mais considerada tem sido a das Danças Folclóricas.  Infelizmente, no entanto, estas há muito que já perderam espaço para as chamadas Entradas e Saídas das apresentações das Invernadas participantes. E isso tem comprometido a pureza e a simplicidade das antigas danças do Rio Grande do Sul. Os dançarinos - mais atores que tradicionalistas gaúchos -, na maioria dos casos usam a Pilcha Gaúcha Sul-rio-grandense como se esta só fizesse parte do figurino de uma peça a ser encenada, a ser vestida apenas na hora das apresentações. Talvez porque tenham vergonha da indumentária tradicional, típica, oficial e de honra do Rio Grande do Sul; ou, quem sabe, porque não são e não querem ser identificados como Tradicionalistas Gaúchos Brasileiros. O fato é que os cenários montados para as Entradas e Saídas do ENART, com o passar dos anos foram sendo ampliados. Na edição de 2007, por exemplo, viu-se o uso de uma caixa, de onde saiu um casal de dançarinos, de uma canoa e, ainda, de andaimes enormes ocupando todo o tablado. Como espetáculo, tudo é muito bonito! Mas e quanto à Tradição Gaúcha do RS e ao Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro? Será que as cores fortes, que nem nas Diretrizes para o uso da Pilcha Gaúcha do próprio MTG organizador estão contempladas, poderiam representar a autenticidade da antiga Tradição dos Antepassados Gaúchos do Pampa do Rio Grande do Sul? E o que dizer dos modelos idênticos de indumentárias, que mais parecem uniformes? Como chamar isso de Tradição Gaúcha do Rio Grande se os antigos Gaúchos Campeiros do Pampa Sul-rio-grandense jamais combinaram modelos ou usaram, por Tradição, as cores fortes nas roupas que vestiam para bailar? O tradicional Jeito Gaúcho Sul-brasileiro de Vestir, certamente, não inclui tais uniformes! O folclorista Paixão Côrtes, cujas pesquisas embasam os regulamentos do MTG, tem toda a razão quando classifica tal incoerência cultural regionalista-tradicional de uma grande mesmice! Resta indagarmos: o que o ENART nos proporcionará nos próximos anos? Uma cidade cenográfica? Quais temas serão abordados nas encenações dessas Entradas e Saídas? Nestas o foco do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro, notadamente, há muito que fora deixado de lado, parecendo mais enredos das escolas de samba do Rio de Janeiro. As temáticas abordadas em tais espetáculos já não se referem aos antigos usos e costumes tradicionais dos campeiros sul-rio-grandenses, às lendas de nosso Estado e muito menos à História do Rio Grande do Sul, repleta de heróicos personagens e de um passado igualmente glorioso. Afinal, as Entradas e Saídas das Danças Folclóricas do RS deveriam valer pontos? O que deveria realmente importar nesses eventos culturais do MTG/RS: as Danças do Folclore antigo do Rio Grande ou as loucuras, os devaneios de alguns coreógrafos sem qualquer fundo regionalista-tradicional sul-rio-grandense? Será que pode haver coerência cultural-regionalista e o comprometimento com a antiga Tradição e o Folclore Gauchesco do Rio Grande do Sul se muitos desses coreógrafos contratados do eixo Rio-São Paulo, para a produção de tais Entradas e Saídas, não conhecem nada de Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro organizado nem da nossa campeira Tradição Gaúcha Sul-rio-grandense? Dúvidas não há de que os temas a serem usados antes e depois das apresentações das Invernadas Artísticas de Danças Folclóricas Sul-rio-grandenses deveriam ser, necessariamente, de cunho gaúcho tradicionalista. E não é demais relembrar ao MTG/RS que nem todos os nascidos no Estado do Rio Grande do Sul podem ser considerados gaúchos. Então, por que muitos dos temas utilizados no ENARTum evento do Movimento Tradicionalista Gaúcho do Rio Grande do Sul com a finalidade de preservar, valorizar e divulgar as artes populares e os usos e costumes tradicionais do Estado Garrão-sul do Brasil - falam de personagens que nada têm a ver com a nossa cultura regionalista gaúcha tradicional? Se os organizadores, os responsáveis e os avaliadores tradicionalistas do ENART não tomarem uma atitude, brevemente veremos encenadas nesse Festival do MTG do Rio Grande do Sul, como temas de suas Entradas e Saídas, peças de Giuseppe Verdi e William Shakespeare. É chegada a hora de retornarmos às nossas origens, voltarmos os olhos para o campo e retratarmos a tradicional forma de vida de nossos antepassados sulistas, Patrimônio Cultural Regionalista-tradicional herdado por todo o Povo Brasileiro. Afinal, essa é a principal finalidade dos Encontros de Artes e Tradição Gaúcha do Rio Grande do Sul e do próprio sistema Movimento Tradicionalista Gaúcho Brasileiro organizado! (do colaborador e Mangrulho do ONTGB no Sul do Brasil, Ademir Canabarro - um Missioneiro!) 

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
04/08/2009 21:23:13 alan - uruguaiana / RS - Brasil
Parabéns pelo comentário! E resumindo tudo, esses integrantes dessas Invernadas são os verdadeiros "gauchões de apartamento"!
Sítio: *****
30/09/2008 14:34:57 José Itajáu Oleques Teixeira - Guará / DF - Brasil
Prezado Rogério. O sítio Bombacha Larga agradece a tua honrosa visita e o comentário postado neste espaço cultural tradicionalista gaúcho. E com o fim de melhor esclarecer o posicionamento do colaborador Canabarro a respeito do tema abordado na matéria acima publicada, respondemos-te: 1) a crítica construtiva é extremamente necessária e própria do exercício da cidadania plena em um regime democrático; é por ela que o cidadão tradicionalista, detentor dessa rica Cultura Regionalista-tradicional Sul-rio-grandense, deve cobrar daqueles que têm a responsabilidade, o dever e a obrigação de bem tratar os temas relacionados às antigas Tradições dos Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul e que, por falta de conhecimento, de motivos econômico-financeiros, eleitoreiros ou outros de índole meramente pessoais e comerciais, não o fazem; 2) se há um grande número de Invernadas Artísticas concorrentes – e agora, ao que tudo indica, por outros motivos que não o cultural-tradicionalista, com a implantação da “Segunda Divisão do Enart” no evento, conforme a lamentável decisão do MTG/RS –, este fato não pode jamais justificar as incoerências regionalista-tradicionais sul-rio-grandenses e as impropriedades tradicionalistas gaúchas brasileiras praticadas desde muito tempo; após a profissionalização de certos patrocinados Grupos e seus contratos com coreógrafos do carnaval carioca, p. ex., o que se tem visto são apresentações de danças sem a pilcha e a música tradicional do RS, e com os artifícios copiados das culturas nordestina, "country-paulista" e outras, com indumentárias patrocinadas pelos mercados patrocinadores que visam mudar, alterar, "integrar", modificar o Regionalismo Gaúcho Sul-rio-grandense com um fim meramente comercial, corrompendo a centenária Tradição Regional que é Patrimônio Cultural do Estado Sulino, dos Sul-rio-grandenses, do Brasil e de todo o Povo Brasileiro; 3) não acreditamos que Ademir Canabarro esteja visando algum cargo tradicionalista; e consideramos que o nosso colaborador presta um serviço muito maior ao Movimento Tradicionalista Gaúcho Brasileiro apontando esses e outros erros crassos ocorridos no âmbito de seus órgãos e entidades filiadas; cremos que Canabarro não deva se sujeitar ao exercício de cargos eventualmente já corrompidos pelo poder econômico-financeiro dos mercados, que deles se apropriam para explorar o Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro e deturpar a antiga Tradição dos Gaúchos Brasileiros; que ele, Canabarro, não esteja interessado em comungar com aqueles que começam, pela força do dinheiro, patrocinando Eventos “Tradicionalistas”, Invernadas Artísticas, e depois se apropriam dos Órgãos Culturais sem fins lucrativos para fomentar seus negócios escusos, suas invencionices comercias, seus produtos alienígenas, sua exploração político-partidária, todas essas e as outras práticas criminosas que configuram a Corrupção Cultural Gauchesca, infelizmente há muito presenciada em determinadas atividades do MTG Brasileiro organizado; 4) como Canabarro, igualmente não acreditamos que sejam Tradicionalistas Gaúchos, em que pese o uso obrigatório de um Cartão batizado de "Tradicionalista", alguns desses participantes dos Encontros de Arte e Tradição Gaúcha do Rio Grande do Sul. Ou vestir uma pilcha apenas para as apresentações, em defesa unicamente dos interesses de seus patrocinadores, e não dos interesses da Filosofia Tradicionalista e dos atos de culto, defesa, zelo, preservação, retransmissão e correta divulgação, para o mundo, da antiga, regional e campeira Tradição Gaúcha Sul-rio-grandense, retirando-a em seguida para voltar à bermuda, ao tênis, ao boné, à camiseta com temas estranhos, à “rastra” platina, às boinas coloridas desbeiçadas, às indumentárias de cores pretas, vermelhas e outras fortes; às calças de alças no cós para as cintas texanas e com bolsos traseiros; ao chapéu branco chaparral da Moda “Country-texa-sertaneja”, perante o curso de todo um Evento que se diz “Tradicionalista Gaúcho Brasileiro”, seria, por acaso, uma atitude condizente com a de um autêntico Tradicionalista Gaúcho Brasileiro? 5) entendemos, ainda, que todos aqueles que têm a Cultura Regionalista-tradicional Sul-rio-grandense como um Patrimônio Cultural herdado, por Tradição, dos antepassados gaúchos campeiros do Pampa Sul-brasileiro, devem, como todo o Tradicionalista Gaúcho digno dessa riqueza sociológica-tradicional, continuar falando, sim, pois este é um Direito Humano garantido a todos os povos na defesa de seus bens culturais próprios; e aos que se dizem “Tradicionalistas Gaúchos” é que cabe o dever institucional-estatutário e a obrigação moral de bem cumprir os objetivos e os fins culturais do MTG Brasileiro, cultuando, zelando, defendendo, preservando, retransmitindo e adequadamente divulgando, para o Rio Grande, o Brasil e todo o mundo, não as incoerências regionalistas gaúchas sul-rio-grandenses nem as impropriedades tradicionalistas gaúchas brasileiras verificadas nos últimos Enarts, mas a Arte Regionalista referente aos antigos - e por isso tradicionais - usos e costumes dos antepassados Gaúchos Pampeanos, campeiros, do Estado do Rio Grande do Sul, com a imensa responsabilidade que pesa sobre os ombros de todos aqueles que se propuseram, sem outros fins que não os culturais regionalista-tradicionais sul-rio-grandenses e tradicionalistas gaúchos brasileiros, a dignificarem as autênticas, as antigas, as campeiras Tradições dos Gaúchos do Sul do Brasil! Saudações Tradicionalistas e um quebracostelas cinchado a esse prezado Vivente colaborador!
Sítio: http://www.bombachalarga.com.br
18/09/2008 11:04:49 Rogério - Erechim / RS - Brasil
coisa mais ridícula que já li... pessoas com a intenção de criticar constumam generalizar os acontecimentos, com a visível idéia de denegrir a imagem do evento. Se você realmente assistiu ao Enart, verá que muitas das entradas e saídas tinham personagens históricos, e se acompanha a história dos festivais, verá que inclusive Paixão Cortes e Barbosa Lessa foram homenageados. Agora, se você acha conveniente que todos os anos os grupos repitam as homenagens, parabéns, você estará se limitando à mesmice por ti mesmo criticada. Irônico não? Para tu ter uma idéia, participam anualmente do Festival mais de 200 entidades. Logo, achar 200 temas por ano, sem repetições, apenas com os temas por ti sugeridos, ficaria um pouco difícil... Mas se você acha que poderia fazer mais pelo tradicionalismo, se candidate à uma vaga na presidência do MTG. Se você for realmente capaz, com certeza terá exito. Caso contrário, continue falando.... abraços
Sítio: *****
26/06/2008 11:13:48 Julio - Mostardas / RS - Brasil
Parabéns, Ademir Canabarro, pelo comentário. E cabe lembrar que a culpa fica também por conta de Patrões de CTGs, por permitirem que suas Invernadas de Danças usem suas indumentárias somente nas apresentações, como é de costume em alguns ditos "Centros de Tradições Gaúchas"!
Sítio: *****
25/06/2008 22:57:00 Marlon - Santa Maria / RS - Brasil
Lamentável a posição do MTG... Acessem http://www.mtg.org.br/indumentaria_loja.html e vejam!!! (bombacha feminina e o tipo de lenço!). Quem deveria, acima de tudo, preservar as tradições gaúchas se rende às questões de mercado... Parabéns ao BOMBACHA LARGA, por realmente valorizar as nossas tradições! OBS: Vejam a artigo "A PILCHA TRADICIONAL DOS GAÚCHOS BRASILEIROS", em http://www.bombachalarga.org/ver_educacao.php?id=7... Isso, sim, é digno de respeito! Parabéns!
Sítio: *****
Listados 5 Comentários!
Untitled Document