Usuário:
 
  Senha:
 
 

Paulo José Dorneles Pires - 1a Califórnia
da Canção Nativa do Rio Grande do Sul
:
Rio Grande Nativo, de
Paulo José Dorneles Pires

 

28/09/2005 14:47:05
A ORIGEM DA CONFUSÃO NO USO DA PILCHA GAÚCHA DO RIO GRANDE!
 
Há de haver a responsabilidade do MTG Brasileiro para com
a correta divulgação das autênticas, das antigas
Tradições Regionais dos Antepassados Gaúchos Campeiros do Pampa do RS!
............................................................................

A ORIGEM DA CONFUSÃO NO USO DA PILCHA GAÚCHA ESTÁ NAS PRÓPRIAS DIRETRIZES DO MTG/RS – continuação...  O Movimento Tradicionalista Gaúcho Brasileiro, suas Entidades Tradicionalistas filiadas e seus integrantes têm o dever de respeitar a autenticidade do antigo Patrimônio Sociológico-tradicional do Estado e do Povo Gaúcho do Rio Grande do Sul, oriundo do Núcleo da Formação Gaúcha Sul-rio-grandense: o Pampa Sul-brasileiro. Portanto, regular sim; deturpar, desvirtuar, integrar, importar, modernizar, mudar tradições, não! São críticas, naturalmente, construtivas. No que se refere ao Desfile Farroupilha, momento importante para a amostra correta da Cultura Regionalista-tradicional dos Gaúchos Sul-brasileiros, nota-se que o que falta, além de uma adequada informação nos regulamentos tradicionalistas e a sua necessária divulgação, é uma preocupação efetiva dos organizadores com aquilo que constitui o mínimo de um Movimento que se intitula Tradicionalista Gaúcho Brasileiro organizado: a correta representação das autênticas, das genuínas, das antigas Tradições Regionais do Rio Grande do Sul. Prosseguindo na análise das Diretrizes do MTG-RS para o uso das pilchas e indumentárias campeiras, agora no tocante à pilcha das prendas gaúchas, salientamos, mais uma vez, que falta uma informação mais contundente nas observações finais do referido regulamento, no sentido de orientar principalmente aos incipientes no meio tradicionalista, que aquelas previsões regulamentares referem-se à pilcha e à indumentária para as provas campeiras de rodeios, e não para os eventos tradicionalistas em geral e os desfiles oficiais e tradicionalistas do Estado. Pelo que se pode perceber, a responsabilidade daqueles que têm o dever de fiscalizar e orientar o uso correto da Indumentária Tradicional dos Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul, junto aos integrantes das Entidades filiadas ao MTGnos Desfiles Farroupilhas, na maioria das cidades sul-rio-grandenses essas obrigações foram pautadas pela leniência decorrente dos sempre presentes interesses político-partidários de uns e econômico-financeiros e comerciais de outros. É fato que há muito no Rio Grande do Sul as mulheres sul-rio-grandenses têm ido para os Desfiles da Semana Farroupilha e do Dia do Gaúcho Brasileiro vestidas apenas como cavaleiras prontas para a realização de uma prova campeira, mas não como as verdadeiras Prendas Gaúchas da Antiga Tradição do Rio Grande, como autênticas representantes das antepassadas mulheres pampeanas do séc. XIX na época do início da Era da Bombacha. Portam essas cavaleiras sul-rio-grandenses um traje eminentemente comercial e estrategicamente chamado de alternativo, mas que não é tradicional por não ter sido retransmitido de mães para filhas, pelas gerações e por todo o Povo Gaúcho Interiorano do Pampa Sul-rio-grandense; e outro que é essencialmente masculino e próprio do peão gaúcho campeiro, pelo uso de uma calça justa, erroneamente chamada de bombacha, peça esta que integra tão-somente a Pilcha Gaúcha Masculina Oficial e de Honra do Rio Grande do Sul, prevista na Lei Estadual Nr. 8.813, de 10.01.89. Portanto, o MTG, suas Entidades Culturais filiadas e suas mulheres não tradicionalistas, ao atenderem aos interesses dos mercados, usando as grifes, as importações e os seus modismos impostos, estão desrespeitando a legislação sul-rio-grandense, a verdadeira Tradição herdada das antigas mulheres pampeanas do Rio Grande do Sul, estas com os seus longos e femininos vestidos de Prendas Gaúchas Brasileiras, e, também, a Filosofia da Carta de Princípios, os Regulamentos e os Fins Culturais Preservacionistas do próprio Movimento Tradicionalista Gaúcho Brasileiro organizado. A largura da bombacha, por exemplo, prevista nas referidas Diretrizes Tradicionalistas do MTG/RS, é solenemente desrespeitada dentro do próprio Tradicionalismo "organizado". E seus regulamentos continuam na linha das incoerências regionalista-tradicionais sul-rio-grandenses e das impropriedades tradicionalistas gaúchas brasileirasO resultado, com esse incentivo do próprio MTG ao desuso da típica vestimenta tradicional, antiga, da mulher gaúcha interiorana do Pampa Sul-rio-grandense, o Vestido de Prenda, não poderia ser outro: a deturpação da Pilcha Tradicional das Gaúchas Pampeanas do Rio Grande do Sul, com o desaparecimento da feminilidade, da graça e da beleza da mulher sul-rio-grandense, nos Desfiles Oficiais da Semana Farroupilha e nos diversos Eventos Sociais Tradicionalistas do MTG do Brasil. As imagens ganham o mundo e, infelizmente, levam consigo uma informação distorcida daquilo que é tradicional, e por consequência antigo, na cultura local dos gaúchos sul-brasileiros. Se há a preocupação do governo do Rio Grande do Sul, por meio da sua Secretaria do Turismo, em buscar a ampliação do número de populares na assistência dos festejos da Semana Farroupilha em todo o Estado, há de haver a responsabilidade estatal com a autenticidade da Cultura Regionalista-tradicional  Sul-rio-grandense. Quanto ao MTG-RSseus dirigentes devem estar lembrados, nos seus tradicionalistas eventos, de que quantidade não representa qualidade, a não ser para os seus indevidamente conveniados mercados. Seria melhor para a preservação da antiga Tradição dos Gaúchos do Rio Grande do Sul um Piquete bem pilchado, com cavalos, aperos e pilchas de acordo com os antigos usos e costumes tradicionais dos Gaúchos Campeiros do Pampa Sul-brasileiro, do que centenas ou milhares de meros cavaleiros sul-rio-grandenses ou comerciais crioulistas atentando contra aquilo que deveriam estar elevando, divulgando, dignificando, honrando: a autenticidade da antiga Tradição dos Sentinelas das Coxilhas do Rio Grande do Sul. Quanto aos acertos das citadas Diretrizes, estes não são mais do que deveres de um órgão que expressa a referência máxima do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro no Estado do RS. A obrigação institucional-estatutária do Tradicionalismo de observar, cumprir e fazer cumprir a Filosofia Tradicionalista de sua Carta de Princípios remete-se a todos: Órgãos, Entidades Tradicionalistas filiadas, dirigentes e todos os que integram o MTG Brasileiro. A elas, por força regulamentar e dever moral, sujeitam-se todos, tradicionalistas ou não, ficando as suas preferências pessoais, modistas, exibicionistas, submetidas ao interesse público de uma antiga Tradição Regional, originada não dos modos de vida dos citadinos de ontem e de hoje, mas do antigo, e por isso mesmo tradicional, Jeito Gaúcho de Viver dos Antepassados Campeiros do Pampa Sul-rio-grandensedos interioranosdos moradores lá de fora. E esses residentes da campanha do Rio Grande do Sul usavam bombachas, não calças justas com alças no cós e bolsos traseiros; usavam chapéus escuros, de abas largas, copa baixa e tapeados na testanão os claros, chaparral, copa alta, de aba frontal caída, texanos; nem as boinas coloridas importadas, desbeiçadas, ou os bonés importados pelos crioulistas comerciantes de cavalos; usavam guaiacasnão as cintas urbanas, as rastras platinas ou as guaiacas porchetão freio de ouro do mercado Mercosur, nem os cintos lisos, sem bolsas, não tradicionais; usavam as camisas sóbrias, como cores claras, amenas, neutras, comedidasnão as pretas e as de tons fortes, constrastantes, vivas, berrantes; usavam os lenços regionalistas, históricos e realmente tradicionais do Rio Grandenão os comerciais das grifes, estampados, pretos, escondidos, virados no estilo caubói, folclóricos, exagerados, triangulares, por fora da gola da camisa, à meia-espalda; usavam os coletes sociais nas cores das bombachas, não os importados texanos usados até para as lidas campeiras (!?!); usavam as rédeas de couronão as cordas do mercado texa-sertanejo; usavam os lombilhos, bastos e serigotesnão as selas importadas dos mercados sem fronteirasusavam pelegos grandesnão os curtos ou os arreios pelados; usavam a cincha normal, de passeionão a colocada no sovaco do cavalo, modo importado dos texanos; usavam a bota russilhona, que protege a perna do cavaleironão a meia-bota dos modismos importados, impostos como se fossem da antiga Tradição Gaúcha do Rio Grande do Sul. Assim, preservar a autenticiade dos antigos, campeiros e tradicionais usos e costumes dos Antepassados Gaúchos do Pampa Sul-rio-grandense é um dever do MTG Brasileiro, das suas Entidades e dos seus Tradicionalistas filiados. Por isso, toda a ação contrária aos reais Fins Culturais do MTG é de restar anulada, pois no Tradicionalismo é a Antiga Tradição Regional de um Rio Grande do Sul Nativo que deve ser sempre conservada, por se constituir essa Herança Cultural em um Bem Público pertencente ao Estado Sulino, aos Sul-rio-grandenses, ao Brasil e a todo o Povo Brasileiro! 

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
28/09/2010 13:47:45 José Itajaú Oleques Teixeira - Brasília / DF - Brasil
Prezada Odenilde. O sítio Bombacha Larga agradece a tua honrosa visita e comunicação postada neste espaço cultural tradicionalista gaúcho. Em resposta, informamos-te que dificilmente encontrarás a verdadeira bombacha feminina gaúcha sul-rio-grandense, criada para as provas campeiras das prendas tradicionalistas que integram o MTG Brasileiro. Conforme as orientações culturais constantes das Diretrizes para o uso da Pilcha Gaúcha Feminina Campeira do MTG/RS, as BOMBACHAS FEMININAS poderão conter favos ou não, devendo apresentar-se sem bordados e sem pregas costuradas, no estilo feminino, ou seja, com aberturas laterais; e a largura na altura da perna deverá ter aproximadamente a mesma largura da cintura. Portanto, o que encontrarás no mercado não será a autêntica Bombacha Feminina, mas uma calça justa, com pregas, em nada digna de ser chamada de "bombacha". Assim, sugerimos-te que faças contado com alguém do ramo da costura e mostre-lhe uma bombacha masculina e as orientações do Tradicionalismo para a bombacha feminina, que certamente a verdadeira Bombacha Feminina da Prenda Gaúcha Tradicionalista poderá ser confeccionada. Lembramos-te, por oportuno, que o uso da bombacha feminina limita-se às provas campeiras e às cavalgadas rurais, uma vez que a indumentária tradicional da mulher gaúcha do interior do Rio Grande do Sul sempre foi aquele traje realmente feminino, isto é, o vestido retransmitido de mãe para filha, até os dias atuais, desde a formação da atual Pilcha Gaúcha do RS, iniciada com a Era da Bombacha (peça essencialmente masculina), em 1870. Com as Saudações Tradicionalistas segue o nosso fraterno e cinchado quebra-costelas a essa prezada Vivente!
Sítio: http://www.bombachalarga.org
28/09/2010 08:45:44 odenilde rocha - goiania / GO - Brasil
Gostaria de comprar bombachas largas e femininas.
Sítio: *****
09/03/2009 07:04:17 Edna regina Pereira Chilante - Lages / SC - Brasil
Acho que o MTG e os CTGs até se esforçam para que o uso da indumentária seja preservado. Mas, na verdade, no dia a dia, principalmente no espaço urbano, é raro encontrar-se um gaúcho pilchado, o que é mais comum nos dias em que acontece alguma festividade. Mas concordo com a luta pela preservação das tradições e um maior conhecimento da verdadeira tradição gaúcha, entre os que participam de um CTG e as pessoas em geral.
Sítio: *****
01/05/2008 18:13:22 dener ribas - bage / RS - Brasil
Acho que o pessoal só é gaúcho no fim de semana e em festa crioula, vestindo qualquer coisa que acha que tá na moda; não sendo essa a atitude correta de um gaúcho. Acho que os órgãos competentes deveriam tomar alguma atitude a respeito disso, antes que se torne uma bagunça a nossa festa, que sempre foi respeitada, começando pelas pilchas e terminando nas músicas. OBRIGADO!
Sítio: *****
17/03/2007 22:09:54 eris saldivar - curitiba / PR - Brasil
parabens a ( Inema) que defende a tradicao da bombacha,nao quero sabe muito.... se veio dos HARABES depois p/ a ESPANA , EL iportante es que yo la uso tambien porque me gusta !!!!! creo yo que es my papa que me crio asi no mas , so gaiteiro por demais um abraco a todos mas bha !!!!!!fiquei con gana de desfilar con ustedes!!! ai vai meu endereco= eriscastellano@pop.com.br
Sítio: http://herdeiros da tradicao
Listados 5 Comentários!
Untitled Document