Usuário:
 
  Senha:
 
 

Leopoldo Rassier e os Tiarajus - XII CALIFÓRNIA:
Não podemo se entregá pros home,de F.Zanatta,F.Alves,Scherer

 

18/10/2005 19:36:12
MRTG - MOVIMENTO DE REAÇÃO DOS TRADICIONALISTAS GAÚCHOS!
 
Desfile Farroupilha 2005: camisas sóbrias, claras ou neutras,
preferencialmente branca, evitando-se cores agressivas e contrastantes?
............................................................................

A luta sempre foi uma marca dos Gaúchos Brasileiros. E hoje não deve - ou não deveria - ser diferente. Na sociedade hodierna, movida pela lógica do consumo e do lucro, sabemos que cada vez mais os patrocinadores tendem a se apropriar de tudo aquilo que se propõem a custear. Na Cultura Regionalista-tradicional Gaúcha do Rio Grande do Sul, como na cultura do Brasil e do mundo, esse é um fato recorrente. Nesse sistema capitalista selvagem em que vivemos, cultura só serve como muleta para o lucro e para o voto. Por consequência, os mercados musical sem fronteirascountry-texa-sertanejo, crioulista-mercosurista, tchesista-urbano e comercial-nativista, utilizando-se dos seus poderes econômicos, passam a pialar a cultura patrocinada, dominando-a, domando-a e direcionando-a para os seus vorazes interesses: o lucro a qualquer preço! O resultado no campo da Cultura Gauchesca Sul-rio-grandense, por todos já é bem conhecido. Há muito que assistimos, estarrecidos, aos inúmeros despropósitos, todos eles comprometidos com interesses de toda a ordem, aumentando, assim, a distância entre o povo sul-brasileiro e a sua verdadeira cultura regional, para o aproximar, cada vez mais, daquela imposta pelos interesses mercadistas. Sai de cena, no Órgão Cultural responsável pela preservação do Regionalismo Gaúcho do Rio Grande do Sulo tradicional tirador do gaúcho sul-rio-grandense, para entrar a chaparreira dos texanosa guaiaca cede ao cinto liso, à cinta urbana, à guaiaca porchetão freio de ouro e à rastra platina; a bombacha - cujo nome sempre foi e é, em qualquer dicionário, sinônimo de calça larga - transforma-se em uma calça justa; e os tradicionais, históricos e lendários lenços de pescoço gaúchos sul-rio-grandenses são enterrados pelos lencitos floriados e pretos das grifes comerciais sem fronteiras, com seus nós substituídos por anéis e seu uso corrompido pelos estilos folclóricos não tradicionais e texanos, virados. No entanto, essa apropriação indevidapela força do poder econômico, legitíma-se somente para os entes patrocinados, mas não para os reais detentores da antiga Tradição Gaúcha Sul-rio-grandense: o Estado do RS, os Sul-rio-grandenses, o Brasil e todo o Povo Brasileiro. Se hoje grupos políticos e econômicos fazem frente, inclusive, a governos poderosos, o que dizer, então, diante de certas instituições culturais e de seus aéticos quadros, mediante os fortes argumentos econômico-financeiros, comerciais e eleitoreiros. Dessa forma, se o que gira o mundo hoje são as ações dos mercados, a Cultura Regionalista-tradicional Gaúcha Brasileira há muito que tem sido pialada nesse rodeio de interesses. De sobre-lombo aqui, de cucharra lá; em todos os lugares tem levado tombos, e feios! Há alguns anos, conversando sobre Tradicionalismo com o então Deputado Federal Jarbas Lima, na sala da CCJ da Câmara dos Deputados, em Brasília-DF, ouvimos o seu posicionamento pessoal a respeito da Tradição Gaúcha Sul-rio-grandense. Entretanto, com todo o respeito que lhe é devido, continuamos a discordar do referido tradicionalista gaúcho brasileiro. Dizia Jarbas Lima que a Tradição dos Gaúchos Campeiros do Rio Grande do Sul é tão forte que estaria imune às influências externas. Naquela época, ao contrário do pensamento daquele eminente parlamentar gaúcho, já entendíamos que, conforme o conhecido ditado água mole em pedra dura tanto bate até que fura, devemos estar sempre cuidando do que é nosso, sob pena de pagarmos um preço alto pelo descuido. E o que se percebe, hoje? A cada ano que passa o Tradicionalismo agoniza um pouco mais; as antigas Tradições Regionais do bravo Povo Gaúcho Sul-rio-grandense são mais e mais vilipendiadas, a tal ponto de tradicionalistas desligarem-se dos CTGs por sentirem-se verdadeiros estranhos nesse ambiente hoje essencialmente comercial, e não mais cultural nem preservacionista da antiga Tradição Gaúcha do RS. Entidades Tradicionalistas essas cujos objetivos de criação, a princípio, pautaram-se nos fins culturais de culto, zelo, defesa, preservação, retransmissão e correta divulgação das antigas, regionais, autênticas Tradições dos Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul. E o que se vê, no entanto, nessas entidades Santuários da Tradição do Rio Grande? Deturpações tais como maxixe, tchê music, música sertaneja e outras não pertencentes à antiga Tradição do Rio Grande do Sul; indumentárias platinas, countries, importadas; peões dançando com chapéus texanos e boinas coloridas importadas à cabeça, e rebolando com mãos à cintura (!?!)ritmos inventados, modificados, sons estridentes e batucada com cantores gemendo, despilchados, nem gaúchos nem tradicionalistas gaúchos, tudo para atender aos citados interesses pessoais e comerciais dos mercados. Esses atos, na verdade, são criminosos atentados cometidos contra a Cultura Regionalista-tradicional dos Gaúchos Brasileiros, praticados no interior de falsos Centros de Tradições Gaúchas e com a complacência de certos Tradicionali$ta$ de Oca$ião e de determinadas e pretensas Entidade$ Tradicionali$ta$ do MTG Brasileiro organizado. Afora os Rodeios com vacas mecânicas ou puxadas por motos, ginetes despilchados ou extremamente mal pilchados, com calças justas e sem a Pilcha Gaúcha Tradicional, Oficial e de Honra do Rio Grande do Sul, em modalidades que são meramente comerciais, importadas, mas não da antiga Tradição dos Gaúchos Sul-rio-grandenses; e o modo importado de encilhar o cavalo. E, para completar a gama de desconchavos, nas comemorações dos 170 anos da Revolução Farroupilha e do Dia do Gaúcho Brasileiro - cujo tema foi justamente os usos e os costumes do gaúcho sul-rio-grandense -, o que se viu, de forma generalizada, foi a continuidade desses desrespeitos ao antigo Patrimônio Sociológico-tradicional do Estado e do Povo do Rio Grande do Sul. A beleza da prenda gaúcha dissimulada nos trajes masculinos, atendendo aos interesses dos mercados, que assim vendem em dobro cintas urbanas, rastras platinas, guaiacas freio de ouro, botinhas, lencitos floriados, virados, calças justas e chapéus chaparral; gaúchos desfilando sem a devida observância à autêntica, antiga e tradicional Pilcha Gaúcha Oficial do Rio Grande do Sul, prevista na lei estadual n. 8.813/89; alguns desrespeitando acintosamente a histórica simplicidade dessa tradicional indumentária e contrariando as Diretrizes Culturais do próprio Tradicionalismo a que pertencem e a referida legislação do Estado Sulino, desfilaram com camisas em cores berrantes, pretas, em flagrante contraste com o respectivo regulamento, fundamentado no Regionalismo Gaúcho Sul-brasileiroTransformaram-se, esses não cumpridores das normas culturais tradicionalistas e da Lei do RS, diante das suas vaidades pessoais, em exemplos negativos para a juventude tradicionalista gaúcha brasileira. Contribuiram, certamente, e de forma lamentável, para que outros incautos gaúchos brasileiros venham, espelhados nos seus maus exemplos, a desnaturar a centenária Tradição Regional Sul-rio-grandense. E, além de tudo isso, a população de Porto Alegre ainda foi convidada a usar um chapéu country, na Data Maior dos Gaúchos Brasileiros. Tal fato só podemos atribuir ao famigerado mercado representante dos montes de fenos, manifestando-se de forma nefasta na Cultura Regionalista-tradicional do Rio Grande do Sul por meio de seus artigos importados, como se isso não fosse um grave ato de Corrupção Cultural. Ou, quem sabe, uma forçada doação de um dos inúmeros patrocinadores do evento, pois não é de se imaginar que essa tenha sido uma gentil iniciativa dos senhores organizadores do referido e oficial Desfile Farroupilha do Estado do RS, por ser tal providência deveras despropositada. Mas como diz uma das inúmeras máximas do Marquês de Maricá, a dialética do interesse é quase sempre mais poderosa que a da razão e consciênciaE é até natural que nesse capitalismo selvagem o mercado atropele a cultura e continue a corromper consciências em nada gauchescas nem tradicionalistas gaúchas brasileiras. Contudo, para usar outra máxima do citado autor, os abusos, como os dentes, nunca se arrancam sem dores. Os Herdeiros do antigo Patrimônio Sociológico-tradicional dos Antepassados Gaúchos do Pampa do Rio Grande do Sul, dentre eles os verdadeiros Tradicionalistas Gaúchos Brasileiros,  estarão, em defesa de seus interesses culturais, montando a cavalo na razão que lhes assiste e indo à luta pelo resgate e pela preservação dessa sua riqueza cultural herdada, não de uma sociedade elitizada, urbana e corrompidamas dos verdadeiros gaúchos campeiros sul-rio-grandenses: os homens e as mulheres simples, com princípios morais e honestos do interior do Pampa do Rio Grande do Sul. Com a lança do ideário farrapo, todos trançarão o ferro pelas autênticas,  pelas antigas Tradições deixadas por seus bisavós, avós e pais: os gaúchos pampeanos sul-brasileiros. Pois à toda ação, ou omissão, há uma correspondente reação. A nossa já tem nome: MRTGB – Movimento de Reação dos Tradicionalistas Gaúchos Brasileiros. Voluntários Tradicionalistas! Alistem-se, pois lutar é a marca dos Campeiros do Brasil!

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
18/10/2008 04:04:13 Zulma T. de Bem - Novo Hamburgo / RS - Brasil
Concordo plenamente que há interesses lucrativos escusos por trás dessa aberração, em que está sendo transformada a nossa indumentária, a nossa música, os nossos costumes... Mas não podemos cruzar os braços e aceitar passivamente que destruam as nossas raízes! O que vamos deixar de herança para as novas gerações? Parabéns ao Sítio Bombacha Larga, por se manifestar em defesa da nossa tradição. É preciso que mais e mais vozes se ergam, em favor da autêntica tradição gaúcha. Como diz a música: "Não tá morto quem luta e quem peleia"!
Sítio: *****
02/02/2008 12:28:16 José Itajaú Oleques Teixeira - Guará / DF - Brasil
Além do "vermelhão" e do "azulão" das camisas, a contrariar as suas próprias Diretrizes para o Uso da Pilcha Gaúcha, o MTG/RS ainda leva para o Desfile do Dia 20 de Setembro os "tradicionais" fardos de fenos, do Texas... De tradicionalistas só têm o nome, diante dessas e outras tantas incoerências regionais que, irresponsavelmente, praticam contra a autêntica cultura da Terra Gaúcha Brasileira ... É uma barbaridade, chê!!!
Sítio: http://www.bombachalarga.com.br
04/10/2005 11:51:50 amanda snovarski morgenstern
Mas esse povo não tem vergonha! Com essa cultura, sempre vão dar um deslise. ADEUS PARA TODOS OS GAÚCHOS E GAÚCHAS DE TODAS AS QUERENCIAS!
Sítio: *****
04/10/2005 08:39:41 Paulo Romeu Braga
Há muito que é sabido que o poder econômico (restrito a 300) procura destruir as culturas locais, para implantar um governo mundial. E aí, tchê? Vamos revitalizar o movimento que começou em 1947, ou vamos se entregar "pros homi"?
Sítio: *****
Listados 4 Comentários!
Untitled Document