Usuário:
 
  Senha:
 
 

Baitaca:
Lida Campeira

 

07/07/2006 15:55:18
RODEIO CRIOULO TRADICIONALISTA É CULTO À TRADIÇÃO DO RS!
 
Rodeio Crioulo Gaúcho Tradicionalista: demonstração das lidas campeiras
da Tradição dos Antepassados Gaúchos Campeiros do Pampa do RSl
............................................................................

Cultuar, zelar, defender, preservar, retransmitir e adequadamente divulgar o autêntico Rodeio Crioulo Gaúcho Sul-Rio-grandense é, além de um ato de legalidade, uma exigência a ser cumprida por todos: Estado do RS, Movimento Tradicionalista Gaúcho e Cidadãos Brasileiros. Por serem eventos festivos, muitas vezes organizados indevidamente pelo poder público local e financiados com recursos públicos, do povo, os Rodeios Crioulos Gaúchos da Antiga Tradição do Rio Grande do Sul abrigam grande número de pessoas desvinculadas do MTG Brasileiro organizado, constituindo-se em um evento mais popular que verdadeiramente tradicionalista gaúcho. Inseridos em ecléticos acontecimentos, em meio a festas de música eletrônica e seus comércios de drogas ilícitas; ao funk, pagode, música sertaneja e provas de modalidades diversas e estranhas à Tradição Regional do Estado e do Povo Gaúcho do Rio Grande do Sul, esses eventos tradicionalistas são realizados junto a uma balbúrdia, uma miscelânea que pode dar voto e atender ao comércio de cavalos, máquinas, produtos musicais e suas grifes, suas modas urbanas, mas que na verdade corrompe o real sentido de um Rodeio Crioulo Tradicional do Rio Grande do Sul e o Fim Cultural dos Eventos do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro. Por consequência, muitos dos seus frequentadores dão margem à exploração comercial e aos excessos de toda a ordem. Em certos Rodeios privados, então, de natureza essencialmente mercadista e eleitoreira, organizados por associações tradicionalistas vinculadas aos poderes políticos locais e sem qualquer obrigação cultural, moral, tradicionalista, são copiadas inúmeras práticas do Rodeo Country e do regionalismo dos gauchos platinos. São os desfiles pirotécnicos de abertura e as orações à Nossa Senhora Aparecida; mesas da margura, dança do cepo, palhaços, futboi, vacas mecânicas puxadas por motos; esbarradas, paleteadas e outras provas comerciais importadas por crioulistas, do mercado Freio de Ouro; touradas e gineteadas em gado vacum e ovelhas, e as modalidades comerciais platinas basto aberto, garupa sureña e outras; indumentárias estranhas à Antiga Tradição Regional dos Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul, como as camisas em cores pretas e fortes, berrantes; as boinas coloridas importadas de outros lugares e não tradicionais do Estado Sulino; as calças justas com alças no cós, não pertencentes à Tradição dos Gaúchos Campeiros Sul-rio-grandenses; as rastras platinas e as cintas urbanas; os lenços pretos, estampados, escondidos, ausentes, folclóricos, triangulares, exagerados, por fora da gola da camisa, virados à moda texana; os chapéus claros, chaparral, countries, e outros de copa alta,  do Uruguai e da Argentina; as selas, a ausência de pelegos, os peleguitos, as cordas texanas, os arreamentos importados, e outros apetrechos da encilha incompatíveis com a antiga, regional e campeira Tradição Gaúcha Sul-brasileira; os ritmos musicais urbanos, que atendem aos interesses do mercado musical sem fronteiras mas não aos interesses culturais do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro; e outras inúmeras impropriedades tradicionalistas e incoerências culturais regionalista-tradicionais gaúchas sul-rio-grandenses. Já nos Rodeios Crioulos da Antiga Tradição do Rio Grande do Sul, próprios da Terra Gaúcha-Sul-brasileira e organizados pelas Entidades filiadas ao MTG Brasileiro, qualquer dessas práticas deve, ou deveria, ser considerada como um verdadeiro "assassinato cultural" praticado contra o antigo Patrimônio Sociológico-tradicional do Estado e do Povo Gaúcho do Rio Grande do Sul e a Filosofia de Atuação do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro; um gravíssimo atentado praticado contra a Carta de Princípios do MTG do Brasil. Além disso, os Tradicionalistas Gaúchos não devem - ou não deveriam - esquecer que tais eventos culturais regionalistas estão regulados pela Lei Estadual do RS Nr. 11.719, de 07 de janeiro de 2002. Por este instrumento normativo, o Rodeio Crioulo Gaúcho do Rio Grande do Sul foi instituído oficialmente como um dos componentes da Cultura Sul-Rio-grandense. Especifica a referida norma que só será entendido como Rodeio Crioulo Gaúcho o evento no qual se desenvolva a prática e a demonstração das atividades do gaúcho sul-rio-grandense e que esteja compatível com suas tradições e seu folclore regional. Assim, sob pena de fomentar a ilegalidade e o desrespeito à Filosofia do Tradicionalismo, os organizadores dos Rodeios Crioulos do MTG/RS deveriam evitar qualquer prática atentatória à autênticidade da Antiga Tradição dos Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul. Afinal, como integrantes do Tradicionalismo que são, todos devem - ou deveriam - observar, cumprir e fazer cumprir o respectivo Código de Ética Tradicionalista; devem - ou deveriam - todos estar cientes, ainda, de que seus deveres, previstos no artigo 4. do referido Código, são previsões regulamentares a serem efetivamente cumpridas e não apenas consideradas como meras letras mortas, a tal ponto de serem esquecidas, aviltadas, corrompidas, desrespeitadas. Cumprir e fazer cumprir os dispositivos culturais finalísticos do MTG Brasileiro não é somente uma providência essencial para a defesa, a preservação e a correta divulgação das autênticas, das antigas, Tradições dos Gaúchos Campeiros do Rio Grande do Sul, a ser implementada pelos integrantes do Tradicionalismo organizado. Esse é um dever moral, cultural, institucional-estatutário de todos, especialmente daqueles que frequentam o Tradicionalismo, para com os altos fins dessa Instituição Cultural Regionalista-tradicional Gaúcha Brasileira de preservação do Núcleo da Formação Gaúcha do Rio Grande do Sul, fundado na região do Pampa Sul-brasileiro, e da Filosofia do Tradicionalismo decorrente de sua Carta de Princípios. Assim, cultuar, zelar, defender, preservar, retransmitir e adequadamente divulgar, para o mundo, o autêntico Rodeio Crioulo Gaúcho Sul-Rio-grandense é, além de um ato de legalidade, uma exigência a ser cumprida, inclusive, pelos representantes públicos do Estado e do Povo do Rio Grande do Sul, diante de seus deveres constitucionais e legais;  e por todas as Entidades Tradicionalistas Gaúchas responsáveis pelo devido respeito ao antigo Patrimônio Sociológico-tradicional herdado dos antepassados gaúchos do Pampa do Rio Grande do Sul, um Bem Público pertencente ao Estado Sulino, aos Sul-rio-grandenses, ao Brasil e a todo o Povo Brasileiro!

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
NENHUM COMENTÁRIO ATÉ O PRESENTE MOMENTO!
Untitled Document