Usuário:
 
  Senha:
 
 

Conjunto Farroupilha:
Chimarrita

 

24/10/2005 14:49:22
UMA “MESMICE” E UMA INVERDADE HISTÓRICA!
 
Trajes alheios ao Pampa do RS, padronizados, repetitivos, não gauchescos,
e ações robotizadas: tudo isso é uma inverdade histórica,
uma fantasiosa mesmice!
............................................................................

Respeitar a autenticidade do verdadeiro Folclore Gauchesco e da antiga Tradição dos Antepassados Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul, valorizando o rico Patrimônio Sociológico-tradicional do Estado Sulino e dos Gaúchos do Sul do Brasil, é uma das atribuições institucionais do Movimento Tradicionalista Gaúcho Brasileiro. Isso deve - ou deveria - aplicar-se à modalidade Danças Folclóricas Gaúchas Sul-rio-grandenses, uma das mais importantes do Encontro de Artes e Tradição Gaúcha - ENART promovido pelo MTG/RS. Anualmente, um número considerável de jovens tem participação nas seletivas regionais. Todos ensaiam e esforçam-se muito, com garra e determinação, objetivando chegar à grande final do referido Encontro Cultural Tradicionalista. E apesar de toda a expectativa em torno do referido festival, os milhares de participantes da modalidade Danças Foclóricas Gaúchas Sul-rio-grandenses encontram-se, a cada ano, em meio às críticas referentes à linha adotada pelo MTGEsta não estaria correspondendo à verdadeira manifestação cultural regionalista-tradicional dos antigos gaúchos do Pampa do Rio Grande do Sul. E quem encabeça esse inconformismo é justamente aquele que iniciou, há mais de 50 anos, um intenso trabalho de pesquisa ao lado de Barbosa Lessa, resgatando as Danças Folclóricas dos Gaúchos Sul-brasileiros no interior do Estado do Rio Grande do Sul: o folclorista João Carlos D’Ávila Paixão Côrtes. Na sua obra Patrimônio da Cultura Popular do Rio Grande: 70 Danças e a Mesmice, ele bem assevera que a uniformização imposta no uso de trajes folclóricos seriados não corresponde à real manifestação do antepassado Povo Gaúcho do Rio Grande do Sul. E dançar, diz Paixão Côrtes, é uma arte, não uma ordem unida, uma ação robotizada. Essa uniformização dos trajes e essa uniformidade de movimentos é uma inverdade histórica, uma mesmice inexata, fantasiosaE essa despersonificação da roupa do indivíduo fere a História e a liberdade democrática, tão respeitadas no Pago Sulino. E aonde fica a personalidade dos antigos gaúchos sul-rio-grandenses, comparada à figura mítica do Centauro das Coxilhas do Rio Grande do Sul? Como Paixão Côrtes, entendemos que uma Invernada Artística de Danças Folclóricas Gaúchas Sul-rio-grandenses deve conservar, com maior autenticidade e respeito histórico, os elementos culturais daqueles que contribuíram para a formação das figuras típicas da vida gaúcha sul-rio-grandense. Consideramos, também, essas coreografias repetitivas um equívoco de interpretação, pois se estamos cultivando, cultuando, preservando, zelando e divulgando as nossas antigas Danças do Folclore verdadeiramente Gaúcho do Estado Sulino, como representá-las dissociadas da realidade histórico-regional? Seria, por acaso, dessa forma que os nossos antepassados se apresentavam nos Fandangos Gaúchos do interior do Rio Grande, com chapéus à cabeça (e agora claros, copa alta, chaparral!!!), esporas, adagas, e uniformizados com pilchas idênticas? Certamente que não! Com toda a razão, portanto, o precursor do Movimento Tradicionalista Gaúcho Brasileiro organizado no RS, João Carlos D’Ávila Paixão Côrtes. Até quando os jovens tradicionalistas gaúchos do Rio Grande, do Brasil e do mundo serão forçados a essa mesmice? Respeitar a individualidade da indumentária (e não confundir com as preferências pessoais de hoje e o indevido uso das cores pretas e dos coloridos fortes, instituídos pelos mercados sem qualquer fronteira cultural!) e a espontaneidade dos interioranos sul-rio-grandenses é respeitar a autenticidade do verdadeiro Folclore Gauchesco (o qual não abarca essas indumentárias que pertenciam aos agricultores da Serra!!!) e da antiga Tradição Regional dos Antepassados Gaúchos Campeiros do Pampa do Rio Grande do Sul; é valorizar o rico e antigo Patrimônio Sociológico-tradicional do Estado Sulino e dos Gaúchos Brasileiros!

............................................................................
 
 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
NENHUM COMENTÁRIO ATÉ O PRESENTE MOMENTO!
Untitled Document