Usuário:
 
  Senha:
 
 

Negro da Gaita:
De um amigo para um amigo

 

04/10/2007 09:01:42
RODEIO DE VACARIA E SEMANA CRIOULA DE BAGÉ!
............................................................................
Verifiques se o que vês, hoje, nos Rodeios Crioulos ou Festas Campeiras, está de acordo com o que é tradicional no jeito gaúcho de vestir, representado, com algumas falhas, nos regulamentos do Movimento Tradicionalista Gaúcho. Lembremos que Tradição Gaúcha é preservação do meio ambiente - tema deste ano do MTG/RS -, mas, principalmente, da autenticidade dos usos e costumes do Rio Grande do Sul e demais Estados Sulistas Brasileiros. Assim prevêem as Diretrizes para o Uso da Pilcha Gaúcha, do MTG/RS: DA PILCHA PARA ATIVIDADES ARTÍSTICAS E SOCIAIS - Bombacha - Largura: com ou sem favos, coincidindo a largura da perna com a largura da cintura - A largura das bombachas, na altura das pernas, deve ser tal que a caracterize como tal e não seja confundida com uma calça; Camisa - Padrão – liso ou riscado discreto - Cores – sóbrias, claras ou neutras, preferencialmente branca. Evitando cores agressivas e contrastantes - Vedado o uso de camisas de cetim e estampadas; Botas - É vedado o uso de botas brancas. As botas “garrão de potro” são utilizadas exclusivamente com traje de época. Normalmente o cano vai até o joelho; - Chapéu: de feltro ou pelo de lebre com abas a partir de 6 cm, com a copa de acordo com as características regionais - Obs. É vedado o uso de boinas e bonés; - Lenço: no caso do uso com algum tipo de nó, com a medida de 25 cm a partir deste. Com o uso do passador de lenço, com a medida de 30 cm a partir deste. Nas cores vermelho, branco, azul, verde, amarelo, ou carijó nas cores supra citadas. É possível, ainda, carijós em marrom ou cinza; - Faca: O uso da faca é opcional nas apresentações artísticas e vedado nas demais atividades sociais. DA PILCHA CAMPEIRA: Chapéu: de feltro ou pelo de lebre com abas a partir de 6 cm, com a copa de acordo com as características regionais. Obs. É vedado o uso de boinas e bonés; Barbicacho: de couro cru, sola ou crina, podendo ter algum enfeite de metal; Lenço: no caso do uso com algum tipo de nó, com a medida de 25 cm a partir deste. Com o uso do passador de lenço, com a medida de 30 cm a partir deste. Nas cores vermelho, branco, azul, verde, amarelo, ou carijó nas cores supra citadas. É possível, ainda, carijós em marrom ou cinza; Camisa: estilo social, com mangas longas ou curtas, com colarinho e botões na parte frontal, em cores sóbrias, de acordo com as determinações regionais. Sendo vedado o uso de camiseta e camisa gola pólo. Obs. A camisa deverá estar sempre por dentro das bombachas; Cinto (Guaiaca): tendo de uma a três guaiacas internas, ou não, com uma ou duas fivelas frontais. Ou de couro cru, com ou sem guaiacas, sempre com uma ou duas fivelas frontais. Ambos deverão ter no mínimo 7cm de largura; Tirador: de uso opcional, exceto para pealar. Quando usado, este substituirá o cinto quando tiver um reforço na parte superior (cintura) imitando um cinto, com ou sem guaiacas e que tenha no mínimo uma fivela de tamanho grande (5 a 7cm); Bombachas: com ou sem favos, coincidindo a largura da perna com a largura da cintura, ou seja, uma pessoa que use sua bombacha no tamanho 40, automaticamente deverá ter, aproximadamente, uma largura de cada perna de 40 cm. Obs. - A largura das bombachas, na altura das pernas, deve ser tal que a caracterize como tal e não seja confundida com uma calça. - As bombachas deverão estar sempre para dentro das botas; Botas: de couro, nas cores preta, marrom e amarela (baia); Faca: O uso da faca na cintura é obrigatório para as categorias dos peões, exceto na gineteada, vedado para piás e guris e facultativo para as demais categorias. Quando utilizada, a faca deverá ter no mínimo 15cm e no máximo 30cm de lâmina e ser adequada ao uso campeiro. CRÍTICAS: por que o MTG estimula o fim da tradicional guaiaca gaúcha ao autorizar o uso de cintos lisos? Por que autorizou ao laçador não usar o tirador, se a tradição do homem do campo sulista lhe permite pialar, também, de cima do cavalo. Montado; se os Rodeios são, também, para mostrar como se vestiam os campeiros nas lidas de campo, onde ora estavam a cavalo ora no chão, sem tirar o seu tirador. E por que não ensina, cobra, exige, de suas entidades filiadas e de seus próprios integrantes o uso correto da pilcha gaúcha, ao invés de fazer que não vê essas barbaridades que há muito acontecem no Tradicionalismo Gaúcho, como o uso de boinas da Cataluña, das rastras platinas, das bombachas enfiadas, dos lenços curtos, pretos e estampados; do desrespeito total aos seus próprios regulamentos? Enfim, ensina-se, primeiro, pelo exemplo. O exemplo vem de cima. Ou acertam as coisas, agora, ou nunca mais terão as condições morais, se é que ainda as têm, de cobrar coisa alguma de quem quer que seja. Influências de um mercado sabemos que há e sempre haverá, no seio de qualquer instituição. Cabe aos senhores e senhoras Tradicionalistas a honradez de bem cumprir os fins maiores do Movimento, dentre eles o de observar e fazer observar as orientações morais da Carta de Princípios e, portanto, de seus próprios Estatutos Sociais, primando, especialmente, pela preservação e correta divulgação da autêntica indumentária dos Gaúchos Campeiros do Brasil!
............................................................................
Untitled Document