Usuário:
 
  Senha:
 
 

Os Maragatos:
Bugio do ronco bonito, de Euclides Turra

 

28/01/2008 13:29:39
BOCHINCHO NA CAPITAL DE TODOS OS GAÚCHOS!
............................................................................
Conforme a matéria de Juliana Bublitz, publicada na edição do Jornal Zero Hoje de hoje, 28.01.2008, no final da tarde de ontem, nas proximidades da Usina do Gasômetro, em Porto Alegre-RS, um grupo formado por sete gaúchos a cavalo, oriundo de um Piquete da Zona Sul, passava pelo local quando um dos cavalos se parou sestroso e o xiru que o montava baixou-lhe o relho. Nesse momento alguns populares protestaram contra o ato violento, e saltaram em defesa do beiçudo, o que acabou gerando uma baita confusão. Naturalmente que pode ter havido excessos por parte do gaúcho. Em final de festa, às 19:30h do domingo, é provável que o índio já estivesse com a água acima do toso... E embora o gaúcho, pelo menos na doma crioula do Rio Grande, nunca tenha tratado o bagual, o cavalo xucro, com cenouras, torrão de açucar ou coisa que o valha, depois de manso o seu parceiro de lidas, o seu pingo, deve merecer o mesmo tratamento digno a que qualquer outro animal tem direito. Mas é certo, também, que se o gaúcho não mostrar ao velhaco quem manda, de repente pode-se ver os papéis invertidos, ou seja, o cavalo montado no campeiro, baixando-lhe o mango, de cima pra baixo, bem no meio das orelhas do vivente. O certo é que em determinados momentos o ginete tem que mostrar quem manda e quem deve obedecer, mas sempre utilizando-se do recomendável bom senso. E, ainda, atitudes exacerbadas na via pública só contribuem para denegrir a imagem do sul-rio-grandense e do gaúcho, já que a do Tradicionalista parece já estar no fundo do poço, diante dos tantos desrespeitos aos princípios morais e culturais do Povo Gaúcho Sul-brasileiro. O episódio é de ser lamentado por todos: sul-rio-grandenses, gaúchos e tradicionalistas, diante da sua negativa repercussão e dos prejuízos que o mesmo trouxe à imagem dos Gaúchos Campeiros do Rio Grande do Sul...
............................................................................
Untitled Document