Usuário:
 
  Senha:
 
 

Os Filhos do Rio Grande:
Cheiro do Rio Grande,
de Darci Lopes

 

13/04/2009 11:40:39
O RODEIO DO CTG ESTÂNCIA ALEGRE, DE SANTA CRUZ DO SUL!
............................................................................
Se perguntar não ofende, perguntamos: 1) o referido Centro de Tradições Gaúchas - estas oriundas da vivência dos Gaúchos Campeiros do Rio Grande do Sul - estaria realizando um Rodeio “Crioulo” da Tradição Sul-rio-grandense, conforme a Filosofia do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro de culto, preservação e adequada divulgação dos usos e costumes tradicionais dos Gaúchos do Rio Grande do Sul, ou apenas mais um evento político-comercial, diante das alardeadas premiações e da expectativa de um imenso público, nesse híbrido evento? 2) em sendo um Rodeio do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro – e, portanto, “crioulo” da Tradição dos Gaúchos do Rio Grande do Sul – os grupos musicais e artistas contratados para os “shows” estarão respeitando a Filosofia de Atuação e as Diretrizes do Tradicionalismo para o uso da Pilcha Gaúcha Sul-rio-grandense e a execução dos ritmos, compassos e conteúdos musicais compatíveis com os fins culturais tradicionalistas de “preservar o nosso patrimônio sociológico representado, principalmente, pelo linguajar, vestimenta, arte culinária, forma de lides e artes populares”, nos termos do item VI do art. 2º do Estatuto do MTG/RS? 3) por acaso o anunciado Baile do Rodeio será mais um dos Bailões Comerciais que atendem aos interesses eleitoreiros de uns e comerciais de outros, com a execução de músicas sertanejas, "tchê music" e outras que nada têm a ver com a verdadeira Tradição Gaúcha Sul-rio-grandense, ou será um Fandango Tradicionalista Gaúcho, a ser promovido no âmbito do Sistema MTG Brasileiro? 4) junto à “Hora da Ave-Maria”, dos “Desfiles de Cavaleiros” – práticas do “Rodeo Country-texas-barretano” – haverá, também, por acaso, as montarias em touros, bois, vacas, terneiros, ovelhas, ofensivas à Lei de Proteção Ambiental Brasileira? Haverá, também, as gineteadas platinas “basto aberto”, “garupa sureña” e outras não tradicionais do Rio Grande do Sul, não contidas nas Diretrizes Campeiras do MTG/RS e ofensivas à Lei Estadual do RS Nº 11.719, de 07 de Janeiro de 2002, de proteção dos animais e instituidora oficial do Rodeio Crioulo como um dos componentes da Cultura Popular Sul-rio-grandense? 5) poderia um Centro de Tradições Gaúchas, nesses Eventos Híbridos, cumprir os seus fins culturais tradicionalistas de “zelar pela pureza e fidelidade dos nossos costumes autênticos, combatendo todas as manifestações individuais ou coletivas que artificializem ou descaracterizem as nossas coisas tradicionais”, nos termos do item XX da Carta de Princípios do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro, ao qual a Entidade Tradicionalista se encontra filiada? 6) não seria, por acaso, esse desrespeito aos postulados iniciais do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro organizado uma forma de corrupção – cultural-regionalista, sociológica-tradicional, institucional-tradicionalista gaúcha? 7) eventos como esse estariam, por acaso, sendo financiados pelo Povo Sul-rio-grandense-brasileiro, com recursos públicos – municipais, estaduais ou nacionais - que poderiam, em vez de promoverem a eventual corrupção da sua Cultura Regionalista Gaúcha Tradicional, resultar em ações mais profícuas nos atos de culto, preservação, defesa e correta divulgação, para o mundo, das autênticas, verdadeiras Tradições dos Gaúchos Campeiros do Estado do Rio Grande do Sul?
............................................................................
Untitled Document