Usuário:
 
  Senha:
 
 

Xirú Missioneiro:
Campeiro Feliz

 

20/10/2007 20:27:31
A CANÇÃO DAS ÁGUAS PRISIONEIRAS
............................................................................
Domaram o curso das águas!
Prenderam o rio na barragem!
Surge uma nova paisagem
na praia desfigurada...
Como um gigante a amurada
desafia a natureza!
Adeus, antiga beleza
dos saladeiros, das areias,
dos clarões de lua cheia
que, agora, morrem na teia
dessa monstruosa cadeia 
de ferro e cimento bruto.
Desaguai, ó rios do mundo,
no Volga, no Mississipi!
Deus há de assentar um dique
naquelas águas também...
Que a divindade consagre
os grilhões desse milagre
e os homens digam: amém!
Enquanto o tempo não vem,
o nosso rio continua,
com a mesma tenacidade,
clamando por liberdade 
na trajetória que é sua.
Cabe a vós, ó mocidade,
- meu mar de energia humana! -
a legenda soberana
deste País continente.
Emboquem todos os rios
nas águas do Araguaia;
que o Amazonas sobressaia
na comunhão deste anseio...
Fendendo a Pátria no meio
façam dela um bloco só,
levantando em Marajó
a usina da liberdade,
para deitar claridade
nas laterais do Equador...
E sem um só divisor,
ides aos limites do Prata, 
onde o Iguaçu se dasata,
plantar mais uma turbina;
que o Uruguai e a Argentina,
no desejo que os conduz,
a tenham ao seu dispor...
A linha de Capricórnio
seja a lâmpada feérica
acessa, um dia, na América
ao mundo que pede luz
para as colheitas do Amor!
Domaram o curso das águas!
Prenderam o rio na barragem!
Não se enclausura a coragem
de quem vive de ideais...
Meu lema é o pano farrapo
da tradição fraternal
que o meu Rio Grande imortal,
em 35 instituiu.
Que o exemplo desses bravos
sirva a vós, que a mim serviu!
Senhor dos pampas bravios
que vão as terras platinas,
meu trono franjado a crinas,
é o lombo de meu bagual!
Meu pala é o manto monarca
da legenda patriarca
do Pavilhão Nacional...
............................................................................
  Autor: Lauro Rodrigues
Poesia enviada Por: Maria da Graça Rodrigues - Porto Alegre / RS
  Observações: Esta poesia foi feita em protesto à barragem que foi construída, prendendo o rio e o tirando do seu curso normal. Foi neste rio, por causa dessa barragem, que meu pai morreu. A poesia leva o mesmo nome que foi dado ao Livro "Canção das Águas Prisioneiras", editado e lançado em 1978, ano em que o poeta faleceu! Maria da Graça Rodrigues - filha de Lauro Rodrigues

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
31/01/2008 11:10:03 Vivian Schäfer - porto Alegre / RS - Brasil
Oi Maria! pois é exatamente esta poesia que eu estava procurando...estamos fazendo um documentário sobre o Rio Jacuí e chegamos ao Lauro qdo fomos a St. Amaro pesquisar. Quero entrar em contato contigo pq poderíamos usar esta poesia no episódio. Contate-nos! 51. 3235.2505 É urgente! Agradeço, Vivian
Sítio: *****
Untitled Document