Usuário:
 
  Senha:
 
 

Grupo Rodeio:
Deus Gaúcho, de Régis Marques

 

05/11/2007 22:53:10
DEMOCRACIA GAMBETA
............................................................................

Paulo Moacir Ferreira Bambil

 
Numa prosa bem bagual
Sobre o pampa e a cidade
Coloquei todas as verdades
Dos pêlos-finos capitalistas
Endinheirados narcisistas
Com jeitão de topetudos
Sem ginetear um colhudo
Veja! Ainda somos animal
A diferença é só no visual
Eu acredito mais no cuiúdo.
 
Em minhas andanças teatinas
Tentiando o bico da gansa
Passeio em minha lembrança
E vejo que estamos rodeados
De muitos senhores diplomados
Guaipecas comedores de ovo
Sanguessugas estão lá de novo
Se escondendo atrás da batina
Guardiões de escolas cretinas
Sangradores do cofre do povo.
 
Há gente endeusando barbudo
Espero que a sorte ainda mude
De sotreta vadio que se ilude
Em ganhar o sustento de graça
Passa o dia fazendo trapaça
Se tem tinta - outros que pinte
Levantem cedo no dia seguinte
Ele até sabe disto aqui tudo
Dorme pra ficar mais morrudo
Sugando o peão contribuinte.
 
Estive fazendo uma analogia
Dos tempos dantes e de agora
Patrão de hoje não usa espora
Mas sangra a nossa paleta
Nesta democracia sotreta
Feita de cobras peçonhenta
O gaúcho já não agüenta
Tantos cueras sem serventia
Aumentando a cada dia
Esta politicagem nojenta.
 
Os agregados do nosso Rei
Não querem sair da moita
Estão há anos na apoita
Não saem nem com reza braba
Vivendo sempre na aba
Gastando todos os centavos
Dos pobres peões escravos
O imposto é emolumento
Já tirado do vencimento
De prima e sem marasmo.
 
Prometo... Desde agora
Vou perseguir o bom trilho
Passarei para meus filhos
Que a escolha é importante
Sei que ninguém garante
Que tudo vai entrar no eixo
Meu conselho - aqui deixo
Escolham bem sem demora
Governantes como de outrora
Xirús éticos, duro de queixo.
 
Por muitas vezes fiz a pergunta
Aonde será que está o Gaúcho?
Queimaram todos os cartuchos?
Não sobrou nenhum taura?
Só restou a peonada maula?
Vamos mudar este conceito...
Sempre haverá preconceito...
Pra mudar a sorte do povo
Se precisar vamos de novo
Conquistar os nossos direitos!
............................................................................
  Autor: Paulo Moacir Ferreira Bambil
Poesia enviada Por: Paulo Moacir Ferreira Bambil - Brasília / DF
  Observações: “Ser livre é respirar o cheiro do Pampa” - Paulo Bambil

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
15/10/2008 21:42:36 katharine - ruy barbosa / BA - Brasil
O que me trouxe atá aqui foi uma pesquisa de História, da escola.
Sítio: http://www.orkut.com.br
Untitled Document