Usuário:
 
  Senha:
 
 

Leopoldo Rassier:
Pilchas, de Luiz Coronel e Airton Pimentel

 

18/11/2007 16:33:06
CREPÚSCULO DE UM GAÚCHO
............................................................................

Paulo Moacir Ferreira Bambil

 
Há controvérsias compadre!
Nos acôos dos guaipecas...
Correndo atrás das marrecas
Uns estão latindo pra lua
Outros pras bandas da rua
Não se chega a um consenso
Pelo menos é o que penso...
A angustia que me invade
Os gaúchos estão propensos
Até os piás de pouca idade.
 
Ao acordar com o sol alto
Já perdi as rédeas do tempo
Solito laçado em pensamento
Cevando a cuia do chimarrão
Tenho só eu como patrão...
E tentos não foram lonqueados
O pierro cochila no meu costado
Acorda rosnando de sobressalto
Espreguiçando-se envergonhado
Me olha com tristeza o incauto.
 
Minhas botas garrão de potro
Em pezito ressequida do barro
Limpo o peito com um escarro
Se há brasa atiço o pai de fogo
Ou principio a fogueira de novo
Esperando que a chaleira chie
Peço ao bom Deus que me guie
Proteja também aos marotos
Que patacuadas não se criem
Pois estas causam desgostos.
 
Depois de uns sete amargos
Vou dar bóia pros bichos
Pensando nalgum cambicho
Ouço o relincho do tordilho
Me transporta desde potrilho
Faz questão do seu ofício
Talvez tenha ainda resquícios
Do tempo de campos largos
Onde camperiar era vício
Era parte do nosso encargo.
 
Me aprecatei pra campeira
Botas, esporas, bombacha,
Guaica no bocó umas pratas,
Tirador, faca, trinta e oito,
Camisa, lenço colorado afoito
E um chapéu meio mostarda
Tapeado, com a aba larga
Costumes da vida inteira
Saudosismo que amarga
Missioneiros na fronteira.
 
Ao alçar pernas pra lida
O crepúsculo é evidente
No meu catre já doente
Que coisa foi tudo sonho
Preciso auxilio no banho
Só o passado é verdadeiro
Já deixei de ser campeiro
A indumentária perdida
Nalgum baú do posteiro
“Gaúcho” é fim de tua vida! 
 
A crina de qualquer matungo
Cresce sempre para baixo
Nesses termos eu encaixo
A tradição Rio Grandense
Precisa de guri que pense
Antes que anomalia aconteça
Ponha na crina - uma cabeça
Tenha sentimento profundo
E que tu nunca te esqueças
Gaúcho é espelho do mundo!
............................................................................
  Autor: Paulo Moacir Ferreira Bambil
Poesia enviada Por: Paulo Moacir Ferreira Bambil - Brasília / DF
  Observações: “O Ser Gaúcho” é diferente, por buscar Justiça aos iguais! - Paulo Bambil.

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
23/11/2007 13:46:05 LEILA DAGMAR MANN MARQUES - MACEIÓ / AL - Brasil
SR. PAULO. AS SUAS POESIAS TEM O PODER DE NOS ENCHER OS OLHOS...
Sítio: *****
Untitled Document