Usuário:
 
  Senha:
 
 

Marcello Caminha:
Venâncio Acolhe o Rio Grande, Música-tema do Acendimento da Chama Crioula 2012, letra de Libório Wilges e melodia de Marcello Caminha e grupo, com a participação de Décio Portaluppi

 

24/12/2007 20:37:05
A LENDA DA RITA
............................................................................
Parecia um quadro antigo.
Na cabeça, fios de prata,
nos olhos os desenganos
que sem querer foi sofrendo.
 
Assim era a Rita louca!
Mais de cem anos,
guapeando como um angico,
contando casos de amor,
tecendo rendas de seda
pras noivas da redondeza.
 
E ninguém sabia o porquê
que nas noites de lua cheia,
toda vestida de noiva,
passeando pelo arvoredo,
falava, cantava, sorria
até que clareasse o dia.
 
Depois, com os olhos em pranto,
como a dizer adeus,
buscava no longe dos campos
a figura guapa de um valente,
que só porque nasceu macho
foi pelear no pampa imenso.
 
E ela, a chinoca mais bela
que a querência já criou,
a jovem noiva do tenente,
tecia na hora ausente
um poema branco de amor,
todo enfeitado de rendas,
todo bordado de flor.
 
Mas a vida não pára no tempo,
mesmo que a gente queira,
quando se vê já não é mais primavera
e o amarelo das folhas
recobre de outono os caminhos distantes.
 
Os ventos que sopram do sul
repontam chuvas de pedras,
espantando a garça arisca.
Até o gado que se alçou pelos campos
vem se esconder na invernada.
Somente o moço guerreiro
não retornou da guerra. 
 
E a noiva, desventurada,
sentia na alma o frio
da solidão desta espera.
Sua vida uma tapera,
secou o lago do pranto
e os olhos, como desencanto,
se desfizeram em dor.
Calou-se a voz do cantor
num sentimento magoado
e até o jardim, desolado,
de luto não deu mais flor.
 
E foi numa destas noites
de lua grande no céu
que o pago ficou pasmado
e o tempo voltou pra trás...
A Rita, ainda mais bonita,
viu no horizonte o ginete,
o pingo negro fogoso
e o pala branco estendido.
 
Houve um silêncio de morte
no rancho e na redondeza
e ninguém mais viu a Rita.
Mas o povo guardou pra sempre
a imagem da noiva eterna
que, mesmo na demência,
sua bondade e paciência
pareciam rendas brancas
enfeitando com carinho
os noivados da querência!... 
............................................................................
  Autor: José Machado Leal
Poesia enviada Por: Duda Stefanescu - São José dos Campos / SP
  Observações:

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
28/05/2011 17:18:35 Bianca Gabriela - Maravilha / SC - Brasil
Eu amo essa poesia. Ela é muito linda. E qdo a declamo, me coloco no lugar da personagem, e ela fica ainda mais linda. Amo tbem, o bombacha larga. Beijos, tchê:*
Sítio: http://www.bombachalarga.org/ver_poesia.php?id=148
28/10/2010 15:16:16 Bianca Gabriela - LRV / MT - Brasil
Oláá! Eu adoro essa poesia! Além de ser bem escrita é bem contada. A história é linda....Parabéns pelo site... Adoro bombacha Larga! *-*
Sítio: *****
03/10/2010 21:06:46 ---/--- - Lucas do Rio Verde / MT - Brasil
Olá! Adoro o site de vocês, e espero que continue assim... As poesias são ótimas e essa 'A Lenda da Rita' é muito linda... Abraços a recordações, Tchê!
Sítio: http://www.bombachalarga.org/ver_poesia.php?id=148
Untitled Document