Usuário:
 
  Senha:
 
 

Tchê Campeiro:
Direitos do Bugio

 

08/01/2008 14:11:15
LUZES DO CAMPO
............................................................................
Desde piazito que eu araganeara
Nas lides teatinas das estâncias,
Mas nescessitava ter constância
E dar de rédeas à curiosidade.
Apenas de causos nos galpões
E na geografia xucra dos peões
Conhecia um pouco da cidade!
 
Antigamente apenas me bastava
Ficar na porteira, observando,
Lá longe, as luzes cintilando
Qual balé de fogo sobre os campos!
E a impressão que dava, ao vê-las,
Era de que montavam as estrelas
Na garupa brasal dos pirilampos!
 
Não cansava a rotina das fazendas
Nem aramados... marcações...
Porém, nas janelas dos galpões
Eu ruflava as asas da ansiedade
Tornando-me outra luz tremeluzente
Repleto de um sonho florescente
De ser um vaga-lume da cidade!
 
Um dia, na tardinha, alcei pelegos
E me bandeei, curioso, para o povo,
Embora fosse ainda muito novo,
Falquejado da lonca dos minuanos
E, a mala de garupa sobre os ombros,
Separei os desafios e assombros
Pra creditar na conta dos meus planos!
 
Fiz rondas em luares de mercúrio
Que iluminam a busca dos meus sonhos,
Provei dos pesadelos mais medonhos
Dessa paisagem linda, mas traiçoeira,
Ao descobrir que as luzes da cidade
Taxavam por demais da sociedade
E não brilhavam mais do que a boieira!
 
Já era tarde... O vírus da metrópole
Nutriu-se do meu sangue aventureiro
E aquela marca antiga de campeiro
Virou cicatrizes de favelas,
Que eu escondi dos meus princípios,
Mas que afloraram de armas e munício
Ante o fogo cruzado das seqüelas!
 
Numa favela mal iluminada,
Sobra dos meus sonhos de alquimia,
Preparo-me para a luta do outro dia
No doce amargo sal do chimarrão
E vou sorvendo, como pra consolo,
O pó que se desprende do tijolo
Nos andaimes de alguma construção!
 
Eu que trago um fundo olhar de volta
Procuro o horizonte lá na frente.
Meus olhos cimentados de servente
Enchergam as luzes que eu sonhei,
Enormes vaga-lumes transloucados,
Rindo com piscares debochados
Das luzes verdadeiras que eu deixei!
............................................................................
  Autor: José Luiz Flores Moró
Poesia enviada Por: José Luiz Flores Moró - Frederico Westphalen / RS
  Observações:

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
31/01/2010 19:49:37 Sebastião Vieira - São Paulo / SP - Brasil
O Robrigo Borges é uma pessoa muito inteligente. Isto é mostrado em seu livro Verdades e Mentiras, aonde ele consegue deixar com muita clareza a verdadeira origem da Maçonaria. Parabens.
Sítio: *****
Untitled Document