Usuário:
 
  Senha:
 
 

Os Monarcas:
Prece Telúrica, de Arabi Rodrigues
e Luis C. Lanfredi

 

17/01/2008 20:01:12
GAUCHISMO TRIUNFANTE
............................................................................

 

 

Se os sistemas do passado
manipularam o gaúcho
para que servisse ao luxo
da classe latifundiária,
na sua índole libertária
ele seguiu o mandante,
partindo para o levante
sem saber que ali nascia
da Pátria que ele fazia
um Gauchismo Triunfante!

Se o patrão ruralista
explorou sua ignorância,
desde sua tenra infância
até seu último momento,
na vida não fez lamento
da condição degradante;
na altivez de habitante
do pampa continentino
forjou, cumprindo o destino,
um Gauchismo Triunfante!

Se o poder interesseiro
toda a verdade distorça
para usar a sua força
com um fim politiqueiro,
nem por isso o campeiro
deixou de ser relevante,
sendo uma peça marcante
na História do seu chão,
firmando, com alma e razão,
um Gauchismo Triunfante!

Se o governo precisado
do seu vigor de campeiro
usou seu tino guerreiro
nos limites da Fronteira,
deixou a lida caseira,
a paz no rancho reinante,
e atendendo ao governante
foi defender a Nação,
construindo nessa ação
um Gauchismo Triunfante!

Se a prenda do gaúcho
ficou no rancho solita
campereando sua tropita,
fazendo as vezes do peão,
cuidando da criação
na campanha verdejante,
nessa labuta incessante,
no sol, na chuva, no frio,
ela também construiu
um Gauchismo Triunfante!

Se filhos, netos, bisnetos
do gaúcho campeador
mantiveram o mesmo amor
pelas suas tradições,
repassando às gerações
essa riqueza adiante;
com a prática constante
firmaram identidade,
trazendo para a cidade
um Gauchismo Triunfante!

Se interesses escusos
sua cultura anularam
e depois a exploraram
com a sanha do mercado,
O gaúcho conscientizado
foi forte e perseverante,
acendendo nesse instante
a chama que marca o fato,
resgatando nesse ato
um Gauchismo Triunfante!

Se o seu Regionalismo
é hoje manipulado
e calaveiras do mercado
deturpam sua Tradição,
gaúchos é que não são
os que lucram com o aviltante;
nem essa conduta ultrajante
vergará sua cultura,
pois dela surgiu, por ser pura,
um Gauchismo Triunfante!

Se o sistema vigente
destrói o Tradicionalismo
rasgando o seu catecismo,
sua Carta de Princípios,
referendando os vícios
do modismo destoante,
esse estado revoltante
encontrará sua resistência,
pois recebeu de sua querência
um Gauchismo Triunfante!

Se o pseudointelectual
menospreza sua História,
sua coragem e sua glória
de campeiro brasileiro,
é porque o galhofeiro
age como um farsante;
incorre em erro o pensante,
pois é o Povo do Rio Grande
que molda, forja e expande
seu Gauchismo Triunfante!

............................................................................
  Autor: José Itajaú Oleques Teixeira
Poesia enviada Por: José Itajaú Oleques Teixeira - Guará / DF
  Observações:

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
20/01/2008 21:57:30 José Itajaú Oleques Teixeira - Guará / DF - Brasil
Prezado Paulo Bambil. Agradeço-te as palavras elogiosas referentes à poesia Gauchismo Triunfante. Ela destina-se a todos aqueles que insistem em desqualificar o Gauchismo, classificando-o como uma criação sem base fática, real. Esquecem-se que é o Homem simples do campo que construiu os seus usos e costumes tradicionais e inaugurou o sentimento terrúneo, telúrico, pelo seu Pago Sulista Brasileiro. Mazelas existentes no processo de formação de sua Terra e da sua Identidade Cultural devem ser atribuídas aos seus reais protagonistas, ou seja, aos que o exploraram, muitas vezes com objetivos pessoais, particulares e setoriais. O Gauchismo não veio do político, do estancieiro, mas do peão gaúcho, o primeiro a usar a bombacha, a tomar o chimarrão, a assar churrasco em fogo de chão, a construir as lidas campeiras, a dançar no fandango, a firmar os princípios da palavra empenhada, de liberdade, dignidade pessoal, amor à Pátria e da convivência hospitaleira. Enfim, ao Gaúcho do Rio Grande o seu Gauchismo, por um dever de justiça e de impositiva honestidade intelectual. Saudações Tradicionalistas e um quebra-costelas cinchado a esse Vivente Velho!
Sítio: http://www.bombachalarga.com.br
19/01/2008 14:26:03 Paulo Bambil - Brasília / DF - Brasil
Parece que não estou sozinho Nesta pendenga da História Tem outro Gaúcho em glória Manejando as adagas É bom não pegar no flagra A cachorrada mesquinha Que pensam que já veceram Por certo estes esqueceram Que o "Gaúcho" anda na linha E podemos acabar a festinha. É linda a tua poesia... Com cuidado nos versos Mostrando aos perversos Que estamos de mutuca Com tanta gente maluca Presente em nossos dias Mas agimos com o coração Defendendo o nosso CHÃO É um balde de água fria A peonada sem serventia.
Sítio: *****
Untitled Document