Usuário:
 
  Senha:
 
 

Baitaca:
A evolução me entristece, de Baitaca

 

04/03/2008 14:17:32
A POESIA E EU
............................................................................

Jurema Chaves

 

A vida é quase pequena,

Por isso escrevo meus versos

Pra abranger esse universo

Que trago dentro de mim.

Nos sem limites do mundo

Eu me encontro em um segundo;

Quando a escrever me liberto,

O longe fica tão perto, tenho asas pra voar.

 

Num infinito de sonhos

Posso erguer meus castelos

E quebrar todos os elos

Que me aprisionam no chão;

Meu verso é quase oração,

Rebuscado no  silêncio,

Quando a insônia se esparrama,

Rola comigo na cama,

Criando nova canção.

 

É assim, um sortilégio,

Essa estranha magia

Que rasga o ventre da noite

Para rabiscar nostalgias;

Nesse sem quê nem porquê,

Reinventa... fantasia...

Contando falsas verdades,

Vai gargalhando a saudade,

Dizendo que é poesia.

 

Não sei se sou a poesia,

Se a poesia sou eu,

Só sei que estamos ligadas,

Trilhando a mesma estrada

Nesse versejar de amor.

É o próprio ar que respiro

Marcando cada suspiro,

Perfumando a própria dor.

 

É lenço que seca o pranto,

É meu canto desencanto

Iluminando meus passos.

É o calor de um regaço,

No dom  divino da arte;

Quando a tristeza me parte

Ela cola os meus pedaços.

 

Não sei se moro com ela

Ou se ela mora comigo;

É meu consolo e abrigo,

Estrela que me orienta.

É a força que me sustenta,

É a luz dos olhos meus,

É minha fé, meu altar;

Quando choro a versejar,

Meu verso fala com Deus!

 

Meu verso é luz e esperança,

Meu verso é alma-criança,

Meu verso é riso que aflora

Rasgando o poncho da aurora,

Quando a tristeza me alcança.

 

Meu verso é meigo, sereno,

Quando consola um aflito.

Meu verso é um canto bendito

Que me envolve e me acalma;

É uma oração de ternura,

Que vem do fundo da alma.

 

Meu verso não tem idade

Nem fronteira, credo ou raça.

Meu verso, por onde passa,

Leva emoção e carinho,

Perfuma pedras e espinhos;

Semeando um tempo novo,

Versejo o verso que acalma

Beijando a alma do povo!

............................................................................
  Autor: Jurema Chaves
Poesia enviada Por: Jurema Chaves - São Leopoldo / RS
  Observações:

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
25/08/2008 17:31:51 karlla - pa / RS - Brasil
♥♥☺☻♥♦♣♠•◘○++
Sítio: *****
Untitled Document