Usuário:
 
  Senha:
 
 

Grupo Candeeiro:
Marca do Pago, de
João Pantaleão Gonçalves
e Pedro Neves

 

06/03/2008 20:54:24
MINUANO
............................................................................
O minuano que passa
esparrama a fumaça
do fogo de chão.
Minuano, tu és a era
renascendo da tapera
da lenda da tradição:
no teu gemido se abriga
a gauchada caída
pela glória do Rincão.
 
Passa minuano, passa!...
Que por detrás da vidraça
eu contemplo a escuridão.
Tu levas no teu regaço
um grande, um grande pedaço
da minh'alma de poeta
que anda voando inquieta,
buscando nestes rincões
os patriotas caídos
nas refregas do passado,
quando lenços colorados
esvoaçando aos milhões,
no colo dos Farroupilhas,
encheram estas coxilhas
de lendas e tradições.
 
És a têmpera da raça!!!
Por isso quando tu passas
batendo esta soledade
do rincão aonde moro,
relembro cheio de orgulho
os homens da minha terra
que, na campanha ou na serra,
cavalgando os seus corcéis
dormiram entre os dosséis
cor de cinzas das batalhas;
e à beira da eternidade
tiveram como mortalha
o pálio da liberdade.
 
És rude como meus versos,
e os meus versos
como os homens
que rondam no teu gemido...
............................................................................
  Autor: Lauro Rodrigues
Poesia enviada Por: Maria da Graça Rodrigues - Porto Alegre / RS
  Observações: 1) Poesia publicada em 1944, no Livro MINUANO, do autor. 2) Maria da Graça Rodrigues é filha do poeta Lauro Rodrigues.

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
16/04/2014 11:00:52 Carlos Henrique Sonne Hausen - Rio de Janeiro / RJ - Brasil
Tenho muito a agradecer ao Google por me proporcionar estes versos que embalaram minhas leituras de garoto. Parabeniso a Maria da Graça, filha deste grande poeta gaúcho, por eternizar esta linda poesia. Um ápice do nosso chão, da nossa tradição. Cumprimento todos os gaúchos meus conterrâneos e agradeço à Maria da Graça Rodrigues.
Sítio: *****
21/01/2012 08:27:26 Carlos Henrique Hausen - Rio de Janeiro / RJ - Brasil
Meus queridos, me criei ouvindo meu pai declamar, com emoção, esta poesia. Linda, por sinal. Um muito obrigado a este grande poeta, em sua imortalidade.
Sítio: *****
Untitled Document