Usuário:
 
  Senha:
 
 

Baitaca:
Ninguém é mais que ninguém, de Baitaca

 

27/03/2008 09:46:48
PROMESSAS
............................................................................

 Jurema chaves

 

NÃO, não me olhes assim

Com esse jeito de menino triste,

Que ousado insiste em me perseguir.

Desvie esses olhos de dentro dos meus;

Pelo amor de Deus, deixe-me partir.

 

Teus olhos são lindas promessas de amores,

Caminhos de flores que sempre busquei;

Teus olhos, dois mundos, os mais belos do mundo;

Suaves e profundos, onde eu me encontrei.

 

Quando me olhas com tanta ternura

Me abala a estrutura, perco a postura

E fico sem chão.

Fingindo não ver, disfarças, provocas...

Sabendo que tocas, no fundo de mim.

 

Porque não te calas, olhar feiticeiro?

Moleque brejeiro,

Que alumbra meu mundo e encanta meu ser.

Se vais e não voltas, quase enlouqueço;

Na ausência adormeço, sonhando esquecer.

 

Mas só faço lembrar, querer e buscar esses olhos teus,

Que guia meus passos, rouba meus espaços,

E parte em pedaços os versos escassos

Que tento escrever.

Roubando dos anjos palavras benditas,

Frases bonitas que possam dizer,

O quanto eu te amo,

O quanto te quero por tudo que és,

Te amar é viver!

 

Não olhes pra mim, fingindo não ver-me,

Eu sei que me queres, não ousas dizer.

Por isso te peço, não brinques assim.

Se finjo não ver-te é de tanto querer-te;

Tentando esquecer-te, eu esqueço de mim.

 

Teu olhar me fascina, me prende, domina,

Desarma meu ser.

Sou peixe sem rio, sou tigre bravio,

Sou fera no cio, sou pura paixão;

Sou louco, sou potro,

Teimoso e indomável, sou doce e afável,

De rédeas no chão.

Por isso te peço, não me olhes assim,

Com esse olhar de sol, varando as águas,

Desnudando minha alma, simplesmente,

Desatando os tentos desatentos dos meus sentimentos;

Embuçalando devaneios por aí,

Na invernada dos teus olhos sedutores,

Onde eu me encontrei, e me perdi!

 

Apague esse brilho de orvalho em teus olhos,

Promessas silentes de  amor e paixão.

Por isso não olhes pra mim desse jeito,

Que o amor em meu peito atropela  a razão,

Pois estou tentando juntar os pedaços,

Reunir os cacos, do meu coração;

Encontrar desculpas, remediar  a culpa,

Perdoar, talvez;

Remendar os trapos, da alma em farrapos

Renascer de vez;

Ouvir os teus lábios confirmarem as juras

De amor e ternura

Que o teu olhar me fez!

............................................................................
  Autor: Jurema Chaves
Poesia enviada Por: Jurema Chaves - São Leopoldo / RS
  Observações: Do livro TROPILHA DE AFAGOS, Dez de 2003, da autora.

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
07/10/2008 22:51:27 rogerio daniel - sao paulo / SP - Brasil
Adorei e gravei em minha voz. Espere que goste. Vou postar no meu Blog... Vc está de parabéns. Linda, linda, linda... Amei!
Sítio: http://mp3rogdan.blogspot.com
Untitled Document