Usuário:
 
  Senha:
 
 

Paixão Côrtes:
Gaúcho Velho

 

12/05/2008 10:26:36
SE...
............................................................................

Se ao teu corcel não cedes o lugar,
para de ti depois então cuidar,
embora te domine o sofrimento;

Se não te agradas ao menos um momento
com as tradições heráldicas, fremir
das cargas que deixaram de existir;

Se não te orgulhas de empunhar a lança
que Osório fez credora da esperança
na conquista suprema da vitória;

Se não te queres embriagar da glória
de, antes de todos, ir para o inimigo,
infiltrar-te isolado no perigo,
reconhecer para informar, cobrir,
retardar, envolver, perseguir;

Se por estares num motor montado,
julga-se haver o velho ardor quebrado;

Se rei não és do campo na amplidão;
Se te falta a coragem do leão
E o penetrante olhar da águia não tens,
Quando a caminho para luta vens,
Digo-te, então,
Erraste a vocação;
Para trás!
Chora em vão teu desengano,
Não serás nunca
Um Cavalariano!

............................................................................
  Autor: Autoria desconhecida
Poesia enviada Por: João Batista Rebés Trindade - Brasília / DF
  Observações: "Que nossos estribos se choquem em cavalgadas futuras, pois só assim nossa amizade estará selada para sempre!!!". Uma pequena lembrança para todos os cavalarianos! João Batista Rebés Trindade.

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
Untitled Document