Usuário:
 
  Senha:
 
 

Os Bertussi:
Balanço do Bugio

 

13/12/2008 17:46:50
A CANÇÃO QUE A MÃE CANTAVA
............................................................................

"- Nana filhinho,
Dorme meu bem;
Mamãe tá solita,
Papai logo vem!".

Com carinho, com ternura
que só as mães sabem ter,
a mãe gaúcha embalava o piazito,
que recém, recém havia chegado,
para os rodeios da vida.

Era um rancho pobre, humilde,
erguido lá no silêncio
de uma restinga perdida...


O pai - posteiro da estância -
passava o dia inteirinho
cumprindo o nobre trabalho,
distante do rancho amado.
Rodeio... apartes e domas,
invernada recorrida...
E à tarde - acabada a lida -
voltava ao rancho, cansado...

Mas vinha muito feliz
o pobre campeiro rude,

pois tinha a santa virtude
de ser um pai carinhoso.
E a mãe, que triste ficava
no abandono, o dia inteiro,
corria alegre ao terreiro,
para rever o esposo.

Um beijo terno estalava,
num lábio rubro e ardente...
E outro beijo ecoava,
na fronte de um inocente!
Depois, um homem dormia,
enquanto uma mãe velava
um piazito, que sorria;
e uma voz meiga cantava:

“- Nana filhinho,
Que o bicho aí vem;
Papai foi dormir,
Mamãe vai também!”.

Reboou, porém, pelo pampa,
um grito de rebeldia!
A ponta da lança esguia
relampejou pela serra!
Um turbilhão de galopes
quebrou a paz da querência;
e em repúdio à prepotência,
um eco bradava: guerra!

No rancho, portas trancadas,
tremendo e o peito arfando,
uma mãe abandonada
cantava, quase chorando:

“- Nana filhinho,
Dorme meu bem;
Mamãe tá solita,
Papai logo vem!”.


Mas, nunca mais o campeiro
voltou ao rancho à tardinha;
e a mãe gaúcha, coitada,
ficou pra sempre sozinha!
Pouco a pouco a dor pungente
lhe consumiu a existência;
e o filho ficou no mundo
carpindo a triste indigência...

E, agora, uma voz alheia
de outra mãe compadecida
cantava a mesma canção,
pra criança adormecida:

“- Nana filhinho,
mamãe logo vem...;
Mas a mamãe

já não vem mais...
e o papai...

não vem, também!

............................................................................
  Autor: Dimas Costa
Poesia enviada Por: Jéssica Rizzi - Guaporé / RS
  Observações:

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
22/10/2011 15:10:18 ana arolina - vespasiano / MG - Brasil
Excelente poesia! Continue fazendo essas poesias maravilhosas.
Sítio: http://meu sertãõ
21/10/2011 21:43:40 ana maria - vespasiano / MG - Brasil
É muito legal! Foi demais!
Sítio: *****
31/01/2009 21:00:59 manoelgois - crissiumal / RS - Brasil
Excelentes as poesias!
Sítio: http://cabanha do anga
Untitled Document