Usuário:
 
  Senha:
 
 

Jayme Caetano Braun:
Sangue Farrapo

 

24/12/2008 09:24:34
O NATAL DO PIAZITO
............................................................................

 

 

SEGUE DE VOLTA O PIAZITO,

VAI AO TRANQUITO PELA ESTRADA;

JÁ TEM NA MALA A ENCOMENDA,

QUE LÁ NA VENDA FORA COMPRADA.

 

O SAL, A ERVA, A RAPADURA,

A CANHA PURA, NACO DE FUMO;

É O NECESSÁRIO PARA O CONSUMO

ESSE PEDIDO DO VELHO PAI.

 

VAI PIAZITO, VAI GURIZITO,

NO TEU DESTINHO PAMPEIRO;

VENCE A DISTÂNCIA,

MARCA TUA INFÂNCIA

NESSE VIVER DE CAMPEIRO.

 

O PINGO AMIGO, SEU BOM PARCEIRO,

E O CUSTO OVEIRO SEMPRE ATIVO,

SABEM QUE ELE, PEQUENO PEÃO,

É O PATRÃO DA ESTÂNCIA DELES.

 

O BOI BARROSO SEGUE ASSOBIANDO

E RELEMBRANDO O PIÁ DO ESTANCIEIRO

TODO FACEIRO COM O BRINQUEDO NOVO,

QUE TROUXE DO POVO O SEU BODEGUEIRO.

 

IMAGINA O PIÁ A SUA ALEGRIA

SE MATASSE UM DIA A VONTADE MALUCA

DE TER NA GARUPA, NA MALA EMBRULHADO,

O CARRINHO ENCARNADO QUE CHAMAVAM DE FUCA.

 

- PIAZITO! OLHA O SOL ENTRANDO!

É O DEVER CHAMANDO, POIS O TEMPO PASSA;

TENS DE BOTAR VACA,

ESQUEÇAS O BRINQUEDO DO MOÇO;

O TEU É O GADO DE OSSO,

QUE HÁ MUITO TEM TUA MARCA.

 

ANTES DO TROTE, O OLHAR NO CHÃO;

UMA ORAÇÃO DE GURI NORMAL:

- NESTE NATAL, PEÇO-TE BOM VELHINHO,

DEIXES NO MEU RANCHINHO

UM FUQUINHA IGUAL!

............................................................................
  Autor: José Itajaú Oleques Teixeira
Poesia enviada Por: José Itajaú Oleques Teixeira - Guará / DF
  Observações:

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
Untitled Document