Usuário:
 
  Senha:
 
 

Os Farrapos:
Passo do Bugio

 

17/02/2009 17:31:40
ARRIMANDO CANSAÇOS DA VIDA - Retrato doído da velhice
............................................................................

O carão, já cansado,

reflete nas rugas 

que os sóis pincelaram

... canseiras e agruras.

Como velhos retratos

roídos, amarelos

e desbotados...

retratam amenidades,

sofrenaços da vida

e recuerdos perdidos

nas lonjuras.

 

Teus olhos já turvos

- são janelas do pampa;

embaçam miragens,

que os tempos nublaram,

e curtidos da lida,

agora, repontam

campeiras imagens

de há muito "olvidadas".

 

Teu tronco curvado

ao baixeiro do tempo

- um cerne de angico

vergando-se ao vento!

Troteia no “povo”

chibando misérias

e fazendo biscates,

pr'o rango mixado.

Quando finda a tarde,

ao acaso,

tonteia rudezas,

sorvendo a sorte

palmeada nos mates,

amargando as  tristezas

como boi abichado.

 

Tronqueiras... tuas pernas

- Esteios do Pago! -

arquearam  ao lombo do zaino.

Incertas, fraquejam;

em passos vagos andejam

sem rumo e sem norte,

sem botas desgastadas

e sem estribos;

tropeçam "a lo largo"

reculutando invernadas,

sem prumo vagueiam

pra changa dos cobres

em longas tropeadas.

 

Tuas louras melenas

- ouro dos arrozais -

cobrem-se das invernias

dos muitos agostos.

E a colorada das guerras

- um símbolo libertário -

eternizas ao pescoço

nos bailes de rancherio

e carreiras em alvoroço.

 

Tua alma campeira

perdura no fole da gaita.

Os olhos verde-ternura

verdejam nos campos

teu jeito de taita.

 

Da face cansada,

ausentou-se o sorriso.

O olhar esfumado

distanciando a paisagem,

pernas arqueadadas

arrimando  basteiras;

e as melenas mouras,

de eternas geadas,

ao sopro dos ventos

embanderam soalheiras...

 

São lascas dispersas,

vestígios amargos

das horas sofridas

na rude labuta.

São guerras sem glórias,

e marcas das perdas

que tu, velho tata,

tranqueaste na história

a mango e sogaços.

 

Hoje...

só "ajunta" cansaços,

recuerdos da lida,

saudades da vida

e lutas... sem vitórias !

............................................................................
  Autor: Egiselda Charão
Poesia enviada Por: Egiselda Charão - Porto Alegre / RS
  Observações: Poesia premiada no Pealo da Poesia Gaúcha, do Alegrete/RS.

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
Untitled Document