Usuário:
 
  Senha:
 
 

Cassiano Mendes:
Alma de Gaúcho

 

17/02/2009 17:34:28
CAMPEIRA MULHER
............................................................................

Feito as filhas de Tupã,

fui trazida pelos ventos.

Sou a mulher pioneira,

sou peona galponeira,

seiva da estirpe campeira.

Cresci dormindo ao relento

desta terra abagualada.

Fui sinuelo pela estrada;

demarquei novas fronteiras.

 

Ao giro dos cata-ventos

vi surgir a raça nova,

para as horas do futuro.

Em louvor a esta terra

fui grito dos esquecidos,

em dias de desalentos.

Nas tristes noites de calma

brotavam, do subconsciente,

velhas rezas avoengas,

sofrenadas dentro d'alma.

 

Também fui mescla de sangue

da pura cepa caudilha;

e no estertor farroupilha

fui amparo das trincheiras,

forjando a estampa guerreira,

timbrada ao sol curunilha.

 

Fui molde da fibra altaneira,

levando no peito a bandeira

dos entreveros de guerra.

Me temperei nas invernias,

suportei brabos mandados.

Nas inquietas calmarias

- ao retinir das esporas -

fui as prosas galponeiras

no lusco-fusco da aurora.

 

No chimarrão, à tardinha,

amarguei a solidão.

Num fado imaginário,

fui esteio para as casas

- tapera no coração.

E nas contas do rosário

rezei as dores sofridas,

chorei misérias sentidas

na dura faina da vida.

 

Meu suor foi vertente rasa,

em dolente singeleza.

Andei minguando asperezas,

pelos confins do rincão;

e trago a face marcada,

pelo sulco das tristezas,

- como coxilhas lavradas

ao sol-a-sol do meu chão.

 

Tranqueei meu rumo solita,

levando o pago nos tentos.

Ao calor do fogo votivo,

semeei o sangue nativo

da nova raça aflorada

- numa tristeza pungente

do barbarismo primitivo.

 

Vivendo em muitas eras,

fui saudade nas esperas

entre arado, gado e fogão,

plantando novas quimeras

pra uma nova geração.

Fui mulher guapa, na essência;

e na alvorada do pampa

me transformei em querência,

pela força das minhas mãos!

............................................................................
  Autor: Egiselda Charão
Poesia enviada Por: Egiselda Charão - Porto Alegre / RS
  Observações: À Maria Helena da Costa Porto, nascida em Jaguari/RS, no dia 19/10/1950. Filha de José Cardoso Porto e de Aura da Costa Porto; professora aposentada; sócia do Grêmio Literário “Castro Alves”, da Estância da Poesia Crioula, da Casa do Poeta Rio-Grandense, da Associação de Jornalistas e Escritores do Brasil(AJEB), da Federação da Mulher Gaúcha, da Confederação das Mulheres do Brasil, do Jornal do RS-Conselho Consultivo. Maria Helena da Costa Porto dedicou a sua vida à educação, lecionando, dentre outras, nas cidades de Uruguaiana e Porto Alegre/RS (na Escola 1. de Maio, sendo, inclusive, diretora). Como declamadora estudou Artes Cênicas, no seleto círculo de alunas de Carmem Viana, e atuou em diversas apresentações pelo Brasil, junto com os Teatinos (Grupo Folclórico), juntamente com Marco Aurélio Campos, na década de 60/70. Publicações: - Poesia Mulher, Vol. 1; - Ausências; - 1a Coletânea de Porto Alegre; - Aparte-Estância da Poesia Crioula/1990; - Tentos e Loncas-Estância da Poesia Crioula.

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
12/04/2011 12:28:44 caroline - bage / RS - Brasil
A dorei!
Sítio: *****
Untitled Document