Usuário:
 
  Senha:
 
 

Baitaca:
A evolução me entristece, de Baitaca

 

06/04/2009 18:00:26
O CAMPO SANTO
............................................................................

Plantado num campo aberto,

Junto às flexilhas em flor...

O pé de angico diminui o calor...

No mais - bem descampado,

Facultando o pisoteio do gado,

Muralha de pedras recortadas

Ao largo duma velha estrada;

Lugar desabitado e deserto,

Para que almas desaforadas

Não assustem vivos de perto!

 

Ao contemplar a paisagem...

Até dá uma paz no espírito,

Embora seja fato empírico

Vislumbrando a fotografia,

Mas é um fato da geografia.

Aos poetas é tudo bem visto;

Ao poetastro, muito sinistro,

Transforma tudo em miragem.

Porém, ao poetizar, eu insisto

Em eternizar esta imagem!

 

Velho cemitério... conservado.

Depósito de quantos ancestrais?

Entes que não veremos mais.

Mas o ciclo aí não se encerra;

Todos voltam ao pó da terra.

Biblicamente a tese é profética;

Formando-se novas genéticas,

Continuísmo do nosso legado.

A natureza, com razão cética,

Reconstrói tudo nesse bailado!

 

Marcantes histórias de vidas

Estão fenecidas nesse campo,

Certamente regadas a pranto

De alguns amigos que ficaram.

Talvez, outros testemunharam,

De um jeito bastante contido;

Agrego, aí, os mal-agradecidos.

A tal morte, é muito atrevida;

Quando decreta seus castigos,

A decisão em glória é cumprida!

 

No entanto, a beleza do cenário

Não sofre nenhuma maculação;

vi coçar-se numa cruz o alazão,

Parecendo acariciar o seu dono.

Implorando de certo, o retorno

Daquele centauro, ao serigote;

O flete relinchava entre pinotes,

Transformando-se este lendário

Num preso livre, inato mascote

De gratos trejeitos perdulários!

 

Aqui no pampa temos a prova

Que com toda perícia e calma...

Não podemos ressuscitar a alma.

Devagar... transcende o tempo...

Envelhecemos a cada momento.

Assim... Todas as vivas criaturas

Ao pó voltam. Está na escritura.

O pasto vai encobrindo as covas

De quase todas as sepulturas.

É o fim e o início de vidas novas!

............................................................................
  Autor: Paulo Moacir Fereira Bambil
Poesia enviada Por: Paulo Moacir Fereira Bambil - Brasília / DF
  Observações:

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
08/04/2009 21:36:19 Deroci Freitas de Moraes - Santa Maria / RS - Brasil
Mas que poema lindaço amigo! Parabéns!
Sítio: *****
Untitled Document