Usuário:
 
  Senha:
 
 

Grupo Fogo de Chão:
Gaúcho

 

04/06/2009 11:20:58
ANCESTRAIS
............................................................................

1ª Querência da Poesia Crioula,

De Caxias do Sul-RS

Ilustração: Vasco Machado

 

Velho pago bendito,

de coxilhas verdejantes,

trilha dos viajantes

dos tropeiros de outrora,

dos retinidos de esporas

de meus ancestrais de dantes.

 

Resquícios que trago nas veias,

rubro sangue de minha gente,

de meus avós e parentes

da porteira do Rio Grande,

onde a beleza se expande

nos campos de Vacaria;

 

dos rodeios e montarias,

das turumbambas de laços,

dos relinchos e manotaços

de um redomão caborteiro;

dos fandangos galponeiros

e dos contrapontos de gaita;

 

dos causos, lendas e cantigas

do Negrinho do Pastoreio,

da tropilha que pastorava

para um rico estancieiro,

da madrinha Nossa Senhora,

que o tirou do formigueiro;

 

do Boitatá, na meia-noite,

cuspindo fogo nas canhadas,

das peleias nas sextas-feiras

do lobisomem com a cachorrada;

das estórias de assombração

das taperas abandonadas;

 

do bolicho à beira da estrada,

do peão gaudério, teatino,

do berro do boi brasino

e do bugio lá no capão;

da cambona preta chiando,

chorando sobre o tição; 

 

das noites frias de geadas,

do surrupiar dos quatro-ventos,

da mala de poncho nos tentos,

no recavém dos arreios;

do baio mascando freio

e de um mouro pedindo cancha;

 

dos trastes buenos de encilha,

da sinhazinha parteira;

da índia benzedeira,

do chiru velho curador;

das chilenas cantadeiras

e do petiço marchador;

 

da costela gorda no espeto,

largando a graxa no braseiro,

do chimarrão hospitaleiro

correndo de mão-em-mão,

da tertúlia da peonada

em roda do fogo de chão;

 

do galpão de chão batido,

arrodeado de costaneira;

da casculenta chaleira

na culatra do fogão;

do telhado enfumaçado,

e do picumã no oitão.

 

Na mangueira de tronqueira,

fechada com varejão,

embretei dentro do peito

os versos da tradição,

que repontei da invernada

da minha imaginação! 

............................................................................
  Autor: Antônio Francisco de Paula
Poesia enviada Por: Antônio Francisco de Paula - Brasília / DF
  Observações: Poesia do livro "MEU AVÔ, MEU MESTRE", do autor.

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
Untitled Document