Usuário:
 
  Senha:
 
 

Walther Morais:
Pra ser feliz no Sul

 

30/08/2009 12:59:06
O VELHO
............................................................................

 

Velho, sem retovos,
genuíno na retina dos espelhos;
só o velho é sempre novo,
porque o novo imita o velho!

Mesmo a guitarra é sofrida
se é o novo que a embala,
sem a vivência das mãos.
O velho, não.
O velho a toma no colo
e com a vida nos olhos
tece carícias de amante,
pra encantar a solidão!

Não existe velho, velho,
pois a geada nos cabelos
é só mais um documento
assinado pelo tempo;
os dias se acumulam,
tingindo de luz o velo;
o moço que muda o mundo,
que de todo viveu tudo,
só então pode ser velho!

Os anos são que nem livros,
guardando sabedoria
pras futuras gerações,
e a memória um arquivo,
onde quem sabe estar vivo
vai buscar informações.
Por isto é preciso fibra,
por isto é preciso zelo;
não é porque o corpo cimbra
que um homem fica velho!

Há tanto guri já velho
e tanto velho guri;
tanto moço absorto,
que nem sabe que está morto,
mas já deixou de existir;
há tanto guri já preso
nessas drogas por aí,
e tanto velho bem teso,
ensinando ao desprezo
a arte de ser guri!

Velho não é o morto,
mas é tudo que está pronto,
o que a vida aperfeiçoou,
pois é somente a vivência
que vai moldando a experiência,
para transpor os estorvos;
é na idade mais nobre,
que o moço velho descobre
que só o velho é o novo!

Veja o exemplo das vinhas,
sorvendo luz das auroras
pra cor que o vinho vai ter;
guardando a brisa que toma,
para aviar o aroma
que vai gerar o buquê;
formando, com o sol e chuva,
todo o segredo da uva
que vai amadurecer;
e tudo só para a messe,
pois só depois que envelhece
é que o vinho vai nascer!

O novo nasce do velho,
em tudo quanto se cria;
na música, na poesia,
nesse modismo do povo.
O velho nunca envelhece,
pois sempre reaparece
pra novamente ser novo;
o moço é a vaidade,
em busca da perfeição,
a coragem, o fascínio;
é a força sem domínio,
é a chama da paixão!

O velho, não.
O velho é o esplendor,
é vinho que está maduro;
a ciência que o futuro
a gente faz no presente;
é mais amor que desejo,
por saber sentir num beijo
o que só um velho sente.
O velho é vida repleta,
é a obra já completa,
é a vivência total,
a total sabedoria
de se viver cada dia,
como se fosse o final!

Feliz do moço mais belo
que conheça algumas rugas,
pois a vida não se aluga,
ela é um dom de Deus.
Feliz do moço que chega
onde a idade se aconchega,
num par de olhos nublados;
onde a vida nos ensina
a andar pelos escuros;
que importa não ver futuro
quem, mesmo de olhos fechados,
enxerga todo passado,
onde escreveu sua história?
É bom que se deixe escrito
que ser moço é ser bonito,
mas ser velho é uma VITÓRIA!

............................................................................
  Autor: Vaine Darde
Poesia enviada Por: Bombacha Larga - Brasília / DF
  Observações: Poesia interpretada por Valdemar Camargo, com o amadrinhamento de Valdir Verona, na 13ª Quadra da SESMARIA DA POESIA GAÚCHA, setembro de 2008. Fonte www.sesmaria.org.br

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
31/08/2009 15:33:22 Hildemar Cardoso Moreira - Contenda / PR - Brasil
Para mim, que sou um guri octogenário, esta poesia é maravilhosa, principalmente quando diz "que ser moço é ser bonito, mas ser velho é uma vitória". Parabéns ao poeta Vaine!
Sítio: http://www.hildemar.Wordpress.com
Untitled Document