Usuário:
 
  Senha:
 
 

Baitaca:
Ninguém é mais que ninguém, de Baitaca

 

23/09/2010 12:45:40
PAISAGENS DO TEMPO
............................................................................

 

 

 

 

Olhei o tempo, pelo vidro embaçado das retinas,
onde uma nuvem, mansa, de neblina
aquerenciou-se, sem pressa de ir embora ...

Olhar o tempo e enxergar a própria estrada
é ver nos rastros a força das pegadas,
na saga de traçar a própria história!

 

E, assim, eu pude ver, lá, bem distante,
um campo largo; e a cruzar, risonho,
num flete alado, galopando sonhos,
um pequeno guri, de olhar radiante,

de calças curtas, pés descalços,
camisa aberta, esvoaçando ao vento!


Ah! Liberdade! Como é feliz esse guri!

Por certo que são felizes todos os libertos,
porque é liberta a felicidade!

Adiante, um pouco, eu vi surgir um moço:
pilchas de gala e lenço no pescoço,
entonado no más, de alma gaudéria;
guapeando potros, pelos tironaços,
zombando a sorte, e nos sofrenaços,
vibrando o sangue rubro das artérias!

 

Eu vi o moço, outrora vaqueano de muitas jornadas,
perdido, vagando, sem pilchas, sem nada,
na fria calçada de um mundo em concreto.

As changas do povo não são para os tauras,
que apenas entendem de domas, de maulas,
e as lides campeiras, que os fazem completos!

 

Então, não mais vi,
apenas senti a dor e a tristeza que o moço viveu,
changueando misérias, curtindo lembranças,
perdendo a esperança de um dia voltar

ao chão que era seu!

À sombra dos ranchos, sombrios, meia-águas,
os goles de mate são goles de mágoa,
que as ervas caúnas amargam, ainda mais!

 

O pago terrunho é apenas saudade;
a vila é seu mundo e a realidade,
que sangra nas folhas de muitos jornais!

Que pena! A distância, hoje, me separa
do meu primeiro flete de taquara,
mas que tinha em si minha alma de menino;

e repontava as tropas “faz-de-conta”,
pras sangas mansas, onde cada “ponta”
sorvia um pouco desse meu destino!

 

Mas, nesse tempo havia águas limpas
e uma pastagem, que era grama e terra;
e havia torenas e se fazia guerra,
pra defender a honra da querência!

Por isso é tão difícil aceitar que agora
hajam gaúchos dobrando os joelhos às invasões de fora,
rasgando a História que legou a crença!

 

Não deixem morrer a nossa Cultura,
que é seiva tão pura, com cheiro de chão;
façamos dos palcos as nossas tribunas,
gritando protestos às tropas reiúnas
que infestam os costumes do nosso rincão!

 

Que todo o xucrismo da nossa poesia
entoe cantigas de um novo alvorecer,
pra que meus olhos, nublados pelo tempo,
possam ainda ver, guapeando tentos,
a bravura da pampa renascer!

 

Que diacho! A injustiça campeia na pampa,
e há outra neblina cobrindo os olhos dos nossos iguais;
estão nos roubando e ninguém se levanta!

Estão acabando com as nossas raízes,
estão nos trocando por outras matizes;
não deixem que matem os nossos ideais!

 

............................................................................
  Autor: Sebastião Teixeira Correa
Poesia enviada Por: Bombacha Larga - Brasília / DF
  Observações:

Poesia interpretada por Loresoni Barbosa, amadrinhado por Francis Barbosa, na 7ª Quadra da Sesmaria da Poesia Gaúcha, de Osório-RS, no mês de setembro de 2002.


 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
Untitled Document