Usuário:
 
  Senha:
 
 

Baitaca:
A evolução me entristece, de Baitaca

 

28/12/2009 17:26:39
MARCA DE TAURA
............................................................................

 

 

EU ME CRIEI NO LOMBO DE POTRO;
DOMANDO BAGUAL APORRIADO, 
PULEI CERCA DE ARAMADO
E AGUENTEI, FIRME, O REPUXO;
QUEIMEI O ÚLTIMO CARTUCHO,
E NÃO FUGI DA PELEIA,
POIS DENTRO DAS MINHAS VEIAS
CORRE UM SANGUE DE GAÚCHO.
 
EU ME CRIEI MEIO TEATINO,
CAMPERIANDO CAMPO AFORA;
RINSCANDO O POTRO DE ESPORA
JAMAIS CAÍ DE ALGUM PEALO.
HOJE, SINTO NAS MÃOS OS CALOS
DA MINHA VIDA CAMPEIRA;
MARQUEI AS MINHAS FRONTEIRAS
NAS PATAS DO MEU CAVALO.
 
NO XUCRO LOMBO DA VIDA
EU CAÍ ALGUM TOMBO;
FOI DURO ESTE ROMBO,
EU SENTI O SOFRENAÇO:
FOI O XUCRO MANOTAÇO
DESTE MUNDO MAL DOMADO.
NA BRASA FUI TEMPERADO,
PARA SER DE PURO AÇO.
 
NA BRASA FUI TEMPERADO,
NO CALOR DE ALGUM FOGÃO;
NO LOMBO DE REDOMÃO
PULEI CERCA E VALETA;
NÃO VEJO A COISA PRETA
E NEM PORTEIRA ME ATACA;
SOU TAURA, E TRAGO A MARCA
REGISTRADA NAS PALETAS!
............................................................................
  Autor: Leonidas Camargo
Poesia enviada Por: Leonidas Camargo - Passo Fundo / RS
  Observações:
UMA PEQUENA COLABORAÇÃO, COM OS MEUS SIMPLES VERSOS, A ESTE ÓRGÃO DIVULGADOR DAS COISAS
BOAS DO MEU RIO GRANDE DO SUL. PARABÉNS, BOMBACHA LARGA!
UM ABRAÇO MUI GAÚCHO, DESTE HUMILDE POETA PASSOFUNDENSE LEONIDAS CAMARGO.

 


 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
Untitled Document