Usuário:
 
  Senha:
 
 

Jayme Caetano Braun:
Sangue Farrapo

 

18/07/2006 17:26:12
LENÇO MARAGATO
............................................................................

Antonio Francisco de Paula

 

Este lenço escarlate

Que uso com muito gosto,

Amarrado no pescoço

Com as pontas esvoaçando ao vento,

É relíquia de um tempo,

Herança dos ancestrais,

Que ganhei de Adenir Paz

Com votos de sentimentos.

 

Vetusto pano de lei

De pura seda encarnado,

Tu és o maior legado

Da nossa tradição.

Emblema de devoção

De um povo guerrido e forte,

Que lutou até a morte

Em defesa deste chão.

 

Rubro trapo cigano,

Distintivo de guerra,

Da gauchada gaudéria

Que peleou na revolução

De garrucha, lança, facão,

Rebenque, espora e dagaço,

Tereceando ferro no braço

Numa guerra contra irmão.

 

É reminiscência da história

Dos guerreiros farrapos.

Os valentes maragatos

Que usuram com respeito,

Bem atado a preceito

Na moda farroupilha,

Como estandarte em tiras,

Com as franjas rustindo o peito.

 

Quantas e quantas vezes

Desprendeste do pescoço

Pra acudir um índio moço

Ferido de adaga e bala,

Retalhado de navalha,

De corpo feito em frangalhos,

Se enrodilhando nos talhos

Nas barbarescas batalhas.

 

Às vezes, à meia espalda,

Num desafio de chula,

Ou como vincha charrua,

Apresilhando as melenas;

Roçando busto de prendas,

Enxugando prantos de ciúmes,

Empreguinado de perfume

E de ruge das morenas.

 

Cumpriste, assim, teu destino,

E ficaste por lembrança,

Como pendão de esperança

Rebenqueado de minuano;

Como escudo pampiano

Retovado de glória,

Com a marca da vitória

Dos farrapos de antanho.

 

Lendário lenço gaudério,

O vermelho de tua estampa

É o sangue esvaído no pampa

Nas vastidões das coxilhas;

É o sol gigante que brilha,

Como um braseiro de angico,

Aquecendo o torrão bendito

Da república farroupilha! 

............................................................................
  Autor: Antônio Francisco de Paula
Poesia enviada Por: José Itajaú Oleques Teixeira - Brasília / DF
  Observações: Do livro "Meu Avô, Meu Mestre: poesias gauchescas", gentilmente dedicado e autografado a este vivente por seu autor Antônio Francisco de Paula, a quem agradecemos e cumprimentamos pelo excelente trabalho realizado. E aproveitando a oportunidade, divulgamos a todos os interessados o número de telefone para contato com o poeta e declamador Toninho de Paula: (61) 9968-4597

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
21/09/2010 09:30:42 POEMA S DOS MARAGATOS - IPATINGA / ES - Brasil
MUITO INTERESSANTE. SÓ FALTOU ILUSTRAÇÕES.
Sítio: *****
20/01/2010 01:00:54 Pedro Soquetta - Santa Maria / RS - Brasil
Poesia muito boa, que transmite um sentimento a quem a lê!
Sítio: *****
Untitled Document