Usuário:
 
  Senha:
 
 

Os Bertussi:
A Volta do Tropeiro

 

15/05/2010 10:10:27
BOMBACHA LARGA
............................................................................

 

QUANDO ME PILCHO, PACHOLA,
ORGULHO-ME DE MINHA BOMBACHA.
BEM LARGA ELA SE ACHA
DE ACORDO COM A INDUMENTÁRIA.
NÃO É PEÇA IMAGINÁRIA,
É REAL E TEM HISTÓRIA,
E FAZ PARTE DA MEMÓRIA
DO RIO GRANDE; E ELA VAI
PARA O MUNDO E NÃO SAI
DA VIVÊNCIA DO GAÚCHO,
QUE COM ELA AGUENTOU O REPUXO
NA GUERRA DO PARAGUAI!

QUANDO ME PILCHO, PACHOLA,
COM UM CHAPÉU DE BARBICACHO,
ATÉ SEM QUERER ME ACHO
UM SOLDADO DE OSÓRIO,
POIS ESTE TRAJE SIMPLÓRIO
FOI FARDAMENTO DE GUERRA
DOS DEFENSORES DA TERRA,
NO COMANDO DO GENERAL.
DEU A BOMBACHA MORAL,
LIBERDADE DE MOVIMENTOS;
NOS ENTRECHOQUES SANGRENTOS,
FOI UM FATOR PRIMORDIAL!

QUANDO ME PILCHO, PACHOLA,
POR VEZES, PARO E PENSO
QUE O MEU COLORADO LENÇO
NÃO É SOMENTE UMA FITA
OU SÓ UMA PEÇA BONITA
A ENFEITAR MEU PESCOÇO
NEM UMA COISA DE GROSSO,
MAS UMA LEMBRANÇA DOS FATOS
COM SENTIDOS CORRELATOS
DE POLÍTICAS PASSADAS,
COM CORES REPRESENTADAS:
NO MEU LENÇO, OS MARAGATOS!

QUANDO ME PILCHO, PACHOLA,
DE GUAIACA NA CINTURA,
ESTOU MANTENDO A MAIS PURA
TRADIÇÃO DE NOSSO PAGO.
COM ELA, SEMPRE, EU TRAGO
MINHA BOMBACHA BEM FIRME.
E NÃO FALTA QUEM AFIRME:
- SE HOUVER GAÚCHO VESTIDO,
NA BOMBACHA ESTREITA ESCONDIDO,
SEM GUAIACA, SÓ DE CINTO,
PODE APARTAR ESSE “PINTO”,
QUE O BICHO JÁ TÁ PERDIDO!

QUANDO ME PILCHO, PACHOLA,
COM BOTAS DE CANO ALTO,
COMO SE DESSE UM SALTO
ME SINTO LÁ NAS ALTURAS,
PARA VER, LÁ NAS PLANURAS,
UM GAÚCHO GALOPANDO,
DE BOTA E ESPORA CRAVANDO
NAS VIRILHAS DE UM BEIÇUDO,
FAZENDO VOAR O CRINUDO
A ROSETA E A MANGO,
NA DIREÇÃO DE UM FANDANGO,
PRA UM XOTE BEM MACANUDO!

QUANDO ME PILCHO, PACHOLA,
TENHO COMIGO, PRESENTE,
QUE MESMO QUE UM VIVENTE
PORTE CHAPÉU, LENÇO E BOTA,
NINGUÉM NA FIGURA NOTA,
NÃO SERÁ IDENTIFICADO,
ESTÁ DESCARACTERIZADO.
E OUTRA RIMA EU PUXO:
SÓ COM UMA GUAIACA DE LUXO
E UMA LARGA BOMBACHA,
QUE EM QUALQUER PARTE SE TAXA:
- AGORA, SIM, É UM GAÚCHO!

QUANDO ME PILCHO, PACHOLA,
ESTOU HONRANDO MINHA INFÂNCIA,
AS TROPEADAS EM CRIANÇA
JUNTO AO PAI PEDRO TEIXEIRA.
E NÃO POSSO ESQUECER, NEM QUE QUEIRA,
DOS MAIS ANTIGOS, OS AVÓS,
QUE A EXEMPLO DOS  BISAVÓS
FORJARAM, COM SUA VIVÊNCIA,
PRINCÍPIOS MORAIS E A CONSCIÊNCIA:
QUE UM FILHO DO RIO GRANDE,
POR QUALQUER LUGAR QUE ANDE,
DEFENDE, SEMPRE, A QUERÊNCIA!

QUANDO ME PILCHO, PACHOLA,
SOU A PRÓPRIA TRADIÇÃO
DE MANGO FIRME NA MÃO,
DEFENDENDO MINHA HERANÇA;
NA MÃO ESQUERDA UMA LANÇA,
PRA UM REFORÇO NA PELEIA,
POIS SEI QUE A PENDENGA É FEIA,
QUE A ERVA QUE CURA É AMARGA.
POR ISSO EU FAÇO UMA CARGA
E ENFRENTO AS VICISSITUDES,
POIS NÃO É NA QUIETUDE
QUE LUTA UM BOMBACHA LARGA!

............................................................................
  Autor: José Itajaú Oleques Teixeira
Poesia enviada Por: Bombacha Larga - Brasília / DF
  Observações:

Observações do sítio Bombacha Larga: conforme o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, o termo bombachas é do Regionalismo do Sul do Brasil, significando, entre os gaúchos, certas calças muito largas, cingidas nos tornozelos por botões. E de acordo com o Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, bombachas são calças muito largas em toda a perna, salvo no tornozelo, aonde são presas por botões, típicas, sobretudo, do vestuário regional gaúcho.


 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
Untitled Document