Usuário:
 
  Senha:
 
 

Os Monarcas:
Prece Telúrica, de Arabi Rodrigues
e Luis C. Lanfredi

 

25/05/2010 10:24:52
SOU GAÚCHA
............................................................................

 

 

Sou gaúcha fronteiriça
do velho pago liberto;
nasci num rancho modesto,
coberto de santa-fé...
Cresci nos verdes regatos,
tendo o perfume dos matos,
brincando de bem-me-quer.

Sou gauchinha charrua,
simples como a natureza;
não conheço a tal tristeza,
vivendo aqui no interior...
Adoro a simplicidade;
sei domar a falsidade,
para não sofrer por amor.

Uso cabelos compridos
e um vestido, assim, de chita;
dizem que sou bonita,
mas não sei se sou assim...
Levanto-me bem cedinho
para ouvir os passarinhos,
que vêm cantar no jardim.

Já estou fazendo as lidas,
quando o dia vem clareando;
passo as tardes campereando,
não ligo para tempo feio...
Sei montar qualquer cavalo,
animais xucros eu pealo;
e sei até parar rodeio.

Sou assim, com pouco ensino,
não conheço a moda nova,
mesmo, assim, já tive a prova
dessa vã filosofia...
Não sei palavras bonitas;
sou uma boneca de chita,
mas não sou miss fantasia!

Gosto de ir aos fandangos
dançar xotes e vaneiras;
as tradições galponeiras
eu cultivo, com prazer;
faço delas o meu rito,
e desses campos bonitos
minha razão de viver.

Dizem que sou atrasada;
uso o dialeto pampeano,
carrego o dom franciscano
pelas coisas naturais...
Sou, mesmo, bem diferente
do tal homem de postura
que, em nome da cultura,
faz coisas irracionais!

A resistência farrapa
justifica o meu alento...
Sou tão livre quanto o vento,
que sopra sobre as campinas...
Morrerei, se for preciso,
por meu chão, que é um paraíso,
e as belas tradições sulinas!

............................................................................
  Autor: Salvador Ferrando Lamberty
Poesia enviada Por: Bombacha Larga - Brasília / DF
  Observações:

Atendendo ao pedido da Prenda Andréia, do Alegrete, publicamos esta poesia, indicada para a declamação de Prendinhas Mirins.


 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
29/08/2011 21:34:21 Gilse Mello - São Gabriel / RS - Brasil
Parabéns pela letra desta poesia. Ela diz, realmente, como é uma prendinha aqui do interior.
Sítio: *****
19/07/2010 13:21:05 Ana Michels - Venancio Aires / RS - Brasil
Há um tempo remoto declamei algo parecido, com bem menos estrofes. Tinha na época 8 anos. E um fato de que me orgulho é aquele em que engasguei, e o pessoal achou que eu havia esquecido da letra. Dei um soluço, outro sorriso, e continuei a versar, enquanto os aplausos aumentaram, puxados por meu pai. E isso era só um rodeio de gente de casa...
Sítio: *****
Untitled Document