Usuário:
 
  Senha:
 
 

Leopoldo Rassier:
Pilchas, de Luiz Coronel e Airton Pimentel

 

13/07/2010 10:29:33
NA SOLIDÃO DOS GALPÕES
............................................................................

 

 

Rebenta a noite, de trás dos galpões,
enquanto mateio meus pensamentos,
lá junto do rancho-abrigo.
O pingo me mira, mui quieto;
parece que sofre comigo
a desventura de viver e morrer todo dia,
na solidão destas noites de maio.

São dias e tardes,
que despencam lá da serra;
tratando cuidar da lida,
pra esqueçer das feridas,
cruzando e rompendo os campos,
mateando a saudade
que me abriga e consola.

São dias e noites, iguais a esta,
na desventura de uma amor, que não veio,
na derradeira saudade, que fere como relho.

Trato de vencer o pranto
e deixo o cansaço me apaziguar;
amanhã, outra manhã nenascerá,
e a esperança plena de um querer,
por estes campos irei buscar...

............................................................................
  Autor: Andrea Rodrigues
Poesia enviada Por: Andrea Rodrigues - São Paulo / SP
  Observações:

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
Untitled Document