Usuário:
 
  Senha:
 
 

Miguel Marques:
Alma de Campeiro

 

24/07/2006 16:48:31
A SAGA DE SEPÉ
............................................................................

Antonio Francisco de Paula

Em mil setecentos e vinte e dois
Na redução de São Luís Gonzaga
Nascia naquelas plagas
Um bugrinho iluminado
Guarani de muita fé
Conhecido por Sepé
Que em guri foi adotado

Levado pra São Miguel
A vizinha redução
Para junto de teus irmãos
Naquela terra bendita
Onde foi catequizado
Educado e preparado
Pelos padres jesuítas

Ali vivia contente
Com teu povo irmanado
Cultivando lavoura e gado
Alimentos para o sustento
Aprendendo com os missionários
Os ofícios mais raros
As construções dos monumentos

Oficinas, escolas, igrejas
Cidades inteiras planejadas
Com jardins, ruas, calçadas
Com toda a infra-estrutura
Aquela grande família
De tudo um pouco aprendia
desde música à escultura

Mas para a infelicidade
Daquela gente inocente
Surgia de repente
O tratado de Madri
De Espanha e Portugal
Pra enxotar do torrão natal
Os nativos guaranis

Determinava o tratado
Da raposa e do leão
A troca de possessão
No maldito documento
Os nossos belos rincões
Os sete povos das missões
Pela Colônia de Sacramento

José Sepé Tiaraju
Valente cacique guerreiro
Pêlo duro missioneiro
Comandou a insurreição
Peleou de peito aberto
Contra o destino incerto
Em defesa deste chão

Lutou heroicamente
De arco, flechas e lançaços
Contra arcabuzes e canhonaços
De Castela e Lusitanos
Dia sete de fevereiro
Tombou morto no entrevero
A lança e bala dos tiranos

Na refrega que precedeu
O massacre de Caiboaté
Despediu-se São Sepé
Daquela terra tão rica
E o teu sangue guarani
Escorreu no Batovi
Às margens da sanga da bica

Numa nuvem de fumaça
Seguiu o facho de luz
Na companhia de Jesus
Para estância grande do céu
Bradando com entono
Esta terra tem dono
Foi dada por Deus e São Miguel

E os potentados do além-mar
Imbuídos pela ganância
Invadiram as estâncias
Para saquear nossas riquezas
Sanguinários desalmados
Que nunca foram julgados
Pelas terríveis proezas

Sepé partiu para o além
A duzentos e cinqüenta anos
Mas continua vivo lutando
Inspirando teus guerreiros
Clamando por liberdade
Igualdade e fraternidade
Aos povos do mundo inteiro!
............................................................................
  Autor: Antônio Francisco de Paula
Poesia enviada Por: Antônio Francisco de Paula - Brasília / DF
  Observações: Poesia classificada em 1. lugar - categoria Poesia Inédita -, no 14. FEGARP-Festival de Arte e Tradição do Planalto Central, realizado na sede do CTG Sinuelo da Saudade, do PAD-DF, nos dias 14, 15 e 16 de julho de 2006.

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
31/10/2008 10:13:19 leandro maia - brasilia / DF - Brasil
Termino o meu curso de História no dia 26/11/2008 e nunca vi uma história tão linda sendo contada de forma agraciada em uma poesia!
Sítio: *****
Untitled Document