Usuário:
 
  Senha:
 
 

Os Bertussi:
O Tropeiro

 

27/11/2010 00:15:16
CRIOULO
............................................................................

 

 

Nasci crioulo nessa plaga campechana,
que se esparrama pelas várzeas e coxilhas;
guasca terrunho com a alma aragana,
raça pampeana da estirpe farroupilha.

Cresci solito, de a cavalo na cancela,
e sobre a sela ajustada no lombilho;
sempre vivendo sem luxo e sem floreio,
com meus arreios, esporas e cabrestilhos.

Por andar há tanto tempo enforquilhado,
tô meio arqueado e com as pernas cambotas;
marca baguala de quem vê o mundo de cima
e sabe o clima das planuras e das grotas.

Moldei meu corpo no galope e no trotear,
pra me ajustar como ginete e homem;
tendo rijeza na cabeça e nos braços,
e no espinhaço, até donde perde o nome.

Por isso tenho esse jeitão abrutalhado,
abarbarado desde o próprio linguajar;
é o crioulismo que chega mostrando a fuça
e escramuça na forma e no pensar.

Vivo peleando as mazelas desta vida,
na dura lida de campeiro e changueador;
me destrinchando entre o campo e a lavoura,
estrada a fora derramando o meu suor.

O meu suor tem cheiro de terra e macega
e escorrega pelo lançante abaixo;
vai encharcando couro velho com pelama,
da cabelama até o fio do barbicacho.

Para matar a sede a água da vertente,
que sorvo quente num amargo chimarrão;
para matar a fome um churrasco gordo,
que faço e mordo engraxando tudo a mão.

Para me impor carrego as armas na cintura,
porque bravura e atenção nunca é demais;
pra respeitarem trato todos com respeito,
que sou sujeito de coragem e boa paz.

Para viver protegido a Cruz de Lorena
e a cantilena para o meu Jesus Cristinho;
para guiar meus passos a estrela boeira,
que pelas beira ilumina o meu caminho.

Para bem me conduzir o cavalo amigo,
que eu bendigo sempre todo santo dia;
de companhia o velho cusco companheiro,
o fiel parceiro de rusgas e alegrias.

Para seguir um tanto folheiro e disposto,
carrego o gosto do beijo de uma china.
É bem assim que passa o tempo o índio puro;
e o futuro o Patrão Velho determina!

............................................................................
  Autor: Cândido Brasil
Poesia enviada Por: Cândido Brasil - Cachoeirinha / RS
  Observações:
O autor é Presidente da Estância da Poesia Crioula do Rio Grande do Sul.

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
02/06/2011 16:44:47 Michele - Sorriso / MT - Brasil
Muito boa a poesia. Vou dá-la para o meu pai declamar.
Sítio: *****
Untitled Document