Usuário:
 
  Senha:
 
 

Grupo Rodeio:
Deus Gaúcho, de Régis Marques

 

16/12/2011 00:12:31
RIMA CAMPEIRA
............................................................................

 

 

Pajador Adão Bernardes 

Dei rédeas para a memória
voltear uma rima campeira,
que fosse igual a uma tronqueira,
dessas que escora bagual.
Esta rima é ancestral,
não há modismo que abrande,
e por onde quer que ande
será semente e raiz,
pois é a forja e matriz
do verso do meu Rio Grande.

Minha rima traz na garganta
a certidão de onde venho,
e esta ânsia que eu tenho
de cantar campo e querência
é seiva da xucra essência,
curtida entre mil peleias;
rebenta laço e maneias,
liberta lenda e mistério,
e deixa o sangue gaudério
escramuçando nas veias.

É o choromingo do vento,
nas catedrais missioneiras;
é o chiado das chaleiras,
nas trempes sobre o borralho;
é a fina gota de orvalho,
nas folhas da pitangueira;
sanga, pedra e corredeira,
no fundo de alguma grota;
é água pura que brota,
matando a sede povoeira.

É rancho, abrigo e morada,
na costa de algum capão;
fumaça e fogo de chão,
nas noites frias de inverno;
é guarda fogo de cerno,
é cuia, erva e cambona,
cantador, voz e cordeona,
mistura de pasto e terra;
clarins e hinos de guerra,
numa vaneira gaviona.

Minha rima canta entreveros
de adaga, lança e espada,
História que foi gravada
pra perpetuar uma raça;
foi curtida na fumaça,
nos fogões de acampamento;
é bóia que dá o sustento,
pra quem meu verso escutar;
e faz o coração corcovear,
eivado de sentimentos.

Minha rima é tropilha mansa,
troteando direito à aguada;
é sombra à beira da estrada,
para fugir do mormaço;
é xerenga de bom aço,
num churrasco de picanha;
é o trago bueno de canha,
com seu gosto abarbarado,
e que se toma oitavado
num bolicho de campanha.

É desta rima que brota
o verso tradicional,
trazendo marca e sinal
da pampa venta rasgada.
Por isso foi perpetuada
na garganta dos tenores,
nos galpões e corredores
desta querência bagual,
e se tornou imortal
no canto dos pajadores!

............................................................................
  Autor: Jorge Lima
Poesia enviada Por: Jorge Lima - São Miguel das Missões / RS
  Observações:
Poesia classificada em 2º lugar no 2º CONCURSO DE POESIAS
"RIO GRANDE LÍRICO", da ESTÂNCIA DA POESIA CRIOULA,
concurso literário realizado no 2º Semestre de 2011.

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
06/06/2013 17:52:16 Conrado Wolff Júnior - Passo Fundo / RS - Brasil
Tchê! Lôco de bueno estes teus versos! Parabéns!
Sítio: *****
19/10/2012 11:06:40 sil - maceio / AL - Brasil
Muito bom! Vc é ótimo!
Sítio: *****
19/10/2012 11:04:41 acrisse - maceio / AL - Brasil
Muito bom! Amei!
Sítio: *****
Untitled Document