Usuário:
 
  Senha:
 
 

Paixão Côrtes:
Gaúcho Velho

 

09/04/2012 22:09:44
HOJE ME BATEU UMA SAUDADE
............................................................................

 

 

Hoje me bateu uma saudade.
Talvez, que me bate sempre sem avisar.
Talvez vá embora sem recados deixar;
ou se prepare como um leão a rugir.
Mas é saudade, deve existir.

Mostra os bons momentos,
sem fazer esquecer que outros virão;
mas que aqueles marcaram.

Bateu saudade.
Talvez, daqueles mates.
Bateu a saudade forte.
Talvez, do poente que se mirava.
Era bueno o amargo cevado
que, na verdade, a amizade cevava.

E aquele mate que se estendia
não era a hora do dia,
mas, sim, o companheirismo que rendia,
do sabor amargo, o acalento do coração.

Se dizia sobre paixão,
sobre potros e guitarras;
se estendia conversas
e se davam gargalhadas.

Nada morreu, nada se foi.
De tudo sobrou a alegria,
sobrou, na imaginação, a fantasia
daquele amargo, de novo, cevado.

............................................................................
  Autor: Nepomuceno Alves
Poesia enviada Por: Nepomuceno Alves - Sant'Ana do Livramento / RS
  Observações:
 * Poesia escrita em homenagem a um grande amigo de Lavras do Sul. O autor.

 
Nome:
Cidade:
Estado:
País:
E-mail:
(O E-mail não é Publicado no Comentário)
Sítio:
Comentário:
   
 
Untitled Document